'Retomada' estimula troca de emprego | Gazeta Digital

Domingo, 14 de janeiro de 2018, 09h18

demissões espontâneas

'Retomada' estimula troca de emprego


Estadao

Sem chances de crescer profissionalmente na empresa em que trabalhava, o administrador Flávio Caires, de 30 anos, decidiu trocar de emprego, apesar de a recuperação econômica do País ainda não ter se consolidado. Mandou currículos e esperou seis meses até que a oportunidade ideal aparecesse. No início de dezembro, deixou uma montadora para trabalhar em uma indústria do setor de bebidas.

‘Juntei a fome com a vontade de comer. Senti que o mercado de trabalho voltou a aquecer e comecei a mandar meu currículo para algumas oportunidades que apareciam‘, diz Caires. ‘Foram seis meses procurando e agora calhou de encontrar a oportunidade que eu queria.‘

Os sinais ainda tímidos de melhora do mercado de trabalho mostram que Caires não está sozinho. Entre janeiro e novembro do ano passado, o porcentual dos brasileiros que se desligou das empresas e trocou de emprego por decisão própria aumentou. No período, 21,3% dos desligamentos registrados pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) foram espontâneos. No mesmo período de 2016, foram 19,7%.

O aumento dessa fatia de brasileiros que pede demissão de forma espontânea pode parecer pequeno, mas marca uma importante reversão. Desde 2013, o desligamento voluntário estava em queda.

Na outra ponta, o porcentual dos brasileiros dispensados - com ou sem justa causa - recuou de 64,2% entre janeiro e novembro de 2016 para 62,3% em 2017. Os dados levam em conta apenas os trabalhadores com carteira de trabalho.

‘O que se espera é que com o aquecimento da economia ocorra, de fato, o aumento dos desligamentos voluntários. Com a economia crescendo mais, o trabalhador pode correr o risco de mudar de emprego‘, diz o professor do Insper Sérgio Firpo.

A análise detalhada dos desligamentos por setor mostra que serviços (24,2%) e comércio (22,3%) foram os setores que registraram maior porcentual de demissão espontânea. Na sequência, ficaram indústria (19,9%), agropecuária (18,9%) e construção civil (10,1%).

Melhora

Ao longo do ano passado, os números do mercado de trabalho foram melhores do que esperado, embora ainda sinalizem que o caminho é longo para que a economia brasileira recupere os empregos destruídos pela crise econômica.

Até novembro, o Brasil criou quase 300 mil vagas formais de trabalho em 2017, de acordo com o Caged. No mesmo período de 2016, foram fechados 858 mil postos. Pela Pnad Contínua - que engloba trabalhadores formais e informais -, a taxa de desocupação foi de 12% no trimestre encerrado em novembro, um resultado inferior ao verificado no trimestre imediatamente anterior (12,6%).

Outro sinal de que o mercado de trabalho dá sinais de recuperação de fôlego pode ser medido pela taxa de rotatividade, que costuma ser pró-cíclica. Isso quer dizer que, quando o mercado de trabalho fica aquecido, a rotatividade também tende a aumentar, porque ocorre uma abertura maior de vagas de trabalho e, consequentemente, mais admissões. O resultado disso é que o trabalhador consegue trocar de emprego com mais facilidade.

Em 12 meses, até novembro, a taxa de rotatividade medida pela Tendências Consultoria Integrada ficou próxima de 5,1. A taxa está estagnada nesse patamar desde abril, o que sinaliza que o pior momento do mercado de trabalho deve ter ficado para trás. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 19 de fevereiro de 2018

13:32 - Confira as vagas de trabalho oferecidas pelo Sine Cuiabá

11:15 - Nível de emprego na indústria cai 0,04% em janeiro ante dezembro

10:20 - Central de Emprego

Quarta, 31 de janeiro de 2018

11:45 - Emprego com carteira está no nível mais baixo da série histórica, diz IBGE

10:25 - Taxa de desemprego no país fecha 2017 em 12,7%; população desocupada cai 5%

Sexta, 26 de janeiro de 2018

14:05 - Após 3 anos de crise, Brasil perde 2,8 milhões de empregos com carteira

10:41 - Queda do emprego em 2017 no Caged foi liderada pela construção civil

09:23 - Caged mostra fechamento de 328 mil vagas de emprego no Brasil em 2017

Terça, 16 de janeiro de 2018

12:53 - Aumenta a oferta de emprego na indústria brasileira, diz CNI

Domingo, 14 de janeiro de 2018

08:43 - País deve criar 1 milhão de vagas formais em 2018


// leia também

Domingo, 25 de fevereiro de 2018

17:00 - Merkel e Macron exigem que Putin pressione Síria parasuspender ataques aéreos

16:00 - Ligação fixo-móvel custa menos a partir deste domingo

15:00 - Concessionárias de rodovias aumentam pedágio, mesmo sem cumprir contrato

14:30 - ANTT diz que análise do TCU não retrata realidade

12:22 - Empresa é incentivada a atrasar obra, afirma TCU

09:18 - País dará primeiro passo com corte de IPI para carros elétricos

09:06 - Aneel mantém bandeira tarifária verde para as contas de luz em março

08:00 - 16 cidades de MT sobem no ranking do turismo

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

10:54 - Após 2 anos de queda, consumo de energia em SP fecha 2017 em alta de 1,9%

10:21 - Receita vai exigir mais dados sobre bens na declaração do IR


 veja mais
Cuiabá, Domingo, 25/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Domingo, 25/02/2018
39b9c063e83a7a7ffb2f5dc9ad998ca8 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Segundo pesquisa, 67% apoiam intervenção na área de segurança pública em suas cidades




Logo_classifacil









Loja Virtual