Quarta, 30 de novembro de 2016, 00h00

Gestões municipais


Em tempos de crises institucionais e uma busca por ética na gestão pública, o Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso deu uma importante colaboração. Preparou a cartilha ’Contas públicas em final de mandato e em ano eleitoral’. São basicamente três abordagens, sendo a primeira sobre o que os agentes públicos não podem fazer durante o período de 2 de julho a 1º de janeiro de 2017; outro sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal, que trata das consequências para quem desrespeitar o limite com gasto com pessoal e, a terceira e última, que fala sobre transmissão de mandato. São orientações à equipe que está deixando o cargo e a que está chegando, pautadas na transparência e no interesse público, para evitar a descontinuidade das políticas públicas.
Muito embora o TCE tenha conduzido as explicações técnicas a respeito, principalmente a problemática da condução dos últimos gestos da gestão que termina em dezembro, vale a pena assinalar alguns pontos fundamentais. De 1º. De julho a 1º. De janeiro de 2017 são vedadas ações como:
Nomear, contratar, demitir, transferir ou exonerar servidor público
O gestor pode realizar e até homologar concurso público, mas nomeação e posse só após 1º de janeiro
É proibido ceder o servidor para trabalhar para candidato ou partido durante o horário de expediente
É proibido distribuir bens e valores (cestas básicas, material de construção)
É proibido conceder benefício fiscal sobre a dívida ativa aos inadimplentes
É proibido ceder ou beneficiar candidatos com bens móveis e imóveis pertencentes à Administração Pública
É proibido aumentar gastos com publicidade no primeiro semestre de 2016 em comparação com três anos anteriores.
Outras condutas vedadas: Fazer pronunciamento em rádio e TV fora do horário eleitoral gratuito; inaugurar obras públicas ou contratar shows artísticos com verba pública; realizar operação de crédito por antecipação de receita durante todo o último ano de mandato; contrair despesas nos últimos 8 meses do último ano de mandato que não possam ser cumpridas de forma integral dentro do exercício.
Outro ponto de muitos questionamentos é a Lei de Responsabilidade Fiscal, cujas normas para o gestor municipal seguem: se o limite de despesa com pessoal for superado no 1º quadrimestre do último ano de mandato, serão aplicadas restrições imediatas e o município não poderá não receber transferência voluntária; obter garantia de outro ente; contratar operações de crédito
Nos municípios a despesa não pode ultrapassar 60% sendo 54% para o Executivo e 6% para o Legislativo. Quando o TCE constata que a despesa com pessoal ultrapassou 90% do limite legal emite um alerta. Quando excede em 95% do total, são vedados: aumento de remuneração; criação de cargos; alteração de estrutura de carreira; admissão de pessoal; contratação de pessoal. O assunto continua.


Onofre Ribeiro é jornalista em Mato Grosso. www.onofreribeiro.com.br onofreribeiro@onofreribeiro.com.br
 



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 08 de fevereiro de 2017

00:00 - Dante faz falta

Quarta, 01 de fevereiro de 2017

00:00 - Cuidar de gente

Quarta, 25 de janeiro de 2017

00:00 - In-civilizatório

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Educação pro tempo livre

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - 2017 das arábias

Quarta, 04 de janeiro de 2017

00:00 - Já vai, 2016? - final

Quarta, 28 de dezembro de 2016

00:00 - Quanto pior, melhor?

Quarta, 21 de dezembro de 2016

00:00 - Nós de cá, eles de lá

Quarta, 14 de dezembro de 2016

00:00 - O que fazer?

Quarta, 07 de dezembro de 2016

00:00 - Passaram-se 12 anos


 veja mais
Cuiabá, Quinta, 30/03/2017
 

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado waze

titulo_jornal Quinta, 30/03/2017
786b7f9586e487eac9ac13cf5ddc66db anteriores




Rádios ao vivo
  • cbn
  • cbn
Indicadores Financeiros
Dólar Comercial 3,1483 +1,08%
Ouro - BM&F (à vista) 125,10 0,80%
+ veja mais
Mercado Agropecuário
Boi Gordo @ 126,00
Soja - saca 60 kg 52,91
+ veja mais
Mais Lidas Enquete

O STF julgará em breve uma ação que pede a descriminalização do aborto até a 12ª semana de gravidez. Qual é a sua opinião sobre o tema?



Logo_classifacil