Opositor pede ajuda de EUA e Índia para afastar presidente das Maldivas | Gazeta Digital

Terça, 06 de fevereiro de 2018, 10h31

Mundo

Opositor pede ajuda de EUA e Índia para afastar presidente das Maldivas


Estadao

O opositor e ex-presidente das Maldivas Mohamed Nasheed pediu ajuda dos EUA e da Índia para expulsar do poder o líder Abdullah Yameen, que decretou estado de emergência nesta terça-feira, 6, no país por um período de 15 dias.

"O presidente Yameen decretou ilegalmente a lei marcial e se apoderou do Estado", declarou Mohamed Nasheed, que ocupou a presidência das Maldivas de novembro de 2008 a fevereiro de 2012.


"O presidente Yameen (foto) decretou ilegalmente a lei marcial e se apoderou do Estado", declarou o ex-presidente

"Devemos expulsá-lo do poder. O povo das Maldivas faz um pedido legítimo aos governos do mundo, especialmente da Índia e dos EUA", afirmou o ex-presidente em um comunicado.

Nasheed quer sanções financeiras para os funcionários do governo e pediu que a Índia "envie um representante, respaldado por seu Exército, para libertar os juízes e os presos políticos".

Prisões

A polícia das Maldivas prendeu o presidente da Suprema Corte, Abdulla Saeed, e o ex-ditador Maumoon Abdul Gayoom, meio-irmão do atual presidente pouco depois de ser declarado estado de emergência.

Gayoom, que governou com mão de ferro entre os anos de 1978 a 2008, foram detidos na noite de segunda-feira, segundo o jornal local Mihaaru. Saeed foi preso no Supremo Tribunal junto ao juiz Ali Hameed e ao administrador judicial Hassan Saeed, embora as acusações contra ele ainda não tenham sido reveladas.

A polícia confirmou em sua conta do Twitter a detenção do juiz Hameed em razão de "uma investigação ainda em curso".

O advogado de Gayoom, Maumoon Hameed, informou nas redes sociais que detiveram seu cliente e o genro dele, Mohamed Nadeem, por acusações de "propinas a membros do Parlamento, tentativa de propina e tentativa de derrubar ilegalmente o governo".

O governo das Maldivas declarou estado de emergência por 15 dias assegurando que "embora alguns direitos sejam restritos, os movimentos em geral, serviços e empresas não serão afetados".

A decisão ocorreu depois que a máxima instância judicial do país anulou, na quinta-feira, as condenações contra nove opositores e ordenou um novo julgamento e a liberdade dos presos, pois considera que eles foram condenados após investigações "motivadas politicamente" e com juízes "indevidamente influenciados".

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Sábado, 24 de fevereiro de 2018

16:00 - Empresas cortam relações com associação de rifles dos EUA

10:30 - Ataques perto de Damasco, na Síria, deixam três mortos e mais de dez feridos

09:17 - Onda de ataques no Afeganistão deixa ao menos 25 mortos

Sexta, 23 de fevereiro de 2018

18:00 - Conama não estipula prazo para despoluição de ar no Brasil

16:37 - OEA condena convocação de eleições na Venezuela

16:29 - Cientistas alemães conseguem avanços na luta contra a malária

10:37 - Estudante com sonambulismo entra em escola de madrugada e chama a polícia

09:07 - Rússia ignora resolução que pedia cessar-fogo na Síria para ajuda humanitária

Quinta, 22 de fevereiro de 2018

22:15 - Conselho de Segurança da ONU estuda emendas russas para trégua na Síria

16:26 - Papa adverte sobre obsessão de jovens em receber 'curtidas' na internet


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 24/02/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Sábado, 24/02/2018
116961967de356eee6ddd02c7d0c8fb3 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Lei municipal permite que ruas sem saída em Cuiabá sejam fechadas por moradores




Logo_classifacil









Loja Virtual