Segunda, 19 de agosto de 2013, 17h21

CASO RYAN

Assassino confesso senta no banco dos réus por morte de neto e avó

Welington Sabino, repórter do GD


João Vieira
Carlos Henrique Costa de Carvalho que confessou em detalhes como matou a ex-sogra e o ex-enteado será julgado nesta terça-feira no Fórum de Cuiabá

Começa às 8h desta terça-feira (20) o júri popular do técnico em informática, Carlos Henrique Costa de Carvalho, 25, assassino confesso que no dia 11 de novembro do ano passado matou, com requintes de crueldade, 2 pessoas, sendo o filho e a mãe da ex-namorada dele, Ryan Alves Camargo, 4, e Adimárcia Mônica da Silva Alves, 44, respectivamente. A professora foi esfaqueada dentro de casa e teve o corpo queimado depois, enquanto o garotinho foi levado pelo acusado e jogado de cima de uma ponte dentro do Rio Cuiabá, onde morreu afogado. O duplo assassinato foi motivado por ciúmes da ex-namorada Thassya Alves da Silva, 25, que não queria reatar no relacionamento com o acusado.

Carlos responde por duplo homicídio triplamente qualificados (motivo torpe, meio cruel e impossibilidade de defesa das vítimas), invasão de domicílio dano e incêndio. O julgamento será realizado no Fórum de Cuiabá e presidido pela juíza Mônica Catarina Perri Siqueira, da 1ª Vara Criminal da Capital. Foram arroladas 11 pessoas como testemunhas, entre acusação e defesa. Entre elas, está a e jovem Thassya da Silva pivô de toda a situação. Na época do crime, onde perdeu o filho e a mãe, ela estava grávida de 3 meses do acusado e decidiu levar a gravidez adiante.

O advogado de Thassya, Claudinho Aleixou Júnior atuará como assistente de acusação. O promotor de Justiça que atua no caso é Allan Sidney do Ó Souza. Já o acusado está preso na Penitenciária Central do Estado (PCE) desde a data dos crimes e durante audiência de instrução confessou os assassinatos. Conforme os autos, a defesa dele é feita pelos advogados Oziel Catarino Bom Farias e Vládia Maria de Moura Soares Sanches.

Para o júri popular foram intimadas como testemunhas de defesa: Avanildes Ferreira dos Santos e Aquelino Antônio de Menezes Barros Rocha. Do lado de acusação, estão as testemunhas: Elson da Silva Júnior, Darcy Braz do Nascimento, Selma Araújo Borba do Nascimento, Marlos Dobre Sobrinho, e o policial militar Ronaldo Reinners 30, lotado na Academia de Policia Militar Costa Verde,- em Várzea Grande. Também foram intimados José de Paula Menezes, Pedro José de Siqueira e José de Paula Menezes.

No dia do crime, em 11 de novembro de 2012, um domingo, Carlos invadiu a casa onde Thassya vivia com a mãe na Rua São Cristóvão, no bairro Dom Aquino, em Cuiabá por volta das 6h. No próprio depoimento durante a audiência de instrução ele disse encontrou apenas a ex-sogra Adimárcia Mônica da Silva Alves e a criança Ryan Alves Camargo que encontrava-se dormindo desnudo. “Após uma discussão durante a qual o denunciado acusou a ex-sogra de ter influenciado a filha a romper o relacionamento, passou a agredi-la, em seguida, sem dó nem piedade, desferiu inúmero golpes de faca contra o abdome dela”, diz trecho do processo onde é narrado a confissão dele.

Depois de ter consumado o homicídio, Carlos ainda jogou álcool no corpo da vítima Adimárcia e ateou fogo, razão pela qual ficou parcialmente carbonizado. Enquanto ele matava a ex-sogra, o garoto Ryan acordou e “presenciou tamanha crueldade e, premeditadamente, resolveu ceifar a vida do garoto como anteriormente havia prometido”. Assim, após esfaquear e atear fogo no corpo de Adimárcia, o técnico em informática pegou o menino e se deslocou até a Ponte do Porto, sobre o Rio Cuiabá ocasião em que “estendeu o braço e jogou a criança dentro do Rio Cuiabá. No momento em que esticou os braços, a criança tentou se agarrar no assassino, mas ele não permitiu e jogou a criança dentro da água, onde morreu afogada.

Sobre as qualificadoras:

Motivo torpe: o denunciado praticou os crimes motivado por ódio. Ele não se conformava com o rompimento da relação e jogava a culpa disso ter acontecido na vítima Adimárcia. Ademais nutria ciúmes desmedido do ex-enteado Ryan, devido a atenção dispensada pela mãe à criança.

Meio cruel: a vítima Adimárica morreu em decorrência das inúmeras facadas, padecendo sofrimento além do necessário à consumação do crime. Se não bastasse, ainda ateu fogo no corpo dela. A vítima Ryan, uma criança de apenas quatro anos de idade, foi jogada com vida no rio Cuiabá.

Recurso que impossibilitou a defesa das vítimas: - a vítima Adimárcia estava dentro de casa e foi atacada covardemente pelo denunciado, sem condição de fugir e, tampouco se defender de seu algoz, ao passo que Ryan totalmente indefeso, foi pego no colo e atirado no rio Cuiabá, apesar de ter tentado se agarrar em seu carrasco.

Acompanhe o GD também pelo Twitter: @portalgazeta



Aguarde! Carregando comentários ...


// matérias relacionadas

Quinta, 25 de setembro de 2014

16:38 - TJ nega recurso e mantém pena de rapaz que matou neto e avó

Terça, 20 de agosto de 2013

18:27 - Assassino é condenado a 44 anos de prisão por morte de neto e avó

11:53 - Réu diz que foi ameaçado em presídio para confessar assassinatos

10:18 - Mãe de Ryan é a primeira a depor e diz que sofria ameaças

09:09 - Populares se aglomeram em Fórum para acompanhar júri

Domingo, 28 de abril de 2013

17:44 - Assassino e advogado não vão à audiência e atrasam andamento processual

Quarta, 20 de fevereiro de 2013

16:21 - Acontece nesta 5ª audiencia do caso Ryan

Quarta, 13 de fevereiro de 2013

11:28 - Audiência é marcada para próxima semana

Terça, 22 de janeiro de 2013

09:58 - Rapaz que matou criança e avó será ouvido em processo por violência doméstica

Quinta, 06 de dezembro de 2012

17:06 - MP denuncia Carlos Henrique por morte do garoto Ryan e avó Adimárcia


// leia também

Quarta, 01 de julho de 2015

20:30 - Prisões por embriaguez crescem 78,6% nas BRs

19:05 - Falta de remédio prejudica tratamento contra o câncer

19:04 - Justiça decreta greve ilegal e determina o retorno imediato

18:55 - Seduc identifica mais de 6 mil alunos 'fantasmas'

11:28 - Novos profissionais da segurança pública apresentados

Terça, 30 de junho de 2015

18:17 - Igrejas ganham no TJ e Cemat não pode cobrar ICMS

17:33 - Presa por atirar no rosto de PM, mulher será ouvida na sexta

17:23 - Governo apresenta cronograma para reformas e construções de mais três centros socioeducativos

16:47 - TJ não analisa recurso de Arcanjo que tenta anular júri

15:58 - Virginia Mendes fará bazar beneficente


 ver todas as notícias
Cuiabá, Quinta, 02/07/2015
 

ao vivo
Fogo Cruzado
  • twitter
  • facebook
  • google+
  • rss
Rádios ao Vivo
  • cbn
  • cbn

Destaques TV Record
Enquete

As novas regras para a aposentadoria beneficiam os trabalhadores?


Logo_classifacil