Entidades recorrem à ONU contra decreto sobre trabalho escravo | Gazeta Digital

Terça, 17 de outubro de 2017, 15h48

Brasil

Entidades recorrem à ONU contra decreto sobre trabalho escravo


Estadao

Entidades recorreram à Organização das Nações Unidas (ONU) contra a decisão do governo brasileiro de modificar a definição de trabalho escravo e de deixar nas mãos do Ministério do Trabalho a inclusão de empresas na chamada ‘lista suja‘, que engloba aqueles que desrespeitam os direitos trabalhistas.

Num apelo urgente enviado nesta terça-feira, 17, a alguns dos principais relatores da ONU, as entidades Conectas e Comissão Pastoral da Terra solicitam que a ONU peça a revogação imediata da medida. Para as entidades, a medida ‘contraria a Constituição, o Código Penal e instrumentos internacionais dos quais o Brasil é parte‘.

Num documento de mais de 20 páginas, as duas organizações condenam veementemente a portaria e argumentam que a decisão do governo representa o ‘ataque mais violento contra o sistema de combate ao trabalho escravo no Brasil‘.

Reprodução

Entidades recorrem à ONU contra decreto sobre trabalho escravo.

De acordo com um comunicado, o documento também ‘alerta para o dano irreparável que a medida pode trazer aos direitos dos trabalhadores e pede a revogação imediata da portaria, a garantia de destinação de recursos para o combate ao trabalho escravo e que o Estado brasileiro se comprometa a não promover mais retrocessos nessa área‘.

O apelo foi encaminhado à Relatoria Especial para Formas Contemporâneas de Escravidão, além dos relatores para a Pobreza Extrema e Direitos Humanos, e para o Grupo de Trabalho da ONU sobre Empresas e Direitos Humanos.

O jornal O Estado de S. Paulo apurou que a entidade está avaliando a documentação e que poderá se pronunciar nos próximos dias, exigindo uma explicação por parte do governo brasileiro.

‘Tendo enfrentado resistência para parar a Lista Suja, o governo agora tenta esvaziá-la de maneira autoritária. Além disso, o governo promove uma completa desvirtuação do conceito de trabalho escravo para atender a interesses das bancadas parlamentares mais conservadoras e contrárias aos direitos fundamentais‘, afirma Caio Borges, coordenador de Empresas e Direitos Humanos da Conectas.

‘A nova portaria é uma aberração em todos os sentidos. Ela destrói décadas de avanços atingidos no combate às formas contemporâneas de escravidão no país‘, disse Borges. ‘Pela nova regra, apenas casos extremos de violação da dignidade dos trabalhadores e trabalhadoras serão considerados trabalho análogo ao de escravo. Além disso, os acordos para o ajustamento da conduta poderão ser firmados sem qualquer transparência ou penalização efetiva‘, alertou.

Na manhã desta terça-feira, a área técnica do Ministério do Trabalho informou que vai pedir a revogação da portaria. Em memorando circular enviado na segunda-feira a todos os auditores do trabalho e obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo e pelo Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado), o secretário de Inspeção do Trabalho Substituto, João Paulo Ferreira Machado, diz que a portaria contém ‘vícios técnicos e jurídicos‘ e ‘aspectos que atentam contra normativos superiores à portaria‘, como a própria Constituição. ‘De grandeza tal o conjunto de dificuldades que exsurgem da mencionada portaria que SIT pleiteará, inclusive, a sua revogação apontando, tecnicamente motivos para tal‘, diz o documento.

No memorando, o secretário orienta seus auditores a manter, por ora, os procedimentos que já estavam em vigor antes da edição da portaria. 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Sábado, 06 de janeiro de 2018

15:00 - ONU condena atentado em Cabul; total de mortos sobe para 15

Terça, 02 de janeiro de 2018

16:00 - Em mensagem para 2018, secretário-geral da ONU pede união dos povos

Quarta, 20 de dezembro de 2017

16:25 - Armas nucleares estão no topo de preocupações com paz e segurança, diz ONU

Terça, 19 de dezembro de 2017

15:22 - União Europeia tem urgência na implementação da Agenda 2030 na ONU

Quinta, 07 de dezembro de 2017

15:15 - Tiroteio em escola do Novo México deixa ao menos 3 mortos

Segunda, 04 de dezembro de 2017

10:21 - ONU quer recorde de US$ 22,5 bilhões para ajuda humanitária em 2018

Quarta, 29 de novembro de 2017

20:11 - Fórum denuncia genocídio de negros brasileiros a conselho da ONU

Sábado, 18 de novembro de 2017

09:48 - Conferência do clima deixa muito para 2018

Segunda, 13 de novembro de 2017

16:05 - ONU insiste para que setor financeiro contribua no combate à mudança climática

Domingo, 12 de novembro de 2017

11:22 - Diretor de órgão ligado à ONU defende aumento da licença maternidade


// leia também

Quinta, 18 de janeiro de 2018

13:27 - MEC antecipa data do Sisu; inscrições começam dia 23

13:10 - Presidente da Empresa Mineira de Comunicação morre vítima de febre amarela

11:28 - Traficante Rogério 157 irá para presídio federal em Rondônia

11:23 - Mesmo sem caso de febre amarela, Ceará tem filas por vacinação

09:40 - Mensagem sobre suposto toque de recolher gera apreensão na periferia

09:20 - Dois suspeitos são presos durante operação em comunidades do Rio

Quarta, 17 de janeiro de 2018

17:00 - Morre no Rio de Janeiro adolescente com suspeita de febre amarela

16:46 - SP estuda antecipar ainda mais fracionamento de vacina da febre amarela

14:52 - Grávida baleada na cabeça está lúcida; bebê continua em estado grave

14:35 - Febre amarela leva Mairiporã a decretar situação de calamidade pública


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 18/01/2018
 

Facebook Instagram


Fogo Cruzado
titulo_jornal Quinta, 18/01/2018
9ee939b5a8a4bad7141e63886c5d344b anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

O governador Pedro Taques não vai liberar dinheiro para o Carnaval nos municípios. O que você acha disso?




Logo_classifacil









Loja Virtual