Brasil terá superávit primário só a partir de 2021, diz Mansueto | Gazeta Digital

Segunda, 04 de dezembro de 2017, 14h03

após recessão econômica

Brasil terá superávit primário só a partir de 2021, diz Mansueto


Estadao

O Brasil ainda vai levar alguns anos para sair de um déficit primário para superávit primário, afirmou Mansueto de Almeida Junior, secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, em palestra durante o seminário Reavaliação do Risco Brasil, promovido pela Fundação Getulio Vargas (FGV). O País só voltará a registrar superávit em 2021.

O secretário reconheceu que o Brasil estava no meio de uma crise fiscal, não só numa recessão econômica, no início do ano passado. ‘Essa trajetória de sair de déficit primário para superávit primário vai levar alguns anos‘, confirmou.

‘A dívida pública é excessivamente elevada. Se o Brasil fosse uma economia desenvolvida, a nossa dívida bruta não seria (considerada) tão alta. Para países em desenvolvimento, é‘, frisou.

Segundo ele, o País fez um ajuste fiscal que nos anos 90 não pelo corte das despesas mas pelo aumento da carga tributária.

George Gianni/Divulgação

Mansueto de Almeida Junior, secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda

‘Como a carga tributária não era tão anormal nos anos 90, ainda tinha espaço para aumentar arrecadação. Hoje esse aumento teria que ser muito grade, e isso poderia atrapalhar o desenvolvimento e o crescimento‘, avaliou Mansueto. ‘Não dava pra continuar fazendo isso, senão iriamos pra uma cara tributaria perto de 40% do PIB e mesmo assim ela teria que aumentar anda mais‘, completou.

Ajuste no teto

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda afirmou que crê que, no prazo de dez anos, a regra do teto nas despesas públicas primárias do governo federal será revisto, conforme está previsto na emenda constitucional que criou o mecanismo. Ainda assim, a aplicação do teto por dez anos fará as despesas primárias federais encolherem cinco pontos porcentuais do Produto Interno Bruto (PIB), de 19,9% para 14,9%, em 2026.

No décimo ano, a regra do teto levaria o superávit primário a 2,5% do PIB, nas projeções do Ministério da Fazenda. ‘Um ajuste desses, em dez anos, nunca foi realizado‘, afirmou Mansueto.

O secretário destacou a importância de o ajuste focar no corte de gastos. ‘Há uma interpretação no Brasil que qualquer redução de verba a determinadas áreas vai contra o progresso social. Isso não é verdade, você pode gastar bem ou gastar mal‘, disse Mansueto, destacando que o problema no orçamento público brasileiro está nas despesas obrigatórias, não nas despesas discricionárias.

Mansueto também defendeu a opção da equipe econômica por um ajuste fiscal de médio prazo, lento e gradual. A aprovação de medidas como o teto, disse o secretário, melhorou a dinâmica da dívida pública. ‘Temos uma trajetória da dívida pública que é muito melhor do que no início do ano passado‘, disse.

Carga tributária

O Brasil tem uma carga tributária excessivamente elevada, cerca de 10 pontos porcentuais superior à média da carga dos países da América Latina, afirmou Mansueto.

Por isso, a equipe econômica optou por um ajuste fiscal gradual, segundo o secretário. ‘Não seria sábio fazer um ajuste fiscal pelo lado da arrecadação‘, disse. O secretário lembrou que foi isso que foi feito nos ajustes dos anos 1990. ‘Dado nosso nível de desenvolvimento, a carga é elevada.‘

TLP e Selic

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda defendeu o fim do crédito subsidiado, com a substituição da TJLP pela TLP como parâmetro para os empréstimos concedidos pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). ‘Todos nós pagávamos a conta da diferença entre a Selic (taxa básica de juros) e a TJLP. Essa diferença entre TLP e Selic hoje caiu para meio ponto‘, calculou.

Segundo ele, a política de captar dinheiro a juros altos para emprestar muitas vezes a um nível abaixo da inflação para apenas algumas empresas é uma política boa apenas para quem consegue o crédito subsidiado. ‘O custo todo é da sociedade‘, disse Mansueto. ‘Para quem consegue crédito subsidiado é bom. Para quem não consegue não é bom. Vai ter que pagar mais imposto‘, lembrou.

Mansueto defendeu que, muitas vezes, quando o crédito é muito subsidiado, ele leva a alocação errada de recursos. ‘Passamos sete ou oito anos fazendo política de alocação de recursos para investimentos para setores onde o Brasil não tinha vantagem comparativa ou a regulação era muito ruim‘, opinou.

O secretário disse que o Tesouro Nacional emprestar recursos para bancos públicos é normal, mas ressaltou que 9 pontos porcentuais da alta da dívida pública brasileira nos últimos anos decorreu desses empréstimos para bancos públicos. Com a criação da TLP, o Brasil reduzirá significativamente o subsídio implícito, que não é debatido no orçamento, defendeu o secretário. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 22 de janeiro de 2018

21:30 - Meirelles avalia que visão de investidor sobre Brasil está mais positiva

16:30 - Jockey Club, Caixa e Santander lideram ranking de reclamações de consórcios

13:49 - FMI eleva estimativa de crescimento do Brasil para 2018 de 1,5% para 1,9%

Sábado, 20 de janeiro de 2018

08:59 - Financiamento mais barato anima consumidor

Quarta, 17 de janeiro de 2018

21:30 - Cai percepção de piora da economia entre comerciantes

18:00 - Após 6 anos de queda, financiamentos de veículos novos crescem 3,5% em 2017

Terça, 16 de janeiro de 2018

20:00 - Valor arrecadado pela Lei Rouanet se manteve estável em 2017

17:05 - Taxas futuras de juros fecham com viés de alta, alinhados ao avanço do dólar

Sexta, 12 de janeiro de 2018

14:51 - S&P rebaixa ratings de bancos, incluindo BB, Bradesco, Itaú e Santander

14:38 - Moeda virtual não pode ser considerada ativo financeiro, diz CVM


// leia também

Terça, 23 de janeiro de 2018

10:42 - Cármen suspende posse de Cristiane Brasil e expõe divisão jurídica no governo

10:41 - Brasil recebe mais investimento, mas cai em ranking

08:57 - Militar pesa 16 vezes mais que segurado do INSS

08:38 - Especialistas afirmam que rombo da Previdência foi 'manipulado' por reforma

Segunda, 22 de janeiro de 2018

20:00 - Taxas futuras de juros fecham de lado com espera por julgamento de Lula

15:35 - Falas como a de Meirelles em Londres atrapalham aprovação da Previdência

15:20 - Central de Emprego

13:43 - Concorrência entre bancos pode baixar custo do crédito

10:41 - Previdência tem déficit de R$ 268,7 bilhões em 2017

10:11 - Com dívida de R$ 100 bilhões, usinas apostam em etanol para tentar se recuperar


 veja mais
Cuiabá, Terça, 23/01/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 23/01/2018
Ee7bba5599143b6808c910b7421e152b anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Algum novato, de fora da política, pode surpreender nas eleições para presidente da República?




Logo_classifacil









Loja Virtual