Quarta, 05 de outubro de 2016, 00h00

Pedro Taques e a eleição


Mais do que eleger pessoas pra cargos, eleição movimenta um universo de energias diretas e indiretas. Em alguns momentos da História as eleições servem pra pôr em xeque todo um sistema que envolve o poder. Foi o caso de 2016. Embora sejam eleições municipais, o eleitor votou com visão muito mais ampla. Pra trás e pra frente. Em Mato Grosso, entre as energias indiretas está a identidade do governo Pedro Taques. Há um ano e nove meses no poder, o governo entrou na campanha eleitoral com a identidade muito arranhada pela recente crise da RGA e da prolongada greve dos servidores. Pesando contra, uma indisfarçável sensação de que não sabe conversar. De fato, conversar em política é muito mais do que simples falar. É ouvir indefinidamente, ouvir de novo, se não bastar, tornar a ouvir. Paciência infinita!
Em muitos municípios o governador Pedro Taques esteve presente. Pode se dizer que sua presença ajudou ou que não ajudou. Isso ficou menor agora que a eleição passou. Dos 141 municípios, exceção de Cuiabá, a base de apoio ao governo elegeu 89 prefeituras. O que não significa fidelidade! Que vantagens as eleições podem trazer ao governador e ao seu governo? Penso que traz a oportunidade de se reinventar. Volto ao seu slogan: ‘Estado de Transformação‘. Oportuno e relevante. Porém, nesses primeiros meses não formou um conceito claro para os eleitores do que significa de fato. Confundiu-se com ética, com prisões e com gestão arrochada. Não resultou em melhoras dos serviços públicos e nem em eficiência. Deu a impressão de travamento das ações.
Passou a eleição. O horizonte acena com 2018. Tempo de outras eleições. Nenhum governo estadual terá dinheiro pra responder aos seus cidadãos com obras e realizações físicas. Mesmo que tivesse, não há tempo hábil pra licitações, realização e conclusão. O que dizer a esse cidadão que acabou de sair das eleições de 2016 e disse nas urnas o que quer e o que não quer. Votos nulos, brancos e abstenções que o digam. Os cidadãos mato-grossenses estão esperando o governo como um líder coletivo catalisador de esperanças e uma inspiração. Isso não se faz por obras. Nem só por ética. Se faz com um diálogo renovado que, sobretudo, nasça da visão qualitativa de toda a sociedade. Vai se surpreender. As pessoas querem mais sentimentos do que obras. Sentimentos de esperança. De fé. De amor à sua terra.
Todos queremos o governador como líder que fala ao coração das pessoas. Outros no passado falaram em tempos de crise. Cito Garcia Neto, Frederico Campos, Júlio Campos e Dante de Oliveira. Agora, antes da eleição foi um governo. Depois da eleição, outro governo. É preciso se repensar e traduzir o presente em futuro! Futuro é o que todos queremos!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail: onofreribeiro@onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 08 de fevereiro de 2017

00:00 - Dante faz falta

Quarta, 01 de fevereiro de 2017

00:00 - Cuidar de gente

Quarta, 25 de janeiro de 2017

00:00 - In-civilizatório

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 24/02/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 24/02/2017
A62e5578094d90cd223922c882d8cb18 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,0656 -0,12%
Ouro - BM&F (à vista) 122,40 +0,66%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 64,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Reforma trabalhista prevê que patrões e empregados poderão negociar a jornada de trabalho, desde que não exceda 220h/mês. Qual sua opinião?



Logo_classifacil