Cooperativa de crédito lança máquina para recolher moedas | Gazeta Digital

Terça, 05 de dezembro de 2017, 15h15

Cooperativa de crédito lança máquina para recolher moedas

Silvana Bazani, repórter de A Gazeta


Durante as férias escolares, as moedas habitualmente em circulação no mercado escasseiam. Para os comerciantes, a falta delas dificulta o troco aos clientes. Crianças e idosos são os principais poupadores de moedas e público-alvo de uma nova ferramenta de coleta lançada em Cuiabá.

Otmar de Oliveira

O equipamento Catamoedas está instalado nos bairros CPA 2 e Tijucal, por iniciativa da cooperativa de crédito Sicredi. Associados e poupadores na instituição financeira podem efetuar os depósitos de suas moedas. Outros 10 municípios mato-grossenses dispõem do equipamento, sendo Campo Verde, Tangará da Serra, Rondonópolis, Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Sorriso, Sinop, Colíder, Alta Floresta e Juína. Ao todo, foram instalados 16 equipamentos coletadores em Mato Grosso e 86 no país.

No Catamoedas podem ser depositadas moedas de 5, 10, 25 e 50 centavos e de 1 real. Os valores depositados são computados automaticamente e podem ser conferidos na tela da máquina. “O uso é simples. É só digitar na máquina o número da agência e da conta para o depósito e colocar as moedas no local indicado”, explica a assessora de Negócios Pessoa Física da Central Sicredi Centro Norte, Juliana Rodriques.

“Nossa intenção é estimular a educação financeira e o retorno de moedas em circulação, já que o Banco Central restringiu a comercialização delas”, acrescenta a gerente da agência Sicredi no Tijucal, Patrícia Capitanio. Ela comenta que o bairro foi escolhido para receber o equipamento, juntamente com o CPA 2, pelo elevado contingente de crianças e idosos.

“Eles são mais propícios a guardar dinheiro em moedas”. A gerente da agência Sicredi no bairro CPA 2, Larissa Crispim, destaca a importância de poupar e fazer o dinheiro circular por meio de investimentos. “Se guardar o dinheiro em casa, o poupador não tem rendimento”.

Com pré-projetos de investimento traçados aos 8 anos de idade, a estudante Mariane Ramos Batista admite a prática de guardar moedas em pequenos cofres. “Guardo para construir uma casa e entrar numa escola (particular)”. Já Nicole Maidana, 7, anseia comprar um smartphone com as moedas que tem guardado. “Tenho muitas”.

A gerente de uma loja de doces e embalagens, Ludmila dos Santos, afirma que no entorno do estabelecimento há escolas e cantinas. Durante as férias, as moedas desaparecem. “Sem aulas, as moedas somem. Acho que as pessoas estão guardando mais”.  

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quinta, 26 de abril de 2018

09:05 - Filho de até 24 anos que tranca faculdade não pode ser dependente no IR

08:59 - Fraudes no INSS desviaram mais de R$ 25 milhões da Previdência no Rio

Quarta, 25 de abril de 2018

17:07 - Um terço dos contribuintes ainda não enviou declaração do IR

15:47 - Massa falida do Grupo Modelo saldou mais de 92% das dívidas trabalhistas

14:22 - Governo fecha março com maior rombo para mês desde 1997

14:17 - Brasileiros gastam cerca de R$ 16,7 bilhões no exterior no 1º trimestre

11:55 - PF age contra grupo que manipulou mais de R$ 300 milhões em créditos tributários

09:11 - Real é a terceira moeda que mais perdeu valor em abril

09:05 - Abono ano-base 2016 liberou R$ 16,1 bi para mais de 21 milhões de trabalhadores

Terça, 24 de abril de 2018

20:00 - Aneel aprova reajuste de tarifas de cooperativas de 3 estados


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 26/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 26/04/2018
2f8a4ad01ac2cdfd8dde377dc7eb1047 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Em uma época em que predominam notícias ruins, qual o maior motivo para ser otimista?




Logo_classifacil









Loja Virtual