Novas lideranças políticas | Gazeta Digital

Quarta, 11 de novembro de 2015, 00h00

Novas lideranças políticas


O Brasil se constitui em um Estado Democrático de Direito, fundamentado na soberania popular, exercida pelo sufrágio universal do voto direto e secreto. Com valor igual para todos. Quem prega o movimento da agitação e do impeachment contra um governante eleito pelo povo, está desrespeitando esse próprio povo e não é digno de participar da democracia de um País, pois está perturbando a ordem pública.
Para que exista verdadeiramente democracia, é preciso garantir a liberdade de escolha por ocasião do exercício do voto, pois somente assim serão alçados ao poder os verdadeiros representantes do povo e, cabe ao derrotado e/ou perdedor nas urnas respeitar o resultado e ao invés de promover a discórdia com mentiras contra o [a] candidato [a] eleito [a] com objetivo único de deturpar e promover a violência no País, deve, sim, solidarizar com o eleito e propor propostas de governo no sentido de ajudar a governar para o povo. Assim agem os verdadeiros democratas, investidos de legitimidade e comprometimento de bem gerir os supremos interesses da sociedade brasileira. Quem tenta agir contra o poder constituído com mentiras e acusações vazias, está usando meios ilícitos para desvirtuar a vontade popular e, dessa forma, fraudando o direito universal do voto.
São aproveitadores que tem fome pelo poder, e, com certeza, gostariam de ser o eleito para, no poder, satisfazer suas vaidades pessoais, e até mesmo roubar! Pois quem age assim é desprovido de valor ético e são pessoas de uma criatividade ímpar para aliciar o eleitor menos preparado intelectualmente e moralmente. São políticos que olham apenas para o próprio umbigo. Portanto, despreparados técnica e psicologicamente para solucionar os graves problemas que afetam a sociedade, como miséria, fome, desemprego, analfabetismo, moradia, violência urbana, doenças endêmicas, educação com qualidade para todos, programas conscientes de crescimento social e com envolvimento de toda a sociedade. Este é o perfil, por exemplo, do garotão boêmio Aécio Neves, que só está nos meios políticos graças à herança do nome avô Tancredo Neves, este sim um democrata de escola. O neto não tem o mesmo cabedal ético, probidade e a maturidade política do avô.
Necessário se faz o surgimento de novas lideranças políticas, singularmente, oriunda dos jovens estudiosos deste país, sendo pró-ativos para que possam dirigir o Brasil com seus valores éticos e profissionais, para consolidar, de fato, uma gestão pública em prol da sociedade plural do nosso país, e não políticos de direita que está a serviço da elite, governando para grandes empresários e, verdadeiros vendilhões do patrimônio nacional.


João da Costa Vital é contador, pedagogo e jornalista. Escreve às quartas-feiras em A Gazeta. E-mail: jcvital3@gmail.com



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 30 de dezembro de 2015

00:00 - O sentido do tempo

Quarta, 23 de dezembro de 2015

00:00 - História de Natal

Quarta, 16 de dezembro de 2015

00:00 - Os beija-flores e a hospitalidade

Quarta, 09 de dezembro de 2015

00:00 - O Brasil precisa gastar menos

Quarta, 02 de dezembro de 2015

00:00 - Greves nas instituições de ensino

Quarta, 25 de novembro de 2015

00:00 - O ócio e o decoro parlamentar

Quarta, 18 de novembro de 2015

00:00 - O nacionalista Itamar Franco

Quarta, 04 de novembro de 2015

00:00 - A corrupção e a tolerância

Quarta, 28 de outubro de 2015

00:00 - Dia do Servidor Público

Quarta, 21 de outubro de 2015

00:00 - Educação democrática


 veja mais
Cuiabá, Terça, 27/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 27/06/2017
Dddff6c44661c0b0079161a551188933 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual