Obama se emociona e pede mais união em último discurso | Gazeta Digital

Quarta, 11 de janeiro de 2017, 09h39

O discurso final

Obama se emociona e pede mais união em último discurso


O presidente dos Estados Unidos Brack Obama fez um discurso de despedida na noite desta terça-feira (9), em Chicago, a poucos dias de deixar o cargo após oito anos de mandato. Durante quase uma hora de fala, Obama pediu aos americanos que se unam para lutar contra os desafios que ameaçam a democracia norte-americana.

Reprodução/Youtube/White House

Em um discurso emocionado transmitido para todo o país, ele alertou o povo americano que uma mudança nos rumos do país só ocorrem "quando as pessoas comuns se envolvem para exigi-la". No próximo dia 20, Obama deixará a presidência dos Estados Unidos. O presidente eleito Donald Trump assumirá no seu lugar.

Obama falou no centro de convenções McCormick Place, o maior dos Estados Unidos, perante 20 mil pessoas. Em alguns momentos, os aplausos soaram tão alto que Obama teve de interromper a fala e se esforçar para continuar.

O teor do discurso de Obama focou mais no futuro do que nos feitos alcançados nos últimos oito anos. Em alguns momentos, Obama lembrou conquistas alcançadas e disse que a população ainda precisa superar os desafios raciais, políticos e econômicos existentes. O presidente norte-americano disse que é possível vencer os desafios. "Depois de oito anos como presidente, eu ainda acredito nisso". E prosseguiu: "E não é apenas a minha crença, é o coração palpitante da nossa ideia americana - a nossa ousada experiência de autogoverno".

Sobre as questões raciais que ainda incomodam o povo norte-americano, Obama disse que houve um progresso significativo nessa tema nas últimas décadas. Mas, segundo ele, esse progresso não foi suficiente para superar todos os problemas. Obama defendeu que acreditar na superação seria "irrealista".

"Temos de defender as leis contra a discriminação, na contratação [trabalhista], na habitação, na educação e no sistema de justiça criminal. Isso é o que exige nossa Constituição e os ideais mais elevados. Mas as leis sozinhas não serão suficientes. Os corações precisam mudar ", disse Obama.

Além da questão racial, Obama citou a defesa dos direitos de outras minorias que vivem no país. "Para negros e outras minorias, [nosso desafio] significa amarrar nossas próprias lutas pela Justiça aos desafios que muitas pessoas neste país enfrentam — não apenas os refugiados, os imigrantes, os pobres rurais, os transgêneros americanos, mas também os de meia-idade. O homem branco, de fora, pode parecer que tem todas as vantagens, mas ele viu seu mundo revirado por mudanças econômicas, culturais e tecnológicas".

Obama falou também sobre as desigualdades econômicas. "A desigualdade absoluta também é corrosiva para nossos ideiais democráticos", disse ao criticar a crescente separação entre ricos e pobres nos Estados Unidos. "Enquanto a parte superior de um 1% acumulou uma maior parcela de riqueza e renda, muitas das nossas famílias, nas cidades e municípios rurais, foram deixadas para trás. O trabalhador de fábrica despedido, a garçonete e os trabalhadores de saúde que lutam para pagar as contas — convencidos de que o jogo é fixado contra eles, que seu governo serve apenas os interesses dos poderosos — isso é uma receita para mais cinismo e polarização em nossa política ", disse ele.

Ao citar suas filhas e a primeira-dama, Michelle Obama, o presidente se emocionou e agradeceu o apoio da família durantes os oito anos de mandato. Ele encerrou o discurso repetindo a frase que o consagrou em sua primeira campanha eleitoral: sim, nós podemos (Yes, we can).

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

10:37 - Estudante com sonambulismo entra em escola de madrugada e chama a polícia

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

11:22 - Trump sinaliza disposição para rever legislação sobre posse de armas

Quarta, 21 de fevereiro de 2018

10:05 - Trump fala em mudanças de regras sobre armas nos Estados Unidos

Domingo, 18 de fevereiro de 2018

15:00 - Trump; Rússia atingiu objetivo de criar ruptura nos EUA

13:30 - Trump pede que FBI volte ao básico

Sexta, 16 de fevereiro de 2018

10:13 - EUA e Turquia concordam em 'normalizar relações' e negociar diferenças

09:23 - Filha de ex-Palmeiras estava na escola que aconteceu o massacre na Flórida

08:21 - Multidão se reúne em vigília por vítimas de tiroteio nos EUA

Quinta, 15 de fevereiro de 2018

08:23 - EUA; atirador acionou alarme de incêndio antes de começar disparos

Quarta, 14 de fevereiro de 2018

11:42 - Inflação dos EUA supera expectativas e sobe 0,5% em janeiro ante dezembro


// leia também

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

09:17 - Onda de ataques no Afeganistão deixa ao menos 25 mortos

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

18:00 - Conama não estipula prazo para despoluição de ar no Brasil

16:37 - OEA condena convocação de eleições na Venezuela

16:29 - Cientistas alemães conseguem avanços na luta contra a malária

09:07 - Rússia ignora resolução que pedia cessar-fogo na Síria para ajuda humanitária

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

22:15 - Conselho de Segurança da ONU estuda emendas russas para trégua na Síria

16:26 - Papa adverte sobre obsessão de jovens em receber 'curtidas' na internet

16:19 - Chanceler da Itália pede solução para caso Battisti

Quarta, 21 de fevereiro de 2018

15:51 - Venezuela começa a vender sua criptomoeda, a 'Petro'

15:40 - Entenda os escândalos envolvendo o primeiro-ministro de Israel


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 24/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 24/02/2018
116961967de356eee6ddd02c7d0c8fb3 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Lei municipal permite que ruas sem saída em Cuiabá sejam fechadas por moradores




Logo_classifacil









Loja Virtual