Quarta, 17 de agosto de 2016, 00h00

Linguagem na eleição


Provavelmente nem mesmo no tempo das eleições com a propaganda eleitoral regida pela Lei Falcão, uma eleição tenha sido tão vigiada e regulamentada como esta municipal de 2016. Ela muda radicalmente a metodologia das campanhas eleitorais. A Lei Falcão limitava a propaganda eleitoral a uma exposição mínima dos candidatos a partir da eleição municipal de 1976, até 1985 quando houve a redemocratização. No começo o candidato mostrava a sua cara numa foto tipo 3x4 e se lia o seu currículo.
 Ao longo do tempo vieram sucessivas modificações, aberturas e depois graduais proibições como as agora que regulamenta detalhes da propaganda eleitoral. Sem falar nas contas financeiras e na burocracia que envolve uma candidatura. O juiz eleitoral Lídio Modesto, disse-me recentemente em entrevista que ‘nesta eleição vai ganhar e levar quem errar menos‘.
Como a propaganda é o canal de massificação dos candidatos juntos ao seu eleitorado, ela é estratégica. Regulada no rádio, na televisão e nos programas eleitoral gratuitos, resta-lhe a internet como um canal mais aberto. Aqui surge a razão do título deste artigo. Já não se falará mais com o eleitor na velha linguagem de convencimento anterior. O candidato a prefeito tem tempo mínimo de 10 minutos em dois programas diários, e os vereadores em inserções de 30 a 60 segundos até 70 minutos diários. Dividido entre centenas de candidatos, é tempo insignificante.
 Por isso, o modo de conversar com o eleitor muda completamente. Primeiro, porque ele está chateado e desconfiado com a política. Depois, porque está claro que o forte da propaganda estará nas redes sociais que são mais baratas, e na sola do sapato. Candidatos mesmo os mais tarimbados, não terão o mesmo apoio na mídia eletrônica. O pouco tempo da aparição pedirá que os marqueteiros saibam, transformar a linguagem num tipo de fala que o eleitor compreenda e perceba sinceridade, etc. Possivelmente a palavra ética seja usada ao limite. Mas ela traz junto outros conceitos como sinceridade, transparência e comprometimento real. Voltarei ao assunto.

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br. www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos

Quarta, 30 de novembro de 2016

00:00 - Gestões municipais

Quarta, 23 de novembro de 2016

00:00 - Violência jovem e cidadania - final

Quarta, 09 de novembro de 2016

00:00 - Tsunamis em série


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 19/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Quinta, 19/01/2017
Ec69db7f124eb8fa9b6b22fee564a7d8 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil