A missão de Cuiabá | Gazeta Digital

Quarta, 28 de setembro de 2016, 00h00

A missão de Cuiabá


Que Cuiabá é a capital de Mato Grosso todos sabemos. Porém, ela é mais do que uma cidade com os seus moradores e os seus problemas. É capital do estado e de certa forma a referência para os demais 140 municípios. Nela residem 600 mil habitantes. Além deles moram também as sedes dos poderes executivo, legislativo, judiciário, sedes de órgãos federais e estaduais e de grandes empresas privadas. É, portanto, uma cidade duplamente política.
 Nessa condição, ela precisa ter representatividade política junto a todo o estado e aos poderes. Em essência, ela é um poder político autônomo. Da mesma forma que o governador representa institucional e politicamente Mato Grosso, o prefeito da capital, em tese, é o segundo na linha de importância política no estado. Logo, ser prefeito de Cuiabá é mais do que ser um gestor municipal. Requer ter representação política à altura da função de dirigir a cidade com o seu duplo papel e, ao mesmo tempo, ser um interlocutor qualificado dentro da conjuntura dos poderes estaduais, das bancadas parlamentares federais e dos poderes federais.
 A campanha eleitoral não está refletindo isso. Propostas de momento sem amarração num planejamento que comece na Rua‘X‘ e termine na discussão dos temas estaduais como capital política do estado. Por outro lado há números ruins. Em Cuiabá existem 13 mil pessoas vivendo na miséria absoluta e 25 mil famílias com renda menor do que meio salário mínimo. No entanto, a capital não opina na discussão dos grandes temas sociais e econômicos do estado. Fica tão submissa quanto o menor dos municípios.
 Cuiabá precisa sair da beira do rio e virar interlocutora política respeitada. Exemplo: Mato Grosso precisa urgente rever a sua política econômica pra deixar de ser um estado concentrador de renda por causa da sua produção primária pouco valorizada. Cuiabá deve e precisa opinar sobre esse tema e tantos mais. O prefeito deve ser um interlocutor político qualificado. Pede experiência, status político e capacidade crítica de operar politicamente.
Saneamento, educação saúde, etc, são temas do cotidiano. Futuro de 600 mil pessoas é tema de futuro. O tempo novo quer gestão política pra capital. O eleitor precisa levantar os olhos e olhar pro conteúdo da cabeça dos candidatos.

Onofre Ribeiro é jornalista em Cuiabá.E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 08 de fevereiro de 2017

00:00 - Dante faz falta

Quarta, 01 de fevereiro de 2017

00:00 - Cuidar de gente

Quarta, 25 de janeiro de 2017

00:00 - In-civilizatório

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos


 veja mais
Cuiabá, Segunda, 26/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Segunda, 26/06/2017
D771e0e6794ed6a17fab0eebeab86994 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual