Após 3 anos de crise, Brasil perde 2,8 milhões de empregos com carteira | Gazeta Digital

Sexta, 26 de janeiro de 2018, 14h05

ECONOMIA

Após 3 anos de crise, Brasil perde 2,8 milhões de empregos com carteira


R7

O Brasil perdeu 2.882.379 empregos com carteira assinada entre 2015 e 2017, anos de crise econômica, segundo dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho.

No ano passado, o país criou 14,635 milhões de vagas formais, de acordo com os números divulgados nesta sexta-feira (26), mas foram cortadas outras 14,656 milhões. O saldo final foi de 20,8 mil empregos a menos.

Estadão

Foi o terceiro ano consecutivo de queda, após o corte de 1,326 milhão de empregos em 2016 e 1,534 milhão em 2015.

Apesar da queda, o ministro substituto do Trabalho, Helton Yomura, comemorou o resultado.

— Para os padrões do Caged, esta redução em 2017 é equivalente à estabilidade do nível de emprego, confirmando os bons números do mercado na maioria dos meses do ano passado e apontando para um cenário otimista neste ano que está começando.

Avaliação parecida faz o professor de economia da Universidade Metodista de São Paulo Sandro Maskio.

— O que a gente observa em 2017 é que parou de piorar. Não significa que melhorou, mas parou de cair.

Indústria e construção com pé no freio

Considerando os setores da economia, as atividades de extração mineral, indústria da transformação, serviços industriais de utilidade pública, administração pública e construção registraram o terceiro ano seguido em que as demissões superaram as contratações.

O destaque negativo é a construção civil, que perdeu 103 mil empregos formais no ano passado, após cortes de 361 mil em 2016 e 416 mil em 2015 — saldo negativo de 882 mil nos anos da crise econômica.

Mas quem mais perdeu com a crise econômica foi a indústria da transformação, que acumulou 956 mil vagas a menos nos três últimos anos. O setor, contudo, registrou queda menor no ano passado, com corte de 19,9 mil vagas, ante 324 mil em 2016 e 612 mil em 2015.

"O setor industrial tem melhora localizada em alguns setores, mas ele não se recupera de forma veloz. O volume de emprego no setor industrial demanda tempo e fôlego", afirma Maskio.

— Já a construção civil sente os efeitos de dois grandes baques e vai demorar mais tempo para comemorar [recuperação], mais até do que a indústria. Ela sofre com o investimento público em crise, já que o governo investe pouco. E também sente o efeito da queda da massa de renda, com o volume de desemprego alto.

Comércio e serviços em alta

Os setores de comércio e serviços, por outro lado, estancaram em 2017 as quedas dos dois anos anteriores. Comércio criou 40 mil vagas no ano passado ante cortes de 197 mil e 212 mil vagas em 2016 e 2015, respectivamente.

Já em serviços as contratações superaram as demissões em 37 mil empregos de carteira assinada. Em 2016 a redução no setor foi de 392 mil e, em 2015, de 267 mil.

"Como em 2017 parou de piorar, a massa de renda se estabilizou. Com essa desaceleração da piora do mercado, o comércio tem um respiro", diz Maskio.

— Para o setor de serviços é semelhante, mas com uma ponderação. Boa parte dos serviços, principalmente em regiões metropolitanas, são vinculados à atividade industrial. Como tem apresentado melhoras na produção industrial, isso aponta melhora também no setor de serviços. Puxado também pelo cenário pouco melhor do mercado de trabalho. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 09 de agosto de 2018

10:30 - Central de Emprego

Terça, 07 de agosto de 2018

09:27 - Indicador antecedente de emprego recua 0,8 ponto em julho, diz FGV

Terça, 24 de julho de 2018

13:15 - Sete das dez profissões que mais destruíram vagas são da construção

Sábado, 21 de julho de 2018

09:17 - Brasil volta a demitir mais do que contratar após 5 meses, diz Caged

Sexta, 20 de julho de 2018

16:58 - Comércio e indústria contabilizam mais de 41,4 mil demissões em junho

Sexta, 06 de julho de 2018

08:45 - Sine disponibiliza mais de mil vagas de emprego para Mato Grosso

Sexta, 29 de junho de 2018

09:16 - Pesquisa aponta desemprego estável e aumento da informalidade em maio

Segunda, 25 de junho de 2018

13:41 - Mercado de trabalho desacelera e aumenta número de 'desalentados'

11:38 - Idosos adiam saída do mercado de trabalho e já são 7,8% dos trabalhadores

Quinta, 21 de junho de 2018

14:15 - Brasil perdeu 1,3 mi de empregos na indústria entre 2013 e 2016


// leia também

Quarta, 15 de agosto de 2018

19:15 - Moreira Franco defende preço justo para contas de luz, com menos subsídios

18:00 - Juros desaceleram alta e fecham perto da estabilidade

16:15 - Censo 2020 terá informações específicas sobre quilombolas

16:02 - Supermercados desperdiçam R$ 3,9 bi em alimentos por ano, diz Abras

10:04 - Prévia da economia brasileira sobe 3,29% em junho ante maio

09:34 - Imposto de Renda 2018: Receita paga 3º lote de restituições nesta quarta-feira

Terça, 14 de agosto de 2018

14:35 - Trabalhador com deficiência poderá usar FGTS para compra de prótese e órtese

14:29 - FGTS vai liberar R$ 6,23 bi para trabalhadores a partir de hoje

13:20 - Receita publica instrução sobre recurso contra exclusão de Refis

11:19 - Álvaro Dias propõe reforma da Previdência com recurso de privatizações em contas


 veja mais
GDEnem

Cuiabá, Quinta, 16/08/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 16/08/2018
7d0914d59343b99cfc78f130aba8eeb9 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Qual sua opinião sobre os debates com candidatos na TV e rádio?




Logo_classifacil









Loja Virtual