Segunda, 06 de junho de 2016, 00h00

O Uber, o táxi e a exploração dos motoristas

Rodrigo de Lacerda Carelli


O Uber não é um aplicativo, mas uma empresa de transporte de passageiros, que oferece serviços a clientes, por intermédio de motoristas cadastrados. Os clientes, no caso, são do Uber.

No Brasil, a forma de transporte público não coletivo sempre foi o táxi autônomo. Este modelo acabou deteriorado pela acumulação de "autonomias" por verdadeiros empresários, que exploram os taxistas sem reconhecer o vínculo empregatício, sob a conivência do poder público. Alguns verdadeiramente autônomos sobrevivem, mas a forma usual é a de motoristas que pagam "diárias" a "donos" de concessões públicas. O motorista já começa seu dia devendo ao dono da "autonomia".

A exploração do trabalho no Uber é ainda pior, pois o controle se dá por programação. A empresa controla o tipo de carro, a forma de conduzir, o modo de se portar, o uniforme e a tarifa a ser cobrada. Tem total controle dos trabalhadores por meio do sistema de "cenouras e porrete", ou seja, de prêmios e castigos.

Controla o quantitativo de mão de obra disponível, por meio de premiações em momentos de pouca oferta. Por outro lado, os trabalhadores não podem negar corridas e são desligados do sistema se não obtiverem certa nota dos clientes. Em poucas palavras: os trabalhadores do Uber são seus empregados, mas não reconhecidos como tal, desobrigando a empresa de seus deveres como empregadora.

No Brasil, onde o sistema carece de qualidade devido à falta de regulação séria, o Uber rapidamente ganha adeptos. A prestação de serviços é melhor, pois é mais controlada e organizada, mas não há como se afastar que atua na completa ilegalidade, em relação ao serviço e nas relações com os motoristas.

Logo veremos nas ruas manifestações de motoristas de Uber, pelas condições exploratórias a que são submetidos.

Caberia ao Município aproveitar o momento e regular as concessões dos táxis, tornando-as novamente terreno de trabalhadores autônomos, com controle de qualidade pelas autoridades, e regulamentar o Uber, dando-lhe a possibilidade de atuar como sistema concorrente, desde que respeitados os direitos trabalhistas e o controle de preços. Não há mocinhos na história; mas vítimas, temos aos montes: os cidadãos e os motoristas, de um lado e de outro.

Rodrigo de Lacerda Carelli é Procurador do Trabalho do Ministério Público do Trabalho no Rio de Janeiro



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Terça, 21 de março de 2017

07:40 - Água, a vida da terra

07:33 - Machismo das Fêmeas

Segunda, 20 de março de 2017

07:44 - Ensino integral: o nome já diz

Domingo, 19 de março de 2017

07:57 - Três erros que podem arruinar sua carreira

07:21 - FGTS: O que fazer ?

Sábado, 18 de março de 2017

07:39 - Parques Municipais: ganho para Cuiabá

07:30 - Aposentadoria: assuma as rédeas do seu futuro

Sexta, 17 de março de 2017

07:52 - Um novo modelo econômico para Mato Grosso

07:49 - A síndrome do esgotamento profissional

Quinta, 16 de março de 2017

07:50 - Mudanças na Reforma Tributária


 ver todas as notícias
Cuiabá, Sexta, 24/03/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 24/03/2017
3e85fdbc1772965594f7a14556e7af46 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,1383 -0,04%
Ouro - BM&F (à vista) 122,60 +1,60
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 54,54
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Câmara Federal aprovou o projeto que autoriza terceirização de 'atividades-fim’. O que você acha?



Logo_classifacil