Esquerda x direita - I | Gazeta Digital

Quarta, 31 de agosto de 2016, 00h00

Esquerda x direita - I


O fim do governo Dilma Rousseff indica uma tendência mundial. O romantismo das esquerdas e do socialismo dos anos 1960 e 1980, caminha rapidamente pra ficar apenas nos livros de História. Naquelas décadas, o mundo se reorganizava depois da segunda guerra mundial. Eram arranjos políticos, ideológicos e sociais novos, de olho numa economia que se reconstruía depois do imenso conflito que começou em 1939 e terminou em 1945. O mundo que saía da guerra não era o mesmo mundo que iniciara o conflito sete anos antes.
Na América Latina a Argentina começa o populismo de esquerda com o General Juan Perón. O Brasil ensaiava com Getúlio Vargas. Lá iria. Aqui, não. Vargas se suicidou em 1954 e a esquerda foi enterrada até 1960, com a chegada esquisita de Jânio Quadros. Mas seu vice, João Goulart, eleito em separado embora na mesma chapa, era de esquerda. Sucessor de Getúlio Vargas. De novo, em 1964, a direita dos militares derruba-o e governa até 1985.
Em 1980 nasce o PT, herdeiro das tendências da esquerda submersas nos anos militares. Nasceu sob o patrocínio da Igreja Católica e dos próprios militares, numa vertente de sindicalismo. Enfim, em 2003 o PT chega ao governo nacional, eleito em 2002, depois muitas tentativas. Carregava todo o idealismo de esquerda e as influências da Igreja que via nele solução para os seus problemas de perda de influência nas massas pobres, aos poucos engolidas pelos evangélicos.
No poder, a esquerda e o PT sacaram velhas utopias socialistas e alguns sonhos mal-construídos, como o bolivarianismo. Essa breve história serve pra ilustrar o fim dos governos de esquerda no Brasil, no mesmo momento em que no mundo todo as esquerdas saem da cena. Na Europa, as esquerdas governaram depois da segunda guerra e implantaram o chamado ‘Estado do bem estar social‘, com garantias infinitas aos cidadãos. Em 1989 a União Soviética deu sinais de cansaço econômico, político e ideológico. A Europa inteira tentou-se salvar juntando-se no bloco da União Européia. A maioria dos países enfrentava crise interna. O Estado gastava mais do que arrecadava pra garantir os direitos sociais. Endividamentos. A economia mundial mudava.
 Em 2016, as coisas mudaram em definitivo. A esquerda varrida nos governos europeus, a União Européia em crise, e a direita assumindo um papel mais consistente no mundo profundamente complicado. 1945 ficou lá atrás, quando o mundo era simples. O assunto continua amanhã.


Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 08 de fevereiro de 2017

00:00 - Dante faz falta

Quarta, 01 de fevereiro de 2017

00:00 - Cuidar de gente

Quarta, 25 de janeiro de 2017

00:00 - In-civilizatório

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos


 veja mais
Cuiabá, Terça, 27/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 27/06/2017
Dddff6c44661c0b0079161a551188933 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual