Quarta, 23 de novembro de 2016, 00h00

Violência jovem e cidadania - final


Há um forte clima de violência pairando sobre o Brasil. Fruto especialmente da falta de educação na escola fundamental e de cidadania que a escola deveria ter ensinado à juventude transgressora da atualidade. Voltando ao começo da conversa. A migração das mães, com muitos filhos, pro mercado de trabalho a partir do começo da década de 1970, desestruturou as bases da família tradicional brasileira.
Uma vez fortalecido o mercado de trabalho a partir do ‘milagre econômico‘, apareceu um nova classe média mais estruturada que percebeu na educação o caminho pra ascensão social dos filhos continuar. Matriculou-os na escola particular. Aos poucos a excelente escola pública foi virando escola de pobres. Por isso mesmo abandonada porque a política não escuta os pobres. Gerações cresceram nesse ambiente de desestruturação familiar de escola ruim. As ruas acolheram o desajuste, que se incorporou à nova estrutura familiar. Na foram de violência. Por que? Esses jovens não receberam qualquer educação em casa e na escola que lhes ensinasse regras do convívio social. Tiraram-lhes a alma. A violência tomou as suas almas e as celas das delegacias e penitenciários acolhem-nos na sua intimidade com o crime.
Crime, porém, a des-educação que eles recebem e não merecem. Mas o drama estende-se também às classes mais ricas. O comportamento é outro, mas igualmente sem cidadania. A violência tem outra cara, mas é também violência! Pior. Mais truculenta porque se ampara no poder econômico das famílias.
Olhar o Brasil de hoje, é olhar pra um mundo imenso de transformações que precisarão ser construídas ao longo de muitos anos vindouros. Há tudo por fazer. O Estado brasileiro quer fazer tudo. Sua eficiência é zero e custa mil vezes mais do que custaria se executada pelo mercado. Ficariam de fora os setores essenciais da educação, da saúde, da segurança e do planejamento. O resto é terceirizável. Reduziria a corrupção a níveis civilizados. A eficiência em níveis desejados.
Mas, quá! Diria resignado o saudoso e desesperançado Jeca Tatu, personagem de Monteiro Lobato. Muito tempo antes dos jovens se tornarem cidadãos sem os riscos atuais, e da sociedade sentir-se protegida de si mesma. Educação, educação, educação!

Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. E-mail:onofreribeiro@onofreribeiro.com.br www.onofreribeiro.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos

Quarta, 30 de novembro de 2016

00:00 - Gestões municipais

Quarta, 09 de novembro de 2016

00:00 - Tsunamis em série

Quarta, 02 de novembro de 2016

00:00 - Conversatória


 veja mais
Cuiabá, Sexta, 20/01/2017
 

WhatsApp


Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Sexta, 20/01/2017
4fa6f0aa8dc554a3a883d344d91b9b74 anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,2193 +0,25%
Ouro - BM&F (à vista) 125,00 +0,81%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 131,00
Soja - saca 60 kg 66,50
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

Uma lei municipal de 2016 determina que todos os assentos do transporte coletivo de Cuiabá são preferenciais para idosos, gestantes e deficientes. Você concorda com isso?



Logo_classifacil