Sexta, 17 de fevereiro de 2017, 11h47

Mercado brasileiro de smartphones recua 16%


Estadao

O mercado brasileiro de smartphones registrou queda de 16% em 2016, segundo dados da consultoria Gartner. No total, 43,4 milhões de unidades foram vendidas - em 2015, o número de smartphones comercializados foi superior a 50 milhões.

A explicação para o desempenho ruim está na crise econômica e na desvalorização do real frente ao dólar. Isso fez as fabricantes apostarem em aparelhos mais avançados, com margens de lucro maiores.

Com isso, o segmento de entrada, que concentra os smartphones de preço mais baixo, foi deixado de lado. A demanda dos consumidores brasileiros, no entanto, se concentrou justamente nesses produtos. Houve também a tendência de postergar a troca do aparelho.
O levantamento da Gartner mostra que a sul-coreana Samsung liderou mais uma vez as vendas de smartphones, mantendo sua fatia de mercado em 38,2%, o equivalente a 16,6 milhões de unidades vendidas.

Bem distante da primeira colocada, a chinesa Lenovo ficou com o segundo lugar. Dona da marca Moto (antiga Motorola), bastante popular no Brasil, a Lenovo ampliou seu espaço no setor, passando de uma fatia de 19%, em 2015, para 19,8%, em 2016. A sul-coreana LG ficou na terceira colocação, com participação bem menor que as rivais (10,4%).

’Premium’. A Apple também cresceu: em quinto lugar, a companhia que fabrica o iPhone viu sua participação saltar de 4,5% para 5,6% de um ano para o outro. Dois fatores colaboraram com a empresa. Além ter um público cativo, que sempre troca de celular com a chegada de novos modelos, houve também o lançamento do iPhone SE, versão ‘mais barata‘ do iPhone 6S, com tela de 4 polegadas.

A Gartner também mediu o número total de celulares simples vendidos no País - os chamados feature phones. O mercado teve queda de 39%, passando de 5,4 milhões de aparelhos para 3,9 milhões de unidades vendidas.  



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 13 de fevereiro de 2017

11:34 - Para conquistar clientes, marcas investem em cheirinho de loja

08:08 - Comércio fechou 108,7 mil lojas e cortou 182 mil vagas no ano passado

Segunda, 30 de janeiro de 2017

08:22 - 35,4% de empresas devem para o Simples Nacional

08:13 - Economistas reduzem projeção para inflação em 2017

Sexta, 27 de janeiro de 2017

08:38 - Confiança da Construção sobe 2,5 pontos em janeiro

Sexta, 06 de janeiro de 2017

08:11 - Indústria decepciona e reforça pressão nos juros

Quinta, 05 de janeiro de 2017

08:19 - Indústria pode perder R$ 67 bi com feriados

Terça, 03 de janeiro de 2017

08:54 - Feriados podem tirar R$ 10,5 bi do comércio

Domingo, 18 de dezembro de 2016

08:08 - Crise de crédito tirou R$ 1 trilhão da economia

Quarta, 30 de novembro de 2016

08:17 - Economia brasileira encolhe 0,8% no 3º trimestre


// leia também

Sexta, 24 de fevereiro de 2017

10:50 - Bancos não poderão cobrar juros de mercado por atraso em pagamentos

10:41 - Famílias de Brasília e São Paulo têm maior renda

10:37 - Setor público registra superávit primário recorde em janeiro

10:34 - Rombo na Previdência chegou a R$ 316,5 bi em 2016

10:27 - Reforma vai reduzir número de mulheres que se aposentam

10:18 - Desemprego atinge 12,9 milhões no país em três meses

08:36 - Confiança da indústria recua 1,2 ponto em fevereiro

Quinta, 23 de fevereiro de 2017

15:16 - Brasileiros que vivem no exterior também podem sacar FGTS de contas inativas

14:52 - Negros e pardos têm rendimento bem inferior ao da população branca, diz IBGE

12:27 - Receita Federal libera programa da declaração de Imposto de Renda


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 24/02/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 24/02/2017
A62e5578094d90cd223922c882d8cb18 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,0656 -0,12%
Ouro - BM&F (à vista) 122,40 +0,66%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 64,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Reforma trabalhista prevê que patrões e empregados poderão negociar a jornada de trabalho, desde que não exceda 220h/mês. Qual sua opinião?



Logo_classifacil