Temos doutores e 'doutores' | Gazeta Digital

Quarta, 26 de agosto de 2015, 00h00

Temos doutores e 'doutores'


A principal universidade do Brasil - A Universidade de São Paulo [USP] acaba de completar 80 anos de criação, comemorando cerca de cento e cinco mil títulos de mestrado e doutorado, certificados pelos seus programas de pós-graduação, ao longo da sua história. A maior universidade da América latina [USP] abriga atualmente cerca de cinquenta e cinco mil estudantes de graduação e mais de vinte mil de pós-graduação.
Esses números grandiosos projetam a USP como responsável por 30% de toda a produção acadêmica do Brasil, uma concentração de lídimos doutores. Mas, mesmo assim, essa quantidade toda não é adequada para o desenvolvimento científico do país, de forma equilibrada. Pois, temos doutores e ‘doutores‘. Basta verificar os pífios indicadores quantitativos e qualitativos de doutores formados em outras medíocres universidades Brasil, afora. Tais doutores, a bem da verdade, estão apenas colocando à mostra, ostentando, seus anéis e exigindo dos incautos, um melhor salário e o respeito que não merecem. A estes doutores de meia tigela, sugiro que mude o nome de ‘dotô‘ para cocô. São os graduados nos países vizinhos: Paraguai e Bolívia.
Como quantidade não é sinônimo de qualidade e há críticas ao pouco impacto dessa produção de conhecimento no cenário nacional, exceto os graduados pela USP, UNB, UERJ, e UFRJ. Há programas de doutorado em demasia, a produzir doutores em excesso e com reduzida qualidade. É comum encontrarmos esses cocôs da vida em repartições públicas e privadas, em salas de aula, lecionando em nossas universidades. Muitos vendem a alma ao diabo, durante os dias celestiais da universidade, não têm a mínima visão do sentido libertador da educação; veem apenas melhor salário e posição social privilegiada, ostentam os títulos pela ausência de dignidade e ética.
As nossas instituições universitárias encontram-se em fase falimentar, com orçamento minguado, faltando verba para investimento, servidores e professores com salários irrisórios. As nossas instituições públicas de educação consomem 97% do orçamento apenas com a folha de pagamento; não que estejam os servidores com remuneração digna, é o orçamento que é reduzido e, às vezes, há instituições com servidores em excesso, muitos deles passeando pelos corredores, enquanto alguns poucos estão produzindo,
No Brasil, ao contrário dos EUA e Europa, cerca de 80% de nossos doutores não encontram emprego. Estes retornam à vida acadêmica para lecionar ou mesmo resolvem exercer funções não condizentes com a especialidade. É muito fácil ser doutor, hoje, no Brasil! Difícil, mesmo, é saber dar aos títulos a dimensão social devida.



João da Costa Vital é contador, pedagogo e jornalista.Escreve as quartas-feiras em a Gazeta. E-mail: jcvital3@gmail.com



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 30 de dezembro de 2015

00:00 - O sentido do tempo

Quarta, 23 de dezembro de 2015

00:00 - História de Natal

Quarta, 16 de dezembro de 2015

00:00 - Os beija-flores e a hospitalidade

Quarta, 09 de dezembro de 2015

00:00 - O Brasil precisa gastar menos

Quarta, 02 de dezembro de 2015

00:00 - Greves nas instituições de ensino

Quarta, 25 de novembro de 2015

00:00 - O ócio e o decoro parlamentar

Quarta, 18 de novembro de 2015

00:00 - O nacionalista Itamar Franco

Quarta, 11 de novembro de 2015

00:00 - Novas lideranças políticas

Quarta, 04 de novembro de 2015

00:00 - A corrupção e a tolerância

Quarta, 28 de outubro de 2015

00:00 - Dia do Servidor Público


 veja mais
Cuiabá, Terça, 27/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 27/06/2017
Dddff6c44661c0b0079161a551188933 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual