Cuiabá, Quinta-feira 15/11/2018

Cidades - A | + A

14.02.2018 | 06h00

Após tiroteio em UPA, secretária exige lugar exclusivo para atender presos

Facebook Print google plus
Chico Ferreira

Após o tiroteio registrado na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do bairro Morada do Ouro, em Cuiabá, no qual 5 pessoas foram baleadas por bandidos que tentavam resgatar um presidiário levado para receber atendimento médico no local, a secretária municipal de Saúde, Elizeth Lúcia de Araújo, afirmou que é preciso colocar em prática novos protocolos de atendimentos aos presos. Destacou que a ideia é garantir atendimento médico a criminosos presos num lugar específico, mas sem colocar em risco a segurança profissionais da saúde e dos demais pacientes usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

Sem explicar exatamente no que consistem esses protocolos, a secretária, destacou, por meio da assessoria de imprensa, que já vinha dialogando sobre o assunto com a Secretaria Estadual de Justiça e Direitos Humanos (Sejudh), pasta responsável pela administração do sistema penitenciário no Estado.

Agora, com o incidente, a secretária destaca que os gestores das duas pastas têm a obrigação de assegurar a segurança para os trabalhadores e para a sociedade, usuários do SUS que vão buscar o atendimento na unidade e que se sentem inseguros em terem ali um presidiário.

Divulgação

Secretária Elizeth Araújo cobrou do governo do Estado uma solução para que presidiários sejam atendidos em separados de outros pacientes

“A situação que aconteceu hoje deixa claro que não dá mais para tratar todo mundo junto, no mesmo espaço. Não temos como criar uma estrutura separada só para atendimento aos reeducandos, por isso precisamos urgentemente fechar os protocolos de segurança que já estamos discutindo e colocá-los em prática para dar segurança aos profissionais e à população. Essa, infelizmente, é uma situação que além de ter atingido fisicamente 5 pessoas, atingiu psicologicamente os nossos servidores da UPA, que ficaram extremamente abalados”, enfatizou Elizeth Araújo, em nota divulgada na noite desta terça-feira (13), após o tiroteio na UPA Morada do Ouro.

Para isso, a chefe da Secretaria Municipal de Saúde enfatizou que o governo do Estado, precisa, urgentemente, fechar o protocolo juntamente com os demais gestores responsáveis pela assistência à saúde da população cacerária em Mato Grosso. “Para evitar qualquer situação de constrangimento para o reeducando e de insegurança para a população vamos realizar essa semana reuniões para estabelecer esse local de atendimento com protocolo de segurança”, destacou.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, as unidades contam com policial por meio de um convênio firmado entre a Secretaria de Ordem Pública, a Prefeitura, a Secretaria de Justiça e Secretaria de Segurança Pública.

Por meio de um projeto chamado jornada voluntária, policiais militares, durante o período de folga, trabalham de forma remunerada pela SMS. “Precisamos ampliar este serviço ainda para os Centros Odontológicos, que funcionam 12 horas e Policlínicas, que funcionam 24 horas”, cobrou Araújo.

Atendimento retomado

Chico Ferreira

Depois do tiroteio na UPA no final da tarde de terça-feira o atendimento foi suspenso e o local foi tomado por policiais militares. Um anúncio foi colocado na parte externa explicando os motivos da suspensão dos atendimentos. Porém, a partir das 7h desta quarta-feira, a UPA Morada do Ouro retoma sua rotina com atendimento normalizado.

Voltar Imprimir

Comentários

ROCHA - 14/02/2018

Eis aqui, a minha sugestão para o atendimento "OBRIGATÓRIO" a esses cidadãos, em caso de ""necessidade". Que sejam construídas, nos cemitérios (de todo Brasil), uma sala para o especial atendimento a eles e, se não houver nenhuma tentativa de resgate, deverá, após o seu atendimento, retornar a sua unidade prisional de origem e, NO CASO DE HAVER QUALQUER MOVIMENTAÇÃO PARA O RESGATE DO "CIDADÃO", QUE SEJA O MESMO, DE PRONTO, ELIMINADO E, APROVEITANDO O LOCAL ESPECIAL DE ATENDIMENTO, JOGADO EM UMA DAS MUITAS COVAS (DESOCUPADAS) EXISTENTES NOS CEMITÉRIOS. Sendo que no caso de hão haver nenhuma cova disponível, que se desloque da unidade prisional ou delegacia mais próxima, "tantos outros (bons elementos) quanto o dito cujo, para que providenciem seja uma ou várias outras covas, tantas quantas necessárias, para que seja(m) efetuado(s) o(s) enterros". Tenham a certeza de que os "cidadãos" fariam, quanto muito, mais uma ou duas tentativas. E SÓ. E TEM MAIS: EM UM PAÍS, ONDE UMA SENADORA FAZ APOLOGIA AO CRIME, AOS DESCRUMPIMENTO DAS LEIS, como o fez a senadora Gueleize - AFF MÃE - Hofiman, no caso do "honestíssimo", o mais honesto do mundo, lula, sobre a sua condenação.

1 comentários

1 de 1

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

Como serão as festas e confraternizações de fim de ano depois da polarização eleitoral?

Parcial

Edição digital

Quinta-feira, 15/11/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22,05 0,46%

Algodão R$ 92,11 -0,03%

Boi a Vista R$ 131,00 0,28%

Soja Disponível R$ 73,90 -0,40%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.