Cuiabá, Domingo 21/10/2018

Cidades - A | + A

14.05.2017 | 15h54

Ação reforça importância do arquiteto na especificação de materiais

Facebook Print google plus

Fatores como qualidade, durabilidade e funcionalidade são alguns dos critérios que o arquiteto e urbanista considera na hora de especificar materiais a serem utilizados em um determinado projeto.

Além da questão estética, os materiais indicados passam por várias análises para garantir segurança, economia e conforto ao cliente. A especificação de materiais faz parte das atribuições do profissional na hora de transformar em realidade o desejo do cliente e o que ainda está no papel.

Para esclarecer e reforçar esse compromisso do arquiteto e urbanista com a qualidade final de uma proposta, a Comissão de Exercício Profissional (CEP), do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso (CAU/MT) está desenvolvendo uma campanha abordando a importância da especificação técnica de materiais.

Essa atividade está amparada pela Norma de Desempenho (NBR 15.575), que prevê todos os critérios a serem considerados na especificação de produtos.

Segundo a corodenadora da CEP, conselheira Eliane de Campos Gomes, ao orientar sobre o uso de determinados materiais, o profissional está preocupado com diversos fatores que interagem e influenciam na obra, como conforto acústico, nível de insolação, durabilidade e manutenção, entre outros.

Desta forma, evita-se o desperdício de recursos, riscos à segurança e, é claro, descontentamentos com o resultado final. “Faz parte das atribuições do arquiteto e urbanista especificar que tipo de material é mais adequado para determinado projeto. Isso vai conferir segurança ao cliente e ao profissional, pois serão tomados os cuidados necessários para garantir um bom resultado final, registrando também as responsabilidades”, disse.

Atualmente existem inúmeras marcas e modelos de materiais disponíveis no mercado brasileiro da construção e decoração. Sem a orientação adequada de um arquiteto e urbanista, o cliente fica à mercê da lei da oferta e da procura, o que acaba ocasionando desde a descaracterização do projeto até prejuízos econômicos.

São exemplos desses problemas, o cliente ter que refazer pisos e aberturas de portas e janelas, pois os materiais comprados não têm a medida correta que foi executada na obra. Ou, ainda, ambientes com excesso de calor (insolação), pois os vidros utilizados não têm a espessura adequada. Também pode ocorrer desperdício de materiais (e recursos), principalmente em aquisições mal feitas de pisos e revestimentos.

A especificação de materiais acontece tanto no início do projeto, quanto na fase final. Nessa tarefa, o arquiteto e urbanista precisa estar atualizado e acompanhar as inovações tecnológicas, interagindo com o fornecedor em busca do produto mais adequado para cada projeto.
 

Voltar Imprimir

Comentários

GD

GD

Enquete

Qual sua avaliação do governo Temer nesse final de mandato?

Parcial

Edição digital

Domingo, 21/10/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,30 -0,89%

Algodão R$ 116,93 -0,23%

Boi a Vista R$ 132,05 0,18%

Soja Disponível R$ 74,50 -0,67%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.