Retrocesso na Cultura - II | Gazeta Digital

Quarta, 25 de maio de 2016, 00h00

Retrocesso na Cultura - II


Enfim, o Presidente Provisório Temer recuou mais uma vez dentre tantos neste curto espaço de tempo. Sob pressões em nível nacional dos atores e segmentos da arte retrocedeu à decisão de extinção do MINC. Aqui em Cuiabá esta marca de resistência política em favor de uma política nacional de cultura acumulada fez-se presente, culminando com a ocupação do IPHAN, como aconteceu em 20 estados brasileiros. É um momento de grande solidariedade e coesão pelos pressupostos libertários da cultura. Muitos artistas, expoentes da arte conduziram apresentações artísticas nos espaços do IPHAN ocupado em Cuiabá. Momento de unidade na luta pela cultura.
Quando o governo Taques assumiu, o mesmo pensamento conservador nos limites de aproximações culturais tomou conta da decisão de extinguir com a Secretaria de Cultura de Mato Grosso. Possivelmente sob as mesmas pressões de um pensamento agricolino de commodities, monetarista e utilitarista. Felizmente o governador cedeu aos argumentos sólidos da área cultural, na matriz identitária e componente da economia e cadeia produtiva do Estado. Pertinentemente, restaurou a Secretaria de Cultura. É o que aconteceu agora com o Presidente Provisório Temer, que sob a pressão de atores, operadores da cultura retrocedeu em um dos muitos recuos(em tão pouco tempo, no início da sua gestão), retomando o MINC como pasta de seu Governo. Desde o advento da Lei Hermes de Abreu (renúncia fiscal), vem sendo suscitado o debate e propostas sobre o financiamento do setor. Especialmente sobre as perspectivas e pertinência na forma de captação, vez que a renúncia fiscal é dinheiro do povo, dinheiro do orçamento fiscal. É preciso no mínimo uma gestão equitativa (dar mais aos que tem menos) e transparente, em busca da democratização do setor.
 O que o Fórum Estadual de Cultura vem colocando desde o início como melhor perspectiva é um percentual de orçamento compatível com as demandas reais da Cultura. A Cultura é um vetor do processo social que nem a Ditadura Civil-Militar-Empresarial desprezou, usando-a ao seu modo. O fato é a grosseria da percepção do real como aconteceu no Governo Collor de Melo, único que até hoje desativou o MINC. Talvez este mesmo personagem tenha influenciado a tosca decisão do Presidente Provisório Temer. Para melhor compreensão é interessante fazer uma retrospectiva sobre a evolução (e involução) da Política Nacional de Cultura no país. Este cenário onde a cultura como política pública não vem só no período de 1985 a 2016. Vem desde a Ditadura Vargas até a Ditadura pós 64. Perceberam a política cultural como um contraponto que poderia até ser usada como amenizadora do discricionarismo.
Getúlio Vargas criou um Ministério específico para a Saúde e outro para a Educação e Cultura. Políticas Culturais já eram executadas desde a gestão de Gustavo Capanema no Estado Novo. No pós 64, surge o Departamento de Assuntos Culturais (1970,), no governo do Ditador Ernesto Geisel (1974,78). Criados órgãos como Conselho Nacional de Cinema e a Funarte, na gestão de Nei Braga no ministério. Lembram-se de Dom e Ravel como arautos da Ditadura, cantando ‘Eu te amo meu Brasil‘? No fim da ditadura 64/85, Sarney assume o governo no lugar de Tancredo Neves, cria então o Ministério da Cultura, separando em dois ministérios. Este é um debate recorrente quando se trata da cultura como um direito de cidadania. Avanços e retrocessos continuam no campo de conflito dos interesses. É preciso lutar para que a Cultura não sirva de verniz para desviar atenção dos profundos desvios da gestão pública em nosso país. A Cultura traz em seu bojo as sementes da redenção política em nosso país.

Waldir Bertúlio é professor da UFMT. E-mail: waldir.bertulio@bol.com.br



Aguarde! Carregando comentários ...


// leia também

Quarta, 08 de fevereiro de 2017

00:00 - Folias do agronegócio II

Quarta, 01 de fevereiro de 2017

00:00 - Conjuntura - Economia Dependente 3

Quinta, 26 de janeiro de 2017

00:00 - Folias do Agronegócio - 1

Quarta, 18 de janeiro de 2017

00:00 - Crise Internacional e o Capital - 2

Quarta, 11 de janeiro de 2017

00:00 - Conjuntura - A força ascendente do neoliberalismo I

Sábado, 07 de janeiro de 2017

00:00 - Feliz ano velho?

Sexta, 23 de dezembro de 2016

00:00 - Autos de Natal e Ano Novo

Quinta, 15 de dezembro de 2016

00:00 - Brasil: futuro incerto?

Quarta, 23 de novembro de 2016

00:00 - Racismo e Consciência Negra

Quinta, 17 de novembro de 2016

00:00 - Política, conservadorismo e resistência


 veja mais
Cuiabá, Terça, 27/06/2017
 

GD Empregos

WhatsApp Twuitter
WhatsApp

Fogo Cruzado
titulo_jornal Terça, 27/06/2017
Dddff6c44661c0b0079161a551188933 anteriores




Indicadores Econômicos

Indicadores Agropecuário

Mais Lidas Enquete

Tramita no Senado projeto de lei que concede prioridade para pessoas acima de 80 anos em relação aos demais idosos.




waze

Logo_classifacil









Loja Virtual