7 em cada 10 desempregados estão dispostos a ganhar menos | Gazeta Digital

Quinta, 16 de fevereiro de 2017, 16h08

7 em cada 10 desempregados estão dispostos a ganhar menos


Estadao

Com a taxa de desemprego em alta e sem perspectivas de melhora para os próximos meses, sete em cada 10 brasileiros desempregados estão dispostos a ganhar menos do que no último trabalho, mostra pesquisa inédita feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

As principais justificativas para aceitar um salário menor são a necessidade de pagar as despesas e de voltar ao mercado de trabalho. A maioria dos que topariam uma remuneração inferior é formada por homens e pessoas que fazem parte das classes C, D e E.

Entre os se recusam a receber menos, que são principalmente mulheres e pessoas que pertencem às classes A e B, argumenta-se que ganhar um salário menor significaria um retrocesso na carreira profissional. Eles afirmam também que, uma vez dado esse passo para trás, dificilmente conseguiriam voltar à remuneração anterior.

Mesmo com a maioria aceitando salários menores, as oportunidades que aparecem são poucas. Segundo a pesquisa, 60% não estão sendo chamados para entrevistas.

Com a baixa oferta de vagas, existe uma parcela de 5,8% que desistiu de procurar trabalho e agora está apenas à espera de uma chance. Outros 14,2% recorrem a fontes alternativas de renda, enquanto não acham um trabalho formal. Os 80% restantes ainda procuram um emprego.

‘A questão não passa apenas pela qualificação, e sim pela fragilidade atual da economia brasileira, que não oferece as condições necessárias para que sejam criados novos empregos‘, afirma o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro. ‘Para 2017, a expectativa é de um cenário econômico melhor do que em 2016, mas a recuperação deve se tornar mais sólida apenas no segundo semestre‘, acrescentou.

O levantamento aponta também que metade dos desempregados está nesta condição por um período de até seis meses. A média do período sem trabalho é ainda maior, de 12,2 meses, ou um pouco mais de um ano. E entre os que foram demitidos, nove em cada 10 alegaram motivos externos, como a crise econômica ou a necessidade da empresa de cortar custos.

A pesquisa, que entrevistou pessoalmente 600 brasileiros desempregados acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais, destaca que a maioria dos desempregados hoje é formada por mulheres (58%), pessoas que fazem parte das classes C, D e E (89%), possuem filhos (56%) e têm o ensino médio completo (65%). A idade média é de 36 anos.
 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 28 de julho de 2017

11:55 - Mesmo com queda no desemprego, País perde 1 milhão de vagas em um ano

08:33 - Desemprego tem primeira queda significativa desde 2014, diz IBGE

Sexta, 30 de junho de 2017

13:33 - Desemprego tem leve queda em maio e atinge 13,8 milhões no Brasil

Quarta, 28 de junho de 2017

16:38 - Desemprego atinge 2,1 milhões de pessoas na Grande SP

Segunda, 26 de junho de 2017

15:17 - Produção industrial cresce e emprego cai em maio

Quarta, 14 de junho de 2017

15:28 - Indústria paulista fecha 3 mil postos de trabalho em maio, diz Fiesp

Sexta, 09 de junho de 2017

08:11 - Pesquisa revela as profissões resistentes contra crise; confira

Quarta, 31 de maio de 2017

15:00 - 62% dos brasileiros acreditam que vão manter colocação em 2017

10:42 - Construção demite 646 mil empregados em um ano, revela IBGE

08:31 - Desemprego atinge 14 milhões de pessoas em trimestre encerrado em abril


// leia também

Quarta, 16 de agosto de 2017

08:45 - Meirelles pede que agências de classificação de risco adiem revisão de notas

Terça, 15 de agosto de 2017

21:50 - Previsão de salário mínimo para 2018 cai para R$ 969

21:15 - Governo espera obter R$ 14,5 bilhões com aumentos de tributos em 2018

20:47 - Reajuste de salário de servidores públicos pode ser adiado em 1 ano

20:20 - Governo eleva para R$ 159 bilhões metas de déficit primário de 2017 e 2018

15:16 - Mercado ilegal representa 16% do PIB e governo quer fechar o cerco

15:13 - Agricultura estima em R$ 535,4 bilhões valor bruto da produção agropecuária

14:45 - Padilha diz que meta fiscal deve ficar em torno de R$ 159 bilhões

08:56 - Vendas no varejo sobem em junho e interrompem nove trimestres de queda

08:46 - Indústria tem prejuízo de R$ 27 bilhões por falta de segurança, afirma CNI


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 16/08/2017
 

GD Empregos

Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 16/08/2017
30998172bf1924e518b296591876fac2 anteriores

WhatsApp




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Proposta prevê espera máxima de 30 minutos para atendimento nos cartórios.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual