Alfabetização de adultos paralisada | Gazeta Digital

Quarta, 07 de setembro de 2016, 00h00

Alfabetização de adultos paralisada


No Brasil Colônia os jesuítas promoveram alfabetização de adultos, que tinha aspecto mais de catequese. E enfrentou resistência do governo imperial português. Após longa hibernação e atendendo a UNESCO, após a segunda Guerra Mundial, o presidente Getúlio Vargas, com intuito de preparar mão de obra alfabetizada principalmente na região sul e melhorar estatística ruim, que indicava metade da população analfabeta, criou sistema de campanhas de alfabetização de adultos, mas obteve insatisfatório resultado. No final da década de 50 o governo reconhece a superficialidade das suas campanhas de alfabetização.
Em 1961 a alfabetização de adultos fica retomado por impulso do Movimento de Educação de Base, que restou interrompido com o golpe militar de 1964 e substituída pelo Mobral. Aqui se contabiliza mais dois fracassos por motivos diferentes. Após a redemocratização e já em 2003 aparece o Programa Brasil Alfabetizado, quando já se atingia mais de 1 milhão de analfabetos. Um retorno tardio à ação política interrompida de 61 e que bem ou mal atingiu parte do analfabetismo rebaixando-o aos 170 mil, segundo dados/2015 do MEC. Embora desde julho/2016 não mais se abre nova turma. Tudo para evitar gastos na decorrência da Crise Dilma.
A prática de desenhar o nome do Mobral foi além no após 2003, mas esbarra em outro problema (educação ideológica), que distorce aprendizado e retira sua qualidade. Afinal, o ensino do código fechado da língua, que somente é adquirido com esforço pessoal para depois obter a reflexão crítica fica relegado ou tomado como repressão ao aluno. Ao não se apropriar do falar e do escrever com perfeição não se tem o pensar lógico e reflexivo (antecipado). Uma alfabetização que não alfabetiza. Um pensar apenas prepotente/crítico e nada reflexivo. Algo não edificante ao pensar mais proveitoso ao educando e com alta taxa de analfabetismo funcional.
Não se pode negar que a alfabetização no Brasil oscilou entre os extremos e valores de quem detinham o poder, cuja educação repressiva ou libertadora, se permite dizer assim, que são apenas fúrias ou ideais falhos, de poucas validades aos educandos e aperfeiçoamento técnico salvo rara exceção.
Retrógrados e progressistas se igualaram. Não entenderam o fazer do domínio da língua e da cultura, bem como desenvolvimento da conceituação social e científica, onde os aprendizes se educam com ajuda escolar. O pensar lógico crítico/reflexivo não apareceu em abundância satisfatória diante da má oferta de qualidade educacional.
O quadro delineado deixa uma lição histórica. A alfabetização precisa ser reprogramada. E com menos politicagem e menos ideologia, não desviando à direita ou à esquerda. Aqui vale retirar todo fator alienante dos programas até hoje instituídos.
O presidente Michel Temer tem dever cívico de saldar a grande dívida educacional com o que deseja se educar. Se não puder liquidá-la no curto mandato, que ao menos reprograme o sistema para ficar eficiente e eficaz valorizando os esforços dos alunos. Igual, quiçá, ao que se pratica no mundo desenvolvido afora, onde não se faz escola que finge ensinar e aprendiz finge aprender, onde todo esforço pessoal não fica desprestigiado.
Eis o bom momento de repensar a qualidade educacional. E revalorizar os valores sociais e cívicos. Além de abrir espaço ao aprofundamento tecnológico no construir uma escola menos ideológica e minimamente produtiva.
 
Hélcio Corrêa Gomes, advogado.



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 08 de fevereiro de 2017

00:00 - Mortalidade na pobreza não conta

Quarta, 01 de fevereiro de 2017

00:00 - Penitenciárias não cabem três por vaga

Quarta, 25 de janeiro de 2017

00:00 - Drogas e insegurança social

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - O barril de pólvora prisional

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - O sistema prisional inutilizado

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - Escolas brasileiras ruins

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Equilíbrio fiscal sozinho não basta

Quarta, 30 de novembro de 2016

00:00 - Internet é apenas biblioteca

Quarta, 23 de novembro de 2016

00:00 - Ajustes e maturidade nacional

Quarta, 09 de novembro de 2016

00:00 - Folha salarial e previdência estadual


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 26/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 26/06/2017
D771e0e6794ed6a17fab0eebeab86994 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual