Pecuaristas de MT não comentam impactos no setor com prisão dos irmãos Batista | Gazeta Digital

Quarta, 13 de setembro de 2017, 14h00

Pecuaristas de MT não comentam impactos no setor com prisão dos irmãos Batista

Keka Werneck, repórter do GD


João Vieira

Entidades que representam o setor pecuário e de frigoríficos em Mato Grosso não quiseram comentar os impactos no mercado da carne local com as prisões dos irmãos Joesley Batista, no domingo (10), e agora Wesley Batista, da holding J&F, que controla a JBS/Friboi. Wesley foi preso nesta quarta-feira (13).

Empresário Wesley Batista, irmão de Joesley, é preso pela Polícia Federal

Personalidade voltada para o crime, diz delegado sobre irmãos Batista

Divulgação

A JBS, maior processadora de carnes do mundo, responde por 51% do abate no Estado e portanto é também maior compradora de gado em Mato Grosso, que, por sua vez, possui o maior rebanho do país - 29,6 milhões de cabeças. Da JBS, são 16 plantas frigoríficas instaladas e 11 ativas em diferentes municípios mato-grossenses.

A Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) emitiu nota informando que "não se manifestará sobre desdobramentos políticos de grupos empresariais que atuam na cadeia produtiva da pecuária de corte".

Já o presidente do Sindicato das Indústrias de Frigorífico de Mato Grosso (Sindifrigo), Luiz Freitas, procurado pelo Gazeta Digital, ficou de retornar para tratar do assunto, mas não se posicionou até o fechamento desta matéria.

Tanto na Acrimat, quando no Sindifrigo, o setor esteve reunido nesta manhã, para analisar o cenário político e os riscos disso afetar o mercado local, nacional e internacional, uma vez que a holding J&F, da JBF, tem negócios em diversos países.

Chico Ferreira

Economista Carlos Theobaldo de Souza

Economista especialista em mercado internacional, Carlos Theobaldo de Souza, professor universitário em Cuiabá, acredita que as complicações criminais dos irmãos Batista podem, na verdade, abrir espaço para outros empresários em Mato Grosso.

De fato isso ocorreu, como apurou o Gazeta Digital. Duas plantas começaram a funcionar desde maio, quando foi firmada a delação premiada de Joesley e o nome dele ganhou destaque na mídia nacional. Uma planta fica em Mirassol D´Oeste (300 Km a Oeste de Cuiabá), do Grupo Minerva, e outra em Nova Xavantina (645 Km a keste da Capital), do Grupo Marfrig.

Desde então, a JBS tem comprado gado a prazo de 30 dias. Os proprietários recebem uma nota promissória e vão ao banco da própria empresa que adianta o pagamento. De acordo com informações de pecuaristas, os pagamentos, de fato, estão sendo honrados desta forma.

Para o professor Carlos Theobaldo, pela dimensão da empresa, a JBS não deve sofrer descontinuidade administrativa de imediato. "Por isso falar em falência e de desemprego, por exemplo, é muito prematuro", ressalta.

Ele compara o momento atual ao da Operação Carne Fraca, que parecia ser a derrocada do setor, mas dias depois as atividades voltaram à normalidade. No entanto, para Theobaldo, os pecuaristas devem abrir negociações com outros clientes, neste momento de crise da JBS.

"Sim, porque fica sempre a dúvida, será que vão pagar, e até quando, ou será que não vão pagar. Isso pode elevar mais o preço da arroba, porque a tendência é procurar clientes de maior confiança", especula.

Para o consumidor, na opinião dele, o preço da carne nos mercados e açougues deve ficar estável.

"Precisa esperar mais, acompanhar os desdobramentos no Judiciário. O que acho muito provável de acontecer com a holding é ter que vender empresas como a Vigor, coisa que já fez, e as Havaianas, por exemplo, que também é do grupo, pode ser vendida, para terem dinheiro para pagar multas judiciais", comenta.

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Domingo, 24 de setembro de 2017

14:03 - Lava Jato amplia cerco a Lula com mais 6 apurações

Sexta, 22 de setembro de 2017

18:01 - Temer diz que derrubará 2ª denúncia e que a verdade triunfará

Quinta, 21 de setembro de 2017

13:48 - Joesley e Wesley são indiciados pela PF por manipulação de mercado

13:21 - PF identifica compra de Porsche a Eduardo Cunha pelo dono da Gol

12:38 - Moro dá 15 dias a Lula para provar que valores bloqueados são de Marisa

11:58 - Moro manda bloquear R$ 1,5 milhão de Vaccarezza

10:41 - STF deve concluir hoje julgamento sobre 2ª denúncia contra Temer

08:35 - Justiça Federal condena Sergio Cabral a 45 anos de prisão

Quarta, 20 de setembro de 2017

19:18 - Raquel Dodge defende envio da denúncia contra Temer à Câmara

13:15 - Joesley contratou empresa de delegado que atuou no caso Marcela Temer


// leia também

Domingo, 24 de setembro de 2017

17:30 - ONU estima que 470 mil rohingyas precisam de ajuda para refúgio

17:00 - Prazo para produtores rurais aderirem a parcelamento acaba esta semana

12:07 - Mega-Sena acumula pela sexta vez seguida e deverá pagar R$ 40 milhões

12:00 - Em São Paulo, cresce oferta de apartamentos com menos de 30 m²

11:22 - Briga entre ministérios ameaça atrasar novo regime automotivo

Sábado, 23 de setembro de 2017

17:30 - Meirelles diz que PIB para 2017 está próximo de 1%

17:00 - Oi confirma conversas com China Telecom

16:15 - Caixa reduz para 50% limite para financiamento de imóveis usados

10:16 - Bares e restaurantes vão fazer campanha por horário de verão

10:08 - Apesar de política indefinida, empresas testam mercado de elétricos no País


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 25/09/2017
 
Facebook Instagram
GDEnem

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 25/09/2017
27404591e818e43fa949ce26e20c68da anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Ex-secretário de Fazenda de Mato Grosso, Marcel de Cursi, quer ser indenizado pelos 2 anos em que ficou preso




Logo_classifacil









Loja Virtual