Quarta, 09 de setembro de 2015, 00h00

A corrupção no Brasil é institucional


Assombra-nos diante de muitas coisas ruins, que vêm acontecendo no País. Nos choca assistir tanta roubalheira no Poder público do Brasil, de ponta a ponta e, nos governos federal, estaduais e municipais. São raros os gestores públicos que administram a coisa pública com honestidade e honradez. Ficamos indignados com a falta de ética dos nossos políticos.
O Brasil é um país onde tem muitos trabalhadores de bem, de empresários [a maioria honestos], que produzem e geram impostos. Ao mesmo tempo, convive-se o outro lado da ‘moeda’ [esta podre] com pessoas que usam de falcatruas, com obras e serviços superfaturados e sem licitação ou com licitação combinada, viciada. São recursos públicos desviados para contas bancárias pessoais e de laranjas para bancos de paraíso fiscal. Na realidade o Brasil, hoje é um paraíso fiscal, pois veja o caso da verba indenizatória e que aqui na Assembleia Legislativa e Câmara municipal de Cuiabá, é um verdadeiro paraíso fiscal, visto que os deputados e vereadores de Cuiabá, respectivamente recebem uma verba indenizatória de R$ 65.000,00 e 45.000,00. Verba esta que é depositada mês a mês na conta bancária dos parlamentares de forma líquida, sem desconto nenhum, nem mesmo para o Imposto de Renda.
Enquanto isso o assalariado comum desconta do mísero salário um enorme penduricalho em forma de taxa e impostos. São falcatruas indecentes e institucionalizada no poder público sob a chancela do Poder Judiciário que também ganha salários astronômico que não condiz com a pouca produtividade laboral. Ficamos indignados com tantas mazelas e fisiologismo nos poderes constituídos do País. Mais indignados, ainda, ficamos com a sociedade, que perdeu a capacidade de se indignar e achar que a corrupção no Brasil nasceu somente agora, no Governo do PT. Oras bolas, vamos fazer um movimento para que se apure a corrupção, a roubalheira, do governo de Sarney para cá, inclusive no governo tucano.
Este é um País onde as pessoas honestas não são reconhecidas e lembradas, caso específico, do Governo Militar de 1964 a 1985 e posteriormente, do governo de Itamar Franco, este um dos poucos homens públicos [governo democrático] honrados, juntamente com todos os militares que nos governaram e morreram pobres. E, agora fica um bando de marqueteiros se achando acima do bem e do mal, defendendo honestidade e retidão de caráter [PSDB e DEM, antigo PFL]. Façam um exame de consciência e examinem o quanto pobres eram os governantes desses partidos políticos e vejam a fortuna que hoje possuem, aqui mesmo em Mato Grosso dá para se observar isso. No Brasil tem prestígio quem rouba e se esconde. A corrupção no Brasil não é de partidos políticos! É institucional.

João da Costa Vital é contador, pedagogo e jornalista. Escreve as quartas-feiras em A Gazeta. E-mail: jcvital3@gmail.co



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 30 de dezembro de 2015

00:00 - O sentido do tempo

Quarta, 23 de dezembro de 2015

00:00 - História de Natal

Quarta, 16 de dezembro de 2015

00:00 - Os beija-flores e a hospitalidade

Quarta, 09 de dezembro de 2015

00:00 - O Brasil precisa gastar menos

Quarta, 02 de dezembro de 2015

00:00 - Greves nas instituições de ensino

Quarta, 25 de novembro de 2015

00:00 - O ócio e o decoro parlamentar

Quarta, 18 de novembro de 2015

00:00 - O nacionalista Itamar Franco

Quarta, 11 de novembro de 2015

00:00 - Novas lideranças políticas

Quarta, 04 de novembro de 2015

00:00 - A corrupção e a tolerância

Quarta, 28 de outubro de 2015

00:00 - Dia do Servidor Público


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 24/02/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 24/02/2017
A62e5578094d90cd223922c882d8cb18 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,0656 -0,12%
Ouro - BM&F (à vista) 122,40 +0,66%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 64,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Reforma trabalhista prevê que patrões e empregados poderão negociar a jornada de trabalho, desde que não exceda 220h/mês. Qual sua opinião?



Logo_classifacil