Fórum denuncia genocídio de negros brasileiros a conselho da ONU | Gazeta Digital

Quarta, 29 de novembro de 2017, 20h11

Fórum denuncia genocídio de negros brasileiros a conselho da ONU


Estadao

A alta taxa de homicídios de jovens negros levou o Fórum Permanente pela Igualdade Racial (Fopir) a protocolar denúncia contra o Estado brasileiro em relatorias do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU).

A denúncia foi formalizada em 22 de agosto e divulgada hoje (29), no aniversário de um ano do fórum, que reúne movimentos em defesa da igualdade racial, como a Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), o Instituto de Estudos Socioeconômicos (Inesc) e o Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (Gemaa).

A denúncia tem como principal base o relatório final da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Assassinato de Jovens, do Senado, finalizado em 2016. Na página 145, o documento afirma, em sua conclusão, que a comissão, desde o início, ‘se deparou com uma realidade cruel e inegável: o Estado brasileiro, direta ou indiretamente, provoca o genocídio da população jovem e negra‘.

A expressão genocídio aparece já no capítulo 1 do relatório, cujo título é O genocídio da população negra. ‘É a que melhor se adequa à descrição da atual realidade em nosso país com relação ao assassinato dos jovens negros‘, diz o texto.

Advogado do fórum, Daniel Teixeira argumenta que o Estado assumiu a existência do genocídio ao produzir o documento. ‘Textualmente, o Estado Brasileiro, por meio de uma de suas casas legislativas, reconhece que há um genocídio em curso contra os jovens negros‘, disse. ‘É tão naturalizada essa situação dos jovens negros, que é um dos únicos casos na história em que o próprio país a assume‘.

Consta ainda no relatório da CPI que um jovem negro é assassinado no Brasil a cada 23 minutos, e que, entre as vítimas de homicídio no país, 53% são jovens, 77% são negros e 93% são do sexo masculino.

A denúncia foi apresentada a diferentes relatorias do conselho: a de afrodescendentes, a de racismo, a de questões de minorias e a de execuções sumárias, arbitrárias e extrajudiciais. O texto será avaliado pelas relatorias, que podem pedir esclarecimentos e fazer vistorias no país, além de emitir um posicionamento formal na próxima sessão do Conselho de Direitos Humanos, em março.

A intenção do fórum é gerar pressão internacional para a implementação de políticas que enfrentem o problema, como as que foram recomendadas pelo relatório.
Para Hélio Santos, do Instituto Baobá, uma das entidades integrantes do fórum, só foi possível encerrar a segregação racial na África do Sul com pressão estrangeira.

‘Acreditamos que haverá, como na África do Sul, o reconhecimento de um absurdo. Entre os 10 mais ricos, o Brasil é o único de maioria negra. É uma situação avassaladora. A palavra genocida também cabe se pensarmos no impacto demográfico: são 23 mil homens [assassinados por ano], com idade entre 12 e 29 anos. Homens que ainda não procriaram. Durante 10 anos, são menos 230 mil pessoas‘.

A denúncia endossa as recomendações da CPI no Senado e também traz proposições próprias, como a formulação de um Plano Emergencial de Políticas para a Juventude Negra e uma CPI da Segurança Pública.á

A coordenadora Executiva do Instituto Odara, Valdecir Nascimento, defendeu que é preciso cobrar a responsabilidade do estado, mas também é necessário discutir a falta de sensibilidade da sociedade e da mídia em relação às mortes.

‘Precisamos de novas formas de comunicar e implodir o imaginário que a mídia criou sobre a população negra brasileira. Não basta colocar negros na TV se você não implodir esse imaginário racista‘, disse a coordenadora. Ela criticou a associação constante de periferias e favelas à criminalidade.

‘A mídia não consegue enxergar as riquezas dessas comunidades. Ela tem um olhar cotidiano de desqualificação‘.
Divulgado neste ano pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Atlas da Violência mapeou que, entre 2005 e 2015, a taxa de homicídios entre negros subiu 18,2%, enquanto a de não negros caiu 12,2%.

Com base em dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística e do Ministério da Saúde, o estudo mostrou que a taxa de homicídios da população negra em 2015 foi quase 2,5 vezes maior que a da população não negra.
 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Segunda, 09 de abril de 2018

14:18 - Possível uso de armas químicas em novo ataque na Síria é repugnante, diz ONU

Sexta, 23 de março de 2018

20:00 - Brasil e Venezuela protagonizam hostilidades e trocas de farpas em reunião na ONU

Quinta, 15 de março de 2018

15:53 - Nações Unidas condenam assassinato da vereadora Marielle Franco

Quarta, 07 de março de 2018

17:00 - Jungmann rebate ONU e diz que não há desrespeito em intervenção

Terça, 27 de fevereiro de 2018

17:12 - MP e ONU defendem implantar sugestões internacionais sobre direitos humanos

Quinta, 08 de fevereiro de 2018

16:04 - EI está se enfraquecendo, mas segue sendo ameaça global, aponta a ONU

Sábado, 06 de janeiro de 2018

15:00 - ONU condena atentado em Cabul; total de mortos sobe para 15

Terça, 02 de janeiro de 2018

16:00 - Em mensagem para 2018, secretário-geral da ONU pede união dos povos

Quarta, 20 de dezembro de 2017

16:25 - Armas nucleares estão no topo de preocupações com paz e segurança, diz ONU

Terça, 19 de dezembro de 2017

15:22 - União Europeia tem urgência na implementação da Agenda 2030 na ONU


// leia também

Quarta, 25 de abril de 2018

20:00 - Roraima confirma 5.750 casos de malária no primeiro trimestre

17:19 - Justiça ordena sequestro de casa e lancha usadas pelo tráfico de droga

14:42 - Câmeras flagram ação de prefeito de Bariri suspeito de abuso sexual

14:29 - Condenados pela morte da juíza Patrícia Acioli são réus em outro crime

11:53 - Polícia prende 12 pessoas em nova operação contra quadrilha de milicianos no Rio

09:35 - PF indicia 23 por desvios de recursos da UFSC

09:25 - Justiça analisa liberdade de 138 detidos em ação contra a milícia

Terça, 24 de abril de 2018

17:00 - Receita apreende carga de heroína e explosivo no Galeão

16:46 - Usuário de maconha terá aplicativo para monitorar danos causados pela droga

14:55 - Carro onde estava Marielle Franco passará por nova perícia


 veja mais
Cuiabá, Quarta, 25/04/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Quarta, 25/04/2018
72a9403112aff7a049263a318f98e418 anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Proposta sugere que presos ainda não condenados tenham prisão substituída por atividades escolares




Logo_classifacil









Loja Virtual