País cria 9,8 mil vagas de trabalho e MT puxa saldo no Centro-Oeste | Gazeta Digital

Segunda, 17 de julho de 2017, 15h51

ECONOMIA

País cria 9,8 mil vagas de trabalho e MT puxa saldo no Centro-Oeste


Agência Brasil

O mercado de trabalho brasileiro abriu 9.821 novos postos em junho, variação de 0,03% em relação ao mês anterior. Essa é a terceira expansão consecutiva e a quarta registrada no ano, segundo informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego, divulgadas hoje (17).

Para o ministro do Trabalho e Emprego, Ronaldo Nogueira, os dados mostram que 'a economia dá sinais de recuperação'.

'É melhor que seja gradual, em patamares menores, do que termos uma bolha. Isso nos dá a sinalização de que a economia se recupera de forma positiva', afirmou.

O resultado do Caged é resultado da diferença de 1.181.930 admissões e 1.172.109 demissões. No acumulado do ano, o saldo alcançou 67.358 vagas de emprego abertas. No mesmo período do ano passado, o saldo foi negativo, com 531.765 postos de trabalho fechados a mais que abertos. O resultado acumulado nos últimos 12 meses ainda aponta uma redução de 749.060 postos de trabalho.

‘Nós gostaríamos de comemorar números melhores, mas o Brasil é um país que tem especificidades e a economia é um conjunto de fatores - externos e internos. O governo está cumprindo seu papel no sentido de dar sinais para o mercado, com a aprovação de reformas. A expectativa é que se mantenham os números positivos até o final do ano‘, ressaltou Nogueira.

Setores

No mês de junho, o saldo positivo do Caged foi impulsionado pela agropecuária e pela Administração Pública. Em maio, foram gerados 36.827 novos postos de trabalho na agropecuária, repetindo o desempenho do setor em maio, quando registrou um saldo positivo de 46.049 novas vagas. O setor de produção de café repetiu o desempenho do mês de maio e foi novamente o destaque do período, com 10.804 vagas abertas, concentras em Minas Gerais.

A Administração Pública fechou o mês com a criação de 704 novas vagas de emprego, um aumento de 0,08%.

Já os demais setores tiveram saldo negativo de emprego, com mais fechamentos de vagas que aberturas, como a construção civil (redução de 8.963 postos de trabalho), indústria de transformação (redução de 7.887 postos), serviços (redução de 7.273 postos) e comércio (com o fechamento de 2.747 vagas de trabalho).

Segundo o ministro, no caso da construção civil, o setor deve retomar a geração de empregos nos próximos meses.‘Não é possível que a construção civil se perpetue todos os meses apresentando números negativos. Construção civil para gerar emprego demora, tem a fase dos projetos, das licenças, das organizações das plantas de construção, isso leva de seis a oito meses. Todos os setores que apresentaram números negativos, quando se faz o comparativo com ano passado, os números são muito menores‘, comparou.

Desempenho regional

O desempenho do emprego com carteira assinada foi liderado pela Região Sudeste, com a criação de 9.273 novos postos de trabalho, puxado por Minas Gerais, favorecido pela agropecuária e serviços, com saldo positivo de 15.445 vagas criadas.

A Região Centro-Oeste abriu 8.340 vagas, impulsionada por Mato Grosso, principalmente por setores como a agropecuária, comércio, serviços, construção civil e indústria da transformação. Goiás também teve expansão com a criação de 4.975 novos postos de trabalho, refletindo o setor de indústria da transformação, serviços e construção civil.

Reforma Trabalhista

A expectativa do governo federal é a geração de 2 milhões de postos de trabalhos nos próximos dois anos. A previsão, segundo Nogueira, será conduzida por atividades que utilizam contrato com jornada parcial, trabalho intermitente e home office - quando o trabalhador exerce suas atividades de casa ou em outro local fora da empresa.
'O governo tem tomado medidas concretas. Ordenou as suas despesas, isso é um sinal muito importante para o mercado. O segundo sinal é a segurança jurídica: através da reforma trabalhista se sinaliza para o empregador não ficar com medo de contratar.'

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 13 de novembro de 2017

11:00 - Central de Emprego

Segunda, 06 de novembro de 2017

15:13 - Sine tem 54 vagas e orienta trabalhadores para sair da informalidade

Segunda, 23 de outubro de 2017

17:47 - Ambev abre vagas em 3 cidades de Mato Grosso

Quinta, 19 de outubro de 2017

17:44 - Emprego na construção civil cresce pelo segundo mês seguido

17:35 - Salário médio de admissão tem alta real de 5,59% em setembro, mostra Caged

Terça, 17 de outubro de 2017

08:15 - Sine Municipal disponibiliza 84 vagas de empregos nesta semana

Segunda, 09 de outubro de 2017

14:39 - Sine disponibiliza 20 vagas de vendedor externo em Cuiabá

Sexta, 06 de outubro de 2017

15:41 - Apesar da retomada, medo do desemprego sobe no País

Segunda, 02 de outubro de 2017

10:21 - Em um ano, desemprego cresceu 9,25% no Brasil

Sexta, 29 de setembro de 2017

15:09 - Aberta temporada de contratos temporários para o final de ano


// leia também

Sexta, 17 de novembro de 2017

18:51 - Déficit da Previdência coloca em risco a economia do País, diz ministro

17:22 - Governo federal vai descontingenciar R$ 7,5 bilhões do Orçamento

14:08 - Petrobras capta US$ 1 bilhão com sindicato de bancos

13:31 - Exportações do setor agropecuário crescem mais de 150%

08:51 - Confira as cinco dicas para usar bem a restituição do Imposto de Renda 2017

08:43 - Dos 13 milhões de desempregados, 8,3 milhões são negros e pardos

Quinta, 16 de novembro de 2017

17:41 - Economia deve continuar crescendo, ainda que devagar, indica pesquisa da FGV

14:23 - Volume de cheques devolvidos cresce 1,7% em outubro, diz Boa Vista SCPC

14:07 - Petrobras reduz amanhã preços da gasolina e diesel nas refinarias

13:23 - Banco Central alerta sobre riscos do uso das moedas virtuais


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 18/11/2017
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 18/11/2017
89f01fd46cf172899e90ae8ec15cf338 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual a avaliação do primeiro ano de gestão do prefeito Emanuel Pinheiro?




Logo_classifacil









Loja Virtual