Trump convida Temer para reunião de líderes que discutirá crise venezuelana | Gazeta Digital

Quarta, 13 de setembro de 2017, 09h16

Mundo

Trump convida Temer para reunião de líderes que discutirá crise venezuelana


Estadao

A crise na Venezuela deverá ser um dos temas principais do jantar que o presidente Donald Trump oferecerá na segunda-feira em Nova York ao brasileiro Michel Temer, ao colombiano Juan Manuel Santos e ao peruano Pedro Pablo Kuczynski. O encontro ocorrerá na véspera da abertura da Assembleia-Geral da ONU.

Brasil e Colômbia têm extensas fronteiras com a Venezuela e o Peru foi o anfitrião da reunião de agosto em que 17 países da região declararam não reconhecer a Assembleia Constituinte convocada pelo presidente Nicolás Maduro e pediram o pleno restabelecimento da ordem democrática no país.

Desde que chegou à Casa Branca, em janeiro, Trump endureceu a posição dos EUA em relação à Venezuela. Nesse período, sua gestão impôs três rodadas de sanções contra Caracas. As duas primeiras atingiram integrantes do governo, entre os quais o presidente Nicolás Maduro, classificado de “ditador” pelos americanos. As sanções mais recentes, adotadas em agosto, restringiram a capacidade de financiamento externo da Venezuela, com a proibição de compra de bônus emitidos pelo governo de Maduro ou pela estatal petroleira PDVSA.

No dia 11 de agosto, Trump declarou que não descartava a possibilidade de uma “opção militar” na Venezuela, caminho que é rejeitado por virtualmente todos os países da região, entre os quais o Brasil. A tradição diplomática brasileira também não vê com bons olhos sanções unilaterais, como as adotadas pelos EUA, e prefere as que são adotadas no âmbito da ONU.

Não estava claro se o presidente americano pedirá uma ação mais incisiva dos três líderes convidados para o jantar na busca de solução para a situação venezuelana. A avaliação dentro do governo brasileiro é a de que as opções são limitadas, já que Caracas conseguiu até agora bloquear iniciativas da Organização dos Estados Americanos (OEA) de atuar na crise. Os países favoráveis à ação da entidade criaram um grupo paralelo, que se reuniu em Lima no mês de agosto.

Defensor de uma ação mais agressiva da instituição em relação à Venezuela, o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, nomeou em julho um assessor especial para tratar de crimes de lesa humanidade. O escolhido foi o ex-promotor da Corte Penal Internacional Luis Moreno Ocampo. No fim desta semana, ele começará a realizar audiências para determinar se há elementos para sustentar um processo por crimes de lesa humanidade contra o governo venezuelano na Corte Penal Internacional. As sessões deverão ser concluídas em outubro.

Apesar de ser o prato principal, a Venezuela não será o único tema do jantar. A agenda é “aberta” e cada presidente terá liberdade para levantar questões de seu interesse. Existe a expectativa de que Trump aborde o programa nuclear da Coreia do Norte, que se transformou na maior crise geopolítica de seu governo.

Segundo fontes ouvidas pelo Estado, Temer usará o encontro para falar do processo de recuperação da economia brasileira e das reformas propostas por seu governo. Essa será a primeira vez em que os dois presidentes se reúnem. Ambos conversaram rapidamente durante o encontro do G-20 na Alemanha, em julho. Na ocasião, Trump mencionou a melhoria nos indicadores econômicos do Brasil e Temer defendeu maior contato entre empresários dos dois países. “Eu gosto disso”, respondeu o americano, de acordo com pessoa familiarizada com a conversa.

Até meados do ano havia a expectativa de que o brasileiro realizasse uma visita oficial aos EUA e tivesse um encontro bilateral com Trump. Reuniões desse tipo produzem declarações conjuntas e são acompanhadas de acordos e iniciativas em âmbito ministerial. Nada disso acontecerá no jantar em Nova York.

Na manhã de terça-feira, Temer fará o discurso de abertura da Assembleia-Geral da ONU, que tradicionalmente é proferido por presidentes brasileiros. Trump falará em seguida. O governo venezuelano anunciou no mês passado que Maduro não participará do encontro, que reúne líderes de todo o mundo em Nova York.

No dia seguinte, o brasileiro será o primeiro a assinar resolução que lança negociações de um tratado sobre a proibição de armas nucleares. O documento foi aprovado em dezembro por 113 membros da ONU e enfrenta resistência dos países que possuem arsenais nucleares, entre os quais os EUA.

Em seguida, Temer participará de um seminário com investidores, no qual serão apresentados dados sobre a economia brasileira e os projetos de infraestrutura que o governo quer conceder à iniciativa privada. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Terça, 23 de janeiro de 2018

09:45 - Homem enfurecido agride comediante com banquinho

Domingo, 21 de janeiro de 2018

09:44 - EUA; democratas e republicanos trocam acusações de culpa por paralisação

Quinta, 18 de janeiro de 2018

10:08 - Mortes provocadas por supremacistas brancos duplicam em um ano

Terça, 16 de janeiro de 2018

09:34 - Casa do terror; fotos revelam rotina de casal que acorrentava 13 filhos

08:23 - Polícia dos EUA prende casal que mantinha 13 filhos acorrentados

Sábado, 13 de janeiro de 2018

11:42 - Embaixadores africanos na ONU classificam como racista falas de Trump

10:27 - Advogado de Trump teria pago US$ 130 mil por silêncio de atriz pornô

Quinta, 11 de janeiro de 2018

09:48 - Jacarés ficam presos em blocos de gelo na Carolina do Norte nos EUA

Domingo, 07 de janeiro de 2018

12:04 - Governo Trump decide amanhã destino de 200 mil salvadorenhos que vivem nos EUA

Quinta, 04 de janeiro de 2018

09:55 - Trem com mais de 300 passageiros descarrila no Estado da Geórgia


// leia também

Terça, 23 de janeiro de 2018

18:00 - Eurogrupo concorda em desembolsar último pacote de ajuda financeira à Grécia

14:51 - Globalização está perdendo seu brilho, diz primeiro-ministro da Índia

14:41 - Terremoto de 8,2 graus no Alasca gera alerta de tsunami no Pacífico

09:31 - Erupção e avalanche deixam um morto e 11 feridos no Japão

Segunda, 22 de janeiro de 2018

19:00 - Mercosul e Reino Unido negociam acordo de livre comércio, diz Meirelles

17:00 - Líder democrata no Senado diz que chegou a acordo para dar fim à paralisação

14:45 - UE detalha avanços de última rodada de negociação comercial com Mercosul

14:41 - Trump volta a fazer críticas aos democratas pouco antes de votação no Senado

10:18 - Senadores centristas se reúnem para debater paralisação do governo nos EUA

Domingo, 21 de janeiro de 2018

14:00 - Alemanha e França se comprometem a lançar novo acordo entre países neste ano


 veja mais
Cuiabá, Terça, 23/01/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 23/01/2018
Ee7bba5599143b6808c910b7421e152b anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Na sua opinião, qual será o resultado do julgamento de Lula, no TRF-4, nesta quarta-feira?




Logo_classifacil









Loja Virtual