Após 3 anos de crise, Brasil perde 2,8 milhões de empregos com carteira | Gazeta Digital

Sexta, 26 de janeiro de 2018, 14h05

ECONOMIA

Após 3 anos de crise, Brasil perde 2,8 milhões de empregos com carteira


R7

O Brasil perdeu 2.882.379 empregos com carteira assinada entre 2015 e 2017, anos de crise econômica, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho.

No ano passado, o país criou 14,635 milhões de vagas formais, de acordo com os números divulgados nesta sexta-feira (26), mas foram cortadas outras 14,656 milhões. O saldo final foi de 20,8 mil empregos a menos.

Estadão

Foi o terceiro ano consecutivo de queda, após o corte de 1,326 milhão de empregos em 2016 e 1,534 milhão em 2015.

Apesar da queda, o ministro substituto do Trabalho, Helton Yomura, comemorou o resultado.

— Para os padrões do Caged, esta redução em 2017 é equivalente à estabilidade do nível de emprego, confirmando os bons números do mercado na maioria dos meses do ano passado e apontando para um cenário otimista neste ano que está começando.

Avaliação parecida faz o professor de economia da Universidade Metodista de São Paulo Sandro Maskio.

— O que a gente observa em 2017 é que parou de piorar. Não significa que melhorou, mas parou de cair.

Indústria e construção com pé no freio

Considerando os setores da economia, as atividades de extração mineral, indústria da transformação, serviços industriais de utilidade pública, administração pública e construção registraram o terceiro ano seguido em que as demissões superaram as contratações.

O destaque negativo é a construção civil, que perdeu 103 mil empregos formais no ano passado, após cortes de 361 mil em 2016 e 416 mil em 2015 — saldo negativo de 882 mil nos anos da crise econômica.

Mas quem mais perdeu com a crise econômica foi a indústria da transformação, que acumulou 956 mil vagas a menos nos três últimos anos. O setor, contudo, registrou queda menor no ano passado, com corte de 19,9 mil vagas, ante 324 mil em 2016 e 612 mil em 2015.

"O setor industrial tem melhora localizada em alguns setores, mas ele não se recupera de forma veloz. O volume de emprego no setor industrial demanda tempo e fôlego", afirma Maskio.

— Já a construção civil sente os efeitos de dois grandes baques e vai demorar mais tempo para comemorar [recuperação], mais até do que a indústria. Ela sofre com o investimento público em crise, já que o governo investe pouco. E também sente o efeito da queda da massa de renda, com o volume de desemprego alto.

Comércio e serviços em alta

Os setores de comércio e serviços, por outro lado, estancaram em 2017 as quedas dos dois anos anteriores. Comércio criou 40 mil vagas no ano passado ante cortes de 197 mil e 212 mil vagas em 2016 e 2015, respectivamente.

Já em serviços as contratações superaram as demissões em 37 mil empregos de carteira assinada. Em 2016 a redução no setor foi de 392 mil e, em 2015, de 267 mil.

"Como em 2017 parou de piorar, a massa de renda se estabilizou. Com essa desaceleração da piora do mercado, o comércio tem um respiro", diz Maskio.

— Para o setor de serviços é semelhante, mas com uma ponderação. Boa parte dos serviços, principalmente em regiões metropolitanas, são vinculados à atividade industrial. Como tem apresentado melhoras na produção industrial, isso aponta melhora também no setor de serviços. Puxado também pelo cenário pouco melhor do mercado de trabalho. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 24 de maio de 2018

12:00 - Central de Emprego

Segunda, 21 de maio de 2018

14:00 - Sine oferece mais de 680 oportunidades em Mato Grosso

Sexta, 18 de maio de 2018

14:35 - Brasil criou 115,8 mil empregos em abril, anuncia Temer

Quarta, 09 de maio de 2018

17:15 - Ministro aposta em geração de emprego em 2018, mesmo com cenário pior

Segunda, 30 de abril de 2018

19:00 - Empregos informais representam mais de 60% das vagas em todo o mundo

Sábado, 28 de abril de 2018

09:05 - Analistas já revisam para baixo projeções para emprego em 2018

Segunda, 09 de abril de 2018

18:33 - Medo do desemprego diminui no primeiro trimestre, revela pesquisa da CNI

Sexta, 23 de março de 2018

19:23 - Empregos formais têm melhor 1º bimestre desde 2014

18:00 - SC, MT e MS lideraram criação de empregos em fevereiro

Quinta, 22 de março de 2018

14:13 - Podemos ter 94 milhões de pessoas trabalhando no fim de 2018, diz Meirelles


// leia também

Sexta, 25 de maio de 2018

14:09 - Estados fazem acordo que reduz em 5 centavos o preço do diesel

14:00 - Sem comida, um bilhão de aves e 20 milhões de suínos podem morrer

Quinta, 24 de maio de 2018

20:30 - Greve dos caminhoneiros paralisa ao menos 120 dos 180 frigoríficos do País

19:48 - ANP anuncia medidas para garantir abastecimento e inibir preços abusivos

19:30 - Presidente do PT defende intervenção na Petrobras

18:52 - Grupo Pão de Açúcar diz que greve impacta estoque de hortifruti, carnes e aves

18:12 - Dólar interrompe sequência de três quedas e sobe com estresse doméstico

17:20 - Mais de 60% do postos do DF estão sem gasolina, diz Sindicombustíveis

14:41 - Restrição de combustível nos aeroportos já provoca cancelamento de voos

13:46 - Manifestantes bloqueiam portas de distribuidoras BR e Raízen em Brasília


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 25/05/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 25/05/2018
3a338e8e803b46244b4258d6870aa3f9 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual a sua opinião sobre a greve dos caminhoneiros?




Logo_classifacil









Loja Virtual