Mortes na fronteira com Paraguai têm relação com tráfico | Gazeta Digital

Quarta, 09 de novembro de 2016, 09h04

Brasil

Mortes na fronteira com Paraguai têm relação com tráfico


Estadao

As polícias brasileira e paraguaia atribuem a sequência de execuções que deixaram ao menos oito pessoas mortas, no último fim de semana, na região de Ponta Porã (MS), fronteira entre os dois países, à disputa pelo controle do tráfico de drogas.

As ações aconteceram logo após a operação 'Cavalo Doido', da Polícia Federal brasileira, que prendeu 27 pessoas nos Estados de Mato Grosso do Sul e Goiás, envolvidas com o tráfico. Do lado paraguaio, uma ação simultânea da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad), resultou na destruição de 127 hectares cultivados com a droga, com produção de 381 toneladas, além de 18,9 mil quilos de maconha pronta e 1,5 mil quilos de sementes.

De acordo com a Delegacia Regional de Ponta Porã, pelo menos três dos mortos tinham envolvimento com o tráfico. A ação de milícias, com possível envolvimento de policiais, também é investigada. Na manhã desta terça-feira, 8, dois brasileiros numa caminhonete Nissan foram abordados pela Polícia Nacional do Paraguai na linha internacional, entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero. Eles reagiram com tiros e um dos suspeitos, Anderson Luís Carneiro, de 38 anos, foi baleado. Ele estava na companhia de Carlos Augusto Leiva da Silva, que se entregou. O veículo havia sido roubado no Paraná e seria entregue a outro brasileiro, morador de Pedro Juan, como pagamento por drogas. Carneiro foi internado e será preso quando receber alta.

O promotor antidrogas Hugo Volpe, do Senad, atribuiu o aumento da violência a uma reação às operações das polícias paraguaia e brasileira de combate ao narcotráfico. Segundo ele, embora os grandes cultivos de maconha sejam financiados por brasileiros que não moram na região, o transporte da droga envolve pequenos agentes que atuam na área de fronteira.

Volpe reconheceu que muitos agricultores paraguaios se dedicam ao cultivo da droga como cultura de subsistência, nos arredores de Capitán Bado e de Bella Vista Norte. Esses 'lavoureiros' usam a atividade ilegal para sobreviver e acabam entrando em conflito quando precisam comercializar a droga. No lado paraguaio, o quilo de maconha custa US$ 30, mas o valor ao menos duplica assim que a droga passa a fronteira.
 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 11 de junho de 2018

19:00 - OMS declara Paraguai país livre da malária

Segunda, 28 de maio de 2018

11:57 - Presidente do Paraguai renuncia, para poder tomar posse como senador

Terça, 24 de abril de 2018

11:09 - Conservador eleito no Paraguai dependerá da oposição para governar

Segunda, 23 de abril de 2018

13:10 - Mario Benítez vence eleição no Paraguai e promete país sem divisões

Domingo, 22 de abril de 2018

09:19 - Começa eleição geral no Paraguai

Quinta, 08 de março de 2018

17:30 - Ministro canadense desembarca no Paraguai para discutir acordo com o Mercosul

Segunda, 12 de fevereiro de 2018

16:26 - Conmebol estuda mudar sede do Paraguai para outro país

Terça, 30 de janeiro de 2018

15:39 - Greve de caminhoneiros paraguaios deixa parte do país sem combustível

Sexta, 01 de setembro de 2017

14:10 - Paraguai acredita que candidatura à Copa do Mundo atrairá investimentos

Segunda, 24 de abril de 2017

16:51 - Paraguai confirma morte de três assaltantes da Prosegur, diz jornal


// leia também

Sexta, 22 de junho de 2018

19:52 - Greenpeace assume ter deixado mala com alarme em comissão da Câmara

19:41 - ONU Mulheres condena assédio promovido por brasileiros na Rússia

18:41 - MEC quer adiar ampliação do tempo de formação de professor

08:20 - Prazo para matrícula e lista de espera no Sisu começa hoje

08:12 - Justiça não vê uso de criança no tráfico como trabalho infantil

Quinta, 21 de junho de 2018

15:53 - MPF vai investigar brasileiros que assediaram mulher na Rússia

14:45 - Surto de toxoplasmose no RS tem origem na água, diz ministro

12:29 - Desmatamento no Cerrado recua, mas em 7 anos é 60% maior que perda da Amazônia

10:39 - Ministério da Educação e FNDE fazem pesquisa sobre transporte escolar

10:16 - Forças Armadas bloqueiam vias e revistam pessoas em operação no RJ


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 22/06/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Sexta, 22/06/2018
Af26a0a03727faf425edeb0c3956f831 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O que os eleitores vão depositar nas urnas em outubro?




Logo_classifacil









Loja Virtual