Empregadores têm dúvida sobre reforma trabalhista | Gazeta Digital

Domingo, 13 de agosto de 2017, 10h51

cenário de incertezas

Empregadores têm dúvida sobre reforma trabalhista


Estadao

Weler Morais emprega quatro pessoas na capital federal. Três trabalham na Orus Clínica Odontológica e a quarta fica a quase 20 quilômetros dali, na residência do cirurgião dentista. Pelos jornais, Morais acompanhou a reforma trabalhista e acredita que as mudanças na legislação poderão reduzir a burocracia e até os custos trabalhistas da clínica. Mas ele tem dúvidas se haverá benefícios para Neurailde Araújo, sua empregada doméstica há mais de dez anos.

‘A reforma parece que pode ajudar a clínica. Poderá ser interessante conversar com as funcionárias sobre parcelar as férias como nós, os sócios, já fazemos. A saída amigável também poderá reduzir custos‘, afirma o dentista. Como empregador, Morais acredita que a reforma é positiva porque deixa mais claras as obrigações e os deveres dos três sócios da clínica e também para as três funcionárias que trabalham de segunda-feira a sexta-feira na área central de Brasília.

Mas o quadro muda quando o tema é Neurailde. Mesmo registrada desde o início do trabalho, há mais de uma década, a empregada doméstica acompanhou os debates sobre a PEC das domésticas e, quando a proposta foi aprovada, a recebeu como um ganho de direitos.

‘Quando criaram a PEC, ela ficou realmente empolgada sobre os novos direitos. Mas com a reforma trabalhista parece bem diferente porque ninguém fala nada sobre os domésticos. Nem parece que estão mudando a lei geral‘, afirma o dentista.

Na periferia da zona sul de São Paulo, a reforma trabalhista também tem passado despercebida no número 2.661 da Estrada do MBoi Mirim. Lá, Cleusa Ferreira administra uma pequena empresa de empregos domésticos que agencia trabalhadores da região do Capão Redondo para clientes em bairros nobres como Campo Belo, Moema e Morumbi.

‘Ninguém veio perguntar dessa reforma. Parece que o empregador e o empregado só terão dúvida quando realmente precisarem contratar ou forem questionar alguma coisa na Justiça‘, diz a dona da Cleusas Baby.

Emprego formal

Uma das promessas do governo ao defender a reforma trabalhista era a perspectiva de formalização dos trabalhadores. Pesquisa da Organização Internacional do Trabalho (OIT) mostra que o Brasil é o país com o maior número de trabalhadores domésticos do mundo: 7,2 milhões - e 17% das mulheres atuantes no mercado de trabalho são empregadas domésticas.

Desse total, pouco mais de 30% tem carteira assinada, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Defensores da mudança na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) dizem que a nova legislação vai facilitar a contratação de pessoas que atualmente são informais. Garçons de buffet, vendedores temporários ou babás eventuais eram citados como exemplos de categorias que poderiam ser formalizadas.

Cleusa discorda que alguma coisa mudará para as babás eventuais e a culpa nem será da reforma. ‘Não acredito que as folguistas serão registradas. Hoje, uma babá que trabalha de sexta à noite até segunda de manhã costuma ganhar uns R$ 500 por fim de semana. Se registrar, o salário cai para R$ 1.200 ou R$ 1.300 por mês. Pelos R$ 700, aposto que elas não vão querer o registro‘, diz.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 21 de fevereiro de 2018

13:27 - É cedo para avaliar efeitos da reforma trabalhista, diz indicado para TST

Domingo, 18 de fevereiro de 2018

08:44 - Sindicatos tentam manter cobrança de contribuição proibida pela reforma

Domingo, 04 de fevereiro de 2018

08:41 - Ações trabalhistas despencam mais de 50% após reforma

Domingo, 14 de janeiro de 2018

08:38 - Nova legislação do trabalho entra em debate nos prédios

Domingo, 10 de dezembro de 2017

18:00 - Ações trabalhistas despencam com indefinições sobre nova legislação

09:21 - Trabalhadores questionam contrato na Justiça

09:10 - Varejo começa a contratar pela nova lei trabalhista

Terça, 28 de novembro de 2017

08:57 - Número de ações na Justiça do Trabalho tem queda drástica em MT

Segunda, 27 de novembro de 2017

18:52 - Com nova regra, empregado intermitente poderá ter de pagar para trabalhar

Domingo, 26 de novembro de 2017

09:26 - Após reforma, sindicatos encolhem e demitem para sobreviver


// leia também

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

18:30 - É possível que reforma da Previdência fique para 2019, admite Meirelles

17:35 - Cerca de 43% dos municípios ainda não prestaram contas de gastos com educação

15:38 - Contribuintes podem quitar IPVA sem juros e multas até dia 28

15:06 - Quatro bancos brasileiros acumularam lucro de R$ 57,6 bilhões em 2017

14:16 - Receita exigirá mais informações do contribuinte na declaração de 2019

11:43 - País tem 2,786 milhões de pessoas buscando trabalho há 2 anos ou mais, diz IBGE

09:35 - Demonstrativo de rendimentos já está disponível no site do INSS

09:14 - Pesquisa do IBGE mostra que 26,3 milhões de pessoas estão sem emprego

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

21:58 - CMN aumenta teto de financiamento para produtores de baixa renda comprarem terra

18:05 - Caixa abre programa de desligamento e espera economia de R$ 500 mi ao ano


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 23/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 23/02/2018
A2e8b51001c64082e6766c7843812b80 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

A pedido da ONU, Mato Grosso receberá refugiados venezuelanos




Logo_classifacil









Loja Virtual