Desemprego por longo período reduz chances de recolocação no mercado | Gazeta Digital

Domingo, 16 de julho de 2017, 11h39

economia

Desemprego por longo período reduz chances de recolocação no mercado


Estadao

O número de pessoas desempregadas há mais de dois anos dobrou de 2015 para cá, com o prolongamento da crise econômica. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), esse grupo já soma quase 3 milhões de pessoas sem emprego fixo e com baixa perspectiva de se recolocar no mercado de trabalho. Para esses trabalhadores, a busca pelo emprego virou uma corrida contra o relógio, já que quanto mais tempo fora do mercado, maior a dificuldade para retornar.

Jana Pessôa/Setas-MT

A situação é mais complicada entre os profissionais com idade entre 18 e 24 anos e 30 e 39 anos (ver quadro ao lado). Só nessas duas faixas, o número de pessoas sem emprego há mais de dois anos soma 1,5 milhão. ‘Em geral, essas pessoas têm menos qualificação. Com o passar do tempo, não conseguem mais entrar no mercado de trabalho‘, afirma o economista Fernando de Holanda Barbosa Filho, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Segundo ele, esses profissionais vão começar a sentir ainda mais esse efeito quando a economia voltar a crescer e demandar mão de obra. Além de enfrentar o preconceito das empresas em relação ao tempo sem um emprego fixo, também podem sofrer com as mudanças tecnológicas. Para Barbosa, esse grupo vai merecer atenção especial, caso contrário a crise atual terá efeitos permanentes em sua empregabilidade.

Se para os jovens a situação é complicada, entre os mais velhos chega a ser dramática. Embora não represente o maior número de pessoas sem trabalho há mais de dois anos, a faixa etária que teve o maior avanço no índice de desemprego desde 2015 foi aquela entre 50 e 59 anos. Esse grupo cresceu 140% e passou a somar 248 mil pessoas. ‘Uma característica dessa crise é exatamente o fato de que vários chefes de família estão perdendo o emprego‘, afirma o economista Renan De Pieri, professor do Insper. ‘São pessoas mais experientes e que ganham mais.‘

Tecnologia

Segundo os economistas, alguns fatores explicam a dificuldade para se recolocar depois de um tempo longo sem emprego fixo. Uma delas é a rapidez das mudanças tecnológicas na economia. ‘Se um profissional que está na ativa já sente a mudança de tecnologia, imagine uma pessoa que fica dois, três ou quatro anos desempregado‘, alerta Barbosa. Isso sem contar que, nesse meio tempo, a própria função do trabalhador pode desaparecer. Em algumas áreas, como o setor bancário, por exemplo, a automatização está alterando muito a dinâmica do mercado de trabalho.

Flexibilidade

Segundo o diretor executivo da empresa de recrutamento Michael Page, Ricardo Basaglia, depois de uma crise os empregos não voltam com as mesmas características, o que exige dos candidatos maior flexibilidade para se adequar às novas funções. Num primeiro momento, diz ele, o trabalhador se mostra resistente a mudanças e à redução da remuneração. Mas com o passar do tempo e o afastamento do mercado, ele começa a ser mais flexível. ‘Nesse momento, ele terá de responder ao empregador por que está há tanto tempo fora do mercado de trabalho.‘

De Pieri, do Insper, diz que há preconceito por parte das empresas em relação aos trabalhadores que ficam muito tempo sem emprego fixo. ‘A justificativa é que esse profissional perde habilidade técnica e de liderança.‘ Por isso, completa o professor, é importante manter contato com pessoas do mercado para não se distanciar muito da realidade. É o que tem feito o web designer Wado Cravo.

Sem emprego há mais de dois anos, ele busca os antigos contatos para se manter atualizado e fazer bicos. São os trabalhos esporádicos que têm garantido seu sustento durante esse tempo. Mas o dinheiro só dá para cobrir o básico, diz ele.

‘Tive de cortar quase tudo. Hoje, moro de favor na casa da minha filha. 'Apesar de procurar emprego com frequência e mandar currículos para empresas, ele não tem tido sucesso para se recolocar. ‘Nunca tinha vivido algo nessa magnitude. A crise está matando muitos profissionais dessa área'.

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Terça, 19 de setembro de 2017

23:00 - Kassab diz que entendimento pode evitar intervenção na Oi

15:55 - Pagamento em espécie é motivo de preocupação em todo o mundo, diz Coaf

15:41 - Seca deve aumentar valor de conta de luz em outubro, diz Aneel

13:21 - CNI propõe simplificação do acesso a recursos do FGTS para saneamento

12:58 - População pode opinar sobre obrigação de informar pagamentos em espécie

10:18 - Reajuste de planos de saúde e escolas supera inflação

09:07 - Cresce pressão para manter perdão de dívida com Funrural

Segunda, 18 de setembro de 2017

19:06 - Várzea Grande adere à campanha da Fecomércio contra pirataria e contrabando

17:45 - Preços de mensalidades no ensino superior sobem 1,2% no 2º semestre

14:51 - INSS tem R$ 1 bi a receber de bancos por pagamento a segurados já falecidos


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 20/09/2017
 
Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 20/09/2017
Ca366c85786e904951ca9343d5674919 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Em tempos de delações, operações etc., o que se pode esperar de 2018?




Logo_classifacil









Loja Virtual