Alunas protestam contra assédio de professores em Maringá | Gazeta Digital

Quarta, 14 de março de 2018, 08h59

Brasil

Alunas protestam contra assédio de professores em Maringá


R7

Durante a colação de grau dos estudantes do curso de história da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no norte do Paraná, cartazes com frases de protestos erguidos por alunas chamaram a atenção do público presente em uma colação de grau, na sexta-feira (9), para um problema grave, porém, ainda velado em instituições de ensino: o assédio de professores contra alunos.

Diante de professores, diretores e familiares, alunas do curso e de outras disciplinas seguravam faixas com os dizeres: “Lugar de professor abusador é na rua” e “Dar em cima de alunas não é normal, é assédio”. “Nossos pais estavam ali e ficaram chocados. Foi muito importante para nossas famílias ficarem sabendo”, diz Ana*, estudante de história.

Segundo ela, os familiares pediram respeito aos filhos durante a manifestação. “Temos medo de retaliação e vergonha, mas encontramos na colação nossa oportunidade de dar um grito contra o assédio”, afirma. Apesar disso, ainda é grande o número de alunos que prefere não aderir a manifestações como essas.

Denúncias de assédio

As primeiras denúncias surgiram em 2014. “Começamos a perceber comportamentos estranhos em alguns professores”, afirma Ana. “No fim do ano, uma das colegas contou que um professor ofereceu a ela uma oportunidade trabalhar com ele em um projeto e sugeriu que se encontrassem em um motel para conversar.”

Naquele ano, Ana afirma que por serem novos na turma não tinham noção do que se classificava como assédio. “Muitas piadas começavam na sala de aula, como: 'se você vier com shorts mais curto, a prova pode ser mais fácil'”, lembra Juliana*, 23 anos. “Também eram prometidas bolsas de estudos em troca de favores sexuais”, diz ela. Além disso, as alunas afirmam que os supostos professores assediadores estabeleciam contato por meio de conversas em redes sociais.

Segundo outro relato, um dos professores acusados chegou a ir em uma festa organizada por alunos e, após oferecer carona para a estudante, teria a assediado. “No meu caso, minhas colegas ajudaram a perceber que quando íamos apresentar seminário, esse professor se sentava na frente e lançava olhares provocativos sobre mim. Me sentia desconfortável”, lembra Ana.

Com o passar do tempo, os relatos foram encaminhados à Ouvidoria da Universidade Estadual de Maringá. “Demos apoio e incentivamos as meninas a procurarem os caminhos para denunciar. A maioria preferiu o anonimato”, diz Eliane Maio, professora e integrante do Comitê de Direitos Humanos da UEM. Em 2016, foi instalada pela instituição de ensino uma Comissão de Sindicância para investigar as denúncias.

A partir disso, foi aberto um processo administrativo contra dois professores, que tramita em sigilo desde outubro de 2016. Nele, os professores do Departamento de História da universidade são investigados por suspeita de assédio sexual.

A comissão ouviu denunciantes, testemunhas de acusação e defesa. Após essa fase, a previsão inicial para a conclusão da entrega do relatório final de investigação era para outubro do ano passado. “Ficamos sem informações, e o resultado deveria ter saído há cinco meses”, diz Juliana. “Hoje sentamos com as calouras para que elas saibam que professores não podem nos tratar dessa forma, pela imposição do medo”, diz Ana Vitória.

Relatório de 70 páginas

De acordo com a UEM, em 2016, foi montada uma Comissão Processante para apurar as denúncias. Em dezembro, o relatório final chegou às mãos do reitor. São quatro volumes com aproximadamente 70 páginas.

Questionada pelo R7, a instituição afirmou que o processo administrativo envolve honra dos envolvidos e por isso a Procuradoria Jurídica da universidade sugeriu tramitação reservada.

“No caso do processo administrativo que investiga fatos relativos à denúncia de assédio por professores, a PJU recomendou, para resguardar direitos, que o processo mantenha tramitação reservada até o esgotamento da via recursal no âmbito administrativo”, afirmou em nota.

Após a divulgação do parecer pelo reitor Mauro Luciano Baesso, que pode acolher integralmente, parcialmente ou não acolher as denúncias, ainda cabe recurso.

Outro lado

Como a sentença ainda não foi proferida, um dos professores acusados afirmou que não poderia se pronunciar. Mas, segundo o advogado Bruno Gimenes, que faz a defesa do acusado, “o que se chama de assédio é, na verdade, um apelido que se dá aos fatos que narraram”.

Segundo ele, o processo se refere a dois depoimentos: um suposto convite para orientações acadêmicas em um motel e outro convite para sair envolvendo uma aluna e sua mãe. No primeiro caso, Gimenes diz que havia uma conversa online entre aluno e professor, na qual a aluna expressou “certas intimidades e houve um galanteio”.

De acordo com o advogado, para caracterizar assédio, teria que ter uma espécie de extorsão. “Porém, toda a conversa foi consentida.” Na outra acusação, segundo o advogado, o aluno que testemunhou está sendo investigado por falso testemunho. “Ele é um desafeto do professor”, diz Gimenes.

“Essas pessoas que andam fazendo protesto querem pressionar o reitor para obter um posicionamento favorável. Por trás disso, há um conflito político. De um lado, os professores acusados, e de outro, alunas, que estão sendo usadas”, diz ele.

A universidade informou ao R7 que a Procuradoria Jurídica prepara o parecer que deve ser anunciado pelo reitor em até dois dias.

 

Gazeta Digital também está no Facebook, YouTube e Instagram   



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quarta, 16 de maio de 2018

20:30 - Modelos se unem para criar um código contra o assédio no meio de trabalho

Terça, 31 de outubro de 2017

10:22 - O que muda após denúncias de assédio na indústria cinematográfica

Quarta, 07 de junho de 2017

08:54 - Estudantes ainda têm receio de denunciar assédio sexual sofrido em universidades


// leia também

Segunda, 18 de junho de 2018

18:43 - Conselheiro do TCE nega ligação com morte de Marielle

17:45 - Inscrições para prêmio mundial em educação estão abertas

16:57 - PF apreende droga dentro de páginas de catálogo de moda

16:12 - Anvisa suspende venda de fraldas da marca Huggies Turma da Mônica

13:52 - Temer vai a RR inspecionar pontos de atendimento a refugiados venezuelanos

13:00 - Embaixada levará 50 estudantes brasileiros para intercâmbio nos EUA

12:12 - Vacinação contra febre amarela é ampliada em 190 cidades paulistas

12:00 - Bandidos roubam depósito no Rio, trocam tiros com policiais e fogem

10:13 - Onda de frio derruba temperaturas no Sul do Brasil

08:31 - Número de obesos entre jovens mais que dobra em uma década


 veja mais
Cuiabá, Terça, 19/06/2018
 

Facebook Instagram

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 19/06/2018
469cf77038290f16bf38d5b8552ee12d anteriores



Indicadores Econômicos

Mais Lidas Enquete

Reino Unido firma pacto com empresas para reduzir uso de plástico e poluição




Logo_classifacil









Loja Virtual