Publicidade

Cuiabá, Domingo 15/09/2019

Cidades - A | + A

Repercussão em MT 25.07.2019 | 14h31

Cuiabanos acham ilegítima ação de hackear celulares de políticos

Facebook Print google plus
Ana Flávia Corrêa

anaflavia@gazetadigital.com.br

Fátima Meira

Fátima Meira

Assim como o ministro da Justiça Sérgio Moro, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) também teve seu celular como alvo de ataques hackers, conforme anunciou o Ministério da Justiça nesta quinta-feira (25).

 

Leia também - Acusado de matar e ocultar corpo de namorada é preso

 

Na era das redes sociais e do avanço das tecnologias, a reportagem do foi às ruas de Cuiabá para saber a opinião da população quanto às invasões aos celulares. Em grande maioria, as pessoas relataram o medo de terem informações vazadas e consideraram ilegítima a ação do hacker que vazou informações das autoridades políticas. 

 

"Eu não acho válido em situação nenhuma. É uma questão de intimidade. Existem outros trâmites, caminhos legais para fazer uma investigação contra uma autoridade pública. Denunciar para vários órgãos de comando externo que podem ser acionados até pela própria população", afirmou a jornalista Maria Barbant, 48. 

 

Para além da questão política, há uma preocupação quanto ao vazamento de dados pessoais. Para o confeiteiro Paulo Henrique Juvenal, 35, que tem apenas o WhatsApp como rede social por medo, existe um sistema com o intuito apenas de coletar informações de usuários. 

 

"Eu não sei se você já reparou. Eu gosto de ver vídeos no youtube. Eu estava querendo saber fazer massa para pastel. A partir do momento que eu comecei a ver essas coisas já rapidão (sic) altas propagandas sobre coisas de cozinha. Como eles descobrem essas coisas da gente", questionou. 

 

"Eu estou vendo coisas sobre teoria da conspiração demais, sou meio desconfiado dessas coisas, tenho medo", completou.

 

De todos os entrevistados, a técnica de enfermagem Maria de Lourdes da Costa, 58, foi a única que considera que seja necessário investigar os dados públicos dos políticos com o intuito de apurar sua conduta. Ela acredita que como o político trabalha para o povo, é necessário que seus dados e sua conduta sejam compartilhados com todos. "Se eu fiz coisa errada e o povo vir em cima de mim eu não posso falar nada, porque fiz algo errado".

 

Grupo hacker foi preso na Operação Spoofing, que investiga a invasão do celular de Moro, de desembargadores, juízes e delegados.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

joão do caminhão - 25/07/2019

É ilegal todos sabem, mas o que se questiona também é o crime praticado pelo juiz. Lei ou ordem, qual vai ser de agora em diante?

César de Jesus Gomes - 25/07/2019

Pt.pt PT mafia desespero... Etc.

2 comentários

1 de 1

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Turismo internacional cresce no mundo, mas recua no Brasil segundo a Organização Mundial do Turismo. Qual a principal causa?

Parcial

Edição digital

Domingo, 15/09/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,00 3,83%

Algodão R$ 90,35 -0,31%

Boi a Vista R$ 133,00 -0,37%

Soja Disponível R$ 64,75 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.