Juros fecham estáveis, em compasso de espera por votos da Previdência e Copom | Gazeta Digital

Quarta, 06 de dezembro de 2017, 17h00

Juros fecham estáveis, em compasso de espera por votos da Previdência e Copom


Estadao

Os juros futuros fecham nos níveis dos ajustes anteriores, refletindo o compasso de espera da evolução do cenário para a votação da reforma da Previdência e também do comunicado da decisão de política monetária do Banco Central, a ser divulgado no início da noite desta quarta-feira, 6. Além de limitar a oscilação das taxas, a expectativa por estes eventos também resultou numa sessão de liquidez mais baixa do que o padrão.

No fechamento da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2019 tinha a mesma taxa do ajuste de terça-feira, de 7,04%. A taxa do DI para janeiro de 2020 fechou em 8,27%, de 8,28% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2021 encerrou no mesmo nível do ajuste anterior, com taxa de 9,18%, e o DI para janeiro de 2023 fechou com taxa de 10,04%, de 10,05%.

O governo seguiu na ofensiva para conseguir os 308 votos necessários para aprovar ainda este ano a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que altera as regras do regime previdenciário, mas nesta quarta ainda não houve nada concreto sobre o mapa de apoio, tampouco data oficial para votação.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), reafirmou que não vai marcar a data enquanto não houver segurança dos votos necessários para a aprovação e que ainda não há o apoio de 308 deputados. A expectativa é tentar chegar a essa consolidação até a noite desta quarta.

Segundo o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR), já há ‘maioria‘ a favor do fechamento de questão na votação tanto entre a bancada do partido na Câmara quanto na Executiva da sigla. A direção da legenda está reunida para decidir qual será a posição oficial do partido.

A expectativa é de que a legenda decida pelo fechamento para obrigar os 60 deputados da sigla a votarem a favor da proposta. Por outro lado, o 1º vice-presidente da Câmara, deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), previu que a reforma da Previdência não será votada na Casa ‘de jeito nenhum‘ neste ano.

Com relação aos contratos de curto prazo, a oscilação restrita se justifica pelo consenso de apostas em torno do corte da Selic para o piso histórico de 7% pelo Copom na noite desta quarta. A maior expectativa é pelo comunicado da decisão, que poderá dar pistas sobre os próximos passos da política monetária e ancorar o quadro de expectativas para a reunião de fevereiro. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 23 de abril de 2018

15:15 - Queda de juro favorece portabilidade dos financiamentos imobiliários

Domingo, 22 de abril de 2018

08:57 - Redução da taxa de juros torna poupança mais atrativa, mostra estudo

Quarta, 18 de abril de 2018

19:00 - Juros futuros recuam com apoio de queda do dólar e maior otimismo

Segunda, 19 de março de 2018

12:23 - Taxas de fundo de renda fixa já comem 36% do lucro do pequeno investidor

Terça, 27 de fevereiro de 2018

14:43 - Juros do cheque especial sobem para 324,7% ao ano

Quarta, 14 de fevereiro de 2018

16:13 - Juros fecham em forte queda, com ajustes e apetite ao risco no exterior

14:56 - Mercado financeiro reduz projeção de inflação para 3,84% neste anoe

Quarta, 17 de janeiro de 2018

21:00 - Juros fecham estáveis e não acompanham melhora de humor no câmbio e ações

Segunda, 04 de dezembro de 2017

12:00 - Juro do cartão já está mais baixo que o do cheque especial

Quinta, 30 de novembro de 2017

17:32 - Vendas no varejo crescem 2,2% em outubro, mostra Marstercard


// leia também

Quinta, 26 de abril de 2018

09:05 - Filho de até 24 anos que tranca faculdade não pode ser dependente no IR

08:59 - Fraudes no INSS desviaram mais de R$ 25 milhões da Previdência no Rio

Quarta, 25 de abril de 2018

17:07 - Um terço dos contribuintes ainda não enviou declaração do IR

15:47 - Massa falida do Grupo Modelo saldou mais de 92% das dívidas trabalhistas

14:22 - Governo fecha março com maior rombo para mês desde 1997

14:17 - Brasileiros gastam cerca de R$ 16,7 bilhões no exterior no 1º trimestre

11:55 - PF age contra grupo que manipulou mais de R$ 300 milhões em créditos tributários

09:11 - Real é a terceira moeda que mais perdeu valor em abril

09:05 - Abono ano-base 2016 liberou R$ 16,1 bi para mais de 21 milhões de trabalhadores

Terça, 24 de abril de 2018

20:00 - Aneel aprova reajuste de tarifas de cooperativas de 3 estados


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 26/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 26/04/2018
2f8a4ad01ac2cdfd8dde377dc7eb1047 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Em uma época em que predominam notícias ruins, qual o maior motivo para ser otimista?




Logo_classifacil









Loja Virtual