Cuiabá, Sexta-feira 19/04/2019

Cidades - A | + A

08.09.2016 | 17h37

Fogo devasta 210 mil hectares do Xingu

Facebook Print google plus

Um incêndio florestal já queimou, desde 10 de julho, ou seja, há 2 meses, 210 mil hectares do Parque Nacional do Xingu, maior área indígena de Mato Grosso e do Brasil – uma das maiores do mundo.

Isso significa 7,9% do território, que fica ao norte do Estado, área de floresta amazônica.
Do ponto de vista ambiental e sociocultural, é patrimônio brasileiro.

De acordo com Instituto Socioambiental (Isa), ONG de defesa do meio ambiente e dos povos indígenas, “a paisagem local exibe uma grande biodiversidade, em uma região de transição ecológica, apresentando cerrados, campos, florestas de várzea, florestas de terra firme e florestas em Terras Pretas Arqueológicas”.

O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) alega que as chuvas ficaram abaixo da média histórica desde o ano passado e a floresta está muito seca e inflamável.
Afirma ainda que a maior parte do fogo do Alto Xingu está controlada.

O combate tem sido feito por cerca de 80 brigadistas no momento destacados para o combate, sendo nove servidores do Ibama em Brasília; dois do Ibama local, 25 indígenas do Parque Indígena do Xingu, 27 brigadistas do Tiro Quente, em Brasília, 10 brigadistas indígenas do Xerente, em Tocantins, oito de Bordolândia e dois peritos.

Os equipamentos disponíveis são um helicóptero, dois veículos adaptados, um rodofogo, três caminhonetes e Equipamentos de Proteção Individual para todos os combatentes.

O Parque

No Parque Nacional do Xingu, vivem 5,5 mil indígenas de 16 etnias indígenas.

A área foi homologada em 1961, pelo presidente Jânio Quadros, idealizada pelos irmãos Villas Bôas.

São 2.642.003 hectares banhados pelo rio Xingu e seus afluentes.

Está nos limites de Canarana, Paranatinga, São Félix do Araguaia, São José do Xingu, Gaúcha do Norte, Feliz Natal, Querência, União do Sul, Nova Ubiratã e Marcelândia.

“Na década de 80, foram registradas as primeiras invasões de pescadores e caçadores no território. Ao final dos anos 90, as queimadas em fazendas pecuárias localizadas a nordeste do Parque ameaçavam atingi-lo e o avanço das madeireiras instaladas a oeste começou a chegar perto dos limites físicos definidos pela demarcação”, diz trecho de documento do Isa sobre o Parque.

Por isso, a fiscalização da área, marcada em 11 postos de vigilância, é assunto preocupante para os povos xinguanos.

O Parque é de responsabilidade do Ibama e da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Voltar Imprimir

Comentários

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

O que você pensa sobre a obsessão por tirar selfies?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 19/04/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,35 -1,45%

Algodão R$ 95,29 -1,48%

Boi a Vista R$ 131,00 0,00%

Soja Disponível R$ 68,20 -0,80%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.