Quarta, 24 de agosto de 2016, 00h00

40 anos - III


Não dá pra separar o crescimento enorme de Mato Grosso nesses 40 anos sem contar três fatores: 1- o desejo do governo federal de ocupar a Amazônia, a partir de 1973; 2- as migrações intensivas de gente do Sul e do Sudeste para Mato Grosso; 3- a miscigenação racial que ocorreu desde então. Os 598 mil habitantes da região Norte do antigo Mato Grosso saltou para 3.033 mil em 2010. É o resultado nas migrações entre 1970 e 1990. Depois foi o crescimento vegetativo da população marcado pela intensa mistura entre migrantes e mato-grossenses nativos. O que se tem hoje é uma profunda mistura dos DNAs de descendentes de europeus e asiáticos do Sul e do Sudeste, vindo pro Brasil no começo do século passado.
Aqui se fundiram social e geneticamente, produzindo um DNA muito inovador. De certo modo, o extraordinário crescimento econômico e urbano teve a ver com esse novo espírito empreendedor que se formou a partir das miscigenações tanto na capital como no interior. Especialmente nas áreas do agronegócio e da madeira. Pesquisa realizada na gestão do ex- prefeito Wilson Santos, mostrou que os jovens atuais em Cuiabá querem ambiente de negócios e ambiente pra qualidade de vida. Revela a mistura das percepções dos migrantes com a dos habitantes tradicionais.
Um dos fatores do sucesso de Mato Grosso está ligado à capacidade receptiva dos mato-grossenses aos migrantes a partir dos anos 1970. Em 2000, o então governador de Mato Grosso do Sul, que se separou de Mato Grosso em 1979, Zeca do PT, em visita a Cuiabá, disse-me numa conversa durante jantar oferecido pelo governador Dante de Oliveira: ‘o sucesso de vocês aqui está ligado ao fato de não rejeitarem os migrantes. Lá em nosso estado gaúcho é gaúcho e será sempre gaúcho. Sul-mato-grossense será sempre sul-mato-grossense’.
Na minha família a mistura é visível. Meus quatro filhos se casaram com moças cuiabana, goiana e gaúcha. Os filhos são um misto de DNAs apurados na melhor essência, como os de todos os atuais mato-grossenses.
Imagino o futuro dessa gente empreendedora, mas com fortes componentes humanistas. O futuro será construído em cima de percepções muito fortes e promissoras, por gente que incorpora o trabalhar com o viver. Parece até utopia, não é? O assunto encerra amanhã, quando completarei 40 anos morando por essas bandas...

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeioro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos

Quarta, 30 de novembro de 2016

00:00 - Gestões municipais

Quarta, 23 de novembro de 2016

00:00 - Violência jovem e cidadania - final

Quarta, 09 de novembro de 2016

00:00 - Tsunamis em série


 veja mais
Cuiabá, Sábado, 21/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sábado, 21/01/2017
E6d7d7300010bf16381d9bc706d042db anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,1756 -0,75%
Ouro - BM&F (à vista) 123,00 -0,4%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Você acha necessária a criação de uma força nacional de segurança apenas para atuar dentro dos presídios?



Logo_classifacil