Quarta, 20 de julho de 2016, 00h00

Onofre Ribeiro

Prefeito? Risco total

Onofre Ribeiro


Hoje é a data a partir da qual já podem ser realizadas as convenções partidárias para a escolha e oficialização dos candidatos a prefeitos e vereadores em todo o país, com vistas à eleição de outubro. O clima em outras épocas era de efervescência imensa e as disputas a ferro e fogo. Agora, nem ferro e nem fogo. No máximo ambiente morno. Alguma coisa muito diferente está acontecendo nas eleições de 2016. Vale a pena raciocinar um pouco, embora o assunto seja muito maior do que o espaço deste artigo.
Ser gestor público no Brasil tornou-se tão arriscado quanto pular de avião sem paraquedas. A população politiza-se e se torna muito cobradora e exigente. Os recursos públicos diminuem gestão após gestão. Os mecanismos de controle se aprimoram e apertam cada vez mais os prefeitos e as prefeituras. Os prefeitos não se elegem pelos seus pobres partidos, mas por meio de coligações que os enforcam depois na luta pela sobrevivência dos vereadores e as quase inúteis câmaras de vereadores.
Sem contar as cobranças e as esperanças da população local, sobre a cabeça dos prefeitos pesam dois monstros muito poderosos e predadores: a gestão estadual e a gestão federal. O município é o elo mais pobre e o mais fraco na corrente do chamado pacto federativo. A Constituição de 1988 concebeu o sistema que fortalecia a União concentrando nela os principais poderes e a arrecadação dos impostos. Foi um romantismo criado depois do fim do regime militar. Mostrou-se péssimo ao longo do tempo. Hoje a União tem poderes de mais, os estado menos poderes, e o município poder nenhum. Porém, é nela que se concentram todas as expectativas dos cidadãos. É na Rua X do município que o cidadão vive. É do prefeito e dos vereadores que ele cobra suas demandas.
Porém, nesse ambiente de terror em que vivem os prefeitos, controlados, fiscalizados e vigiados pelos órgãos controladores e pelas demandas da sociedade, sem recursos e cheios de problemas que serão eleitos os 141 prefeitos de Mato Grosso. A maioria do que terminam o mandato saem muito mal. Dos que entrarão, a maioria sairá mal, serão cassados, quase apedrejados pela sociedade e pelos órgãos de controle. Gerenciar municípios é a ‘Geni’ da política brasileira. Talvez essa percepção de terror, explique a falta de calor nas discussões eleitorais de 2016.




Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br
 



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos

Quarta, 30 de novembro de 2016

00:00 - Gestões municipais

Quarta, 23 de novembro de 2016

00:00 - Violência jovem e cidadania - final

Quarta, 09 de novembro de 2016

00:00 - Tsunamis em série


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 19/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Quinta, 19/01/2017
Ec69db7f124eb8fa9b6b22fee564a7d8 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil