Cuiabá, Quarta-feira 19/09/2018

Economia - A | + A

07.12.2017 | 12h56

Estado poderia criar 753 leitos de UTI com ICMS sonegado em venda de grãos

Facebook Print google plus

Com os mais de R$ 140 milhões sonegados pela organização criminosa desmantelada nesta quinta-feira (7), na operação “Crédito Podre”, o Estado poderia ter feito uma série de ações voltadas à população, como criar 753 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), adquirir 938 novas viaturas, construir 72 novas escolas ou construir 1,4 mil casas populares.

O levantamento foi feito após 8 meses de investigação conjunta entre a Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz) e a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz).
Conforme o delegado Sylvio do Vale Ferreira Junior, a organização criminosa começou a operar em 2012, mas em meados de 2016 intensificou as atividades, passando chamar a atenção da fiscalização tributária, o que deu início às investigações.

De cinco anos atrás até a quarta-feira (6), o esquema conseguiu escoar aproximadamente R$ 1 bilhão em sacas de grãos de Mato Grosso para outros Estados. Como as commodities eram vendidas acima do valor de mercado, o esquema movimentou, através de notas fiscais fraudulentas, em torno de R$ 2,1 bilhões, conforme apurado pela Polícia Civil. Desse montante, estima-se que o recolhimento de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) deveria ser de ao menos R$ 140 milhões. Este é o valor do prejuízo à população mato-grossense.

Divulgação

Notas fiscais apreendidas em escritório

O esquema

Segundo explicou o delegado Sylvio do Vale, as suspeitas começaram quando a Sefaz identificou que várias empresas estavam sendo abertas “do dia para a noite” e já passavam a emitir valores milionários em notas fiscais. Até o momento, foram identificadas mais de 30 mil notas fiscais.

O ponto chave da engrenagem criminosa eram os corretores de grãos, que identificavam a demanda de indústrias ou de outros produtores fora de Mato Grosso e procuravam aqui a oferta para completar a negociação.

Ao fechar negócio com um produtor rural, esses corretores solicitavam a emissão de notas fiscais com ICMS diferido para uma empresa de fachada, constituída em nome de um “laranja”.

O próximo passo do esquema era essa primeira empresa emitir outra nota fiscal para uma segunda empresa fantasma, também integrante da organização criminosa, já com o destaque do ICMS. “Nesse momento, é realizado um pedido de autorização de crédito e, depois, é feita uma nova emissão de crédito de vendas, já para fora do Estado, utilizando um registro de utilização de crédito”, explica o delegado.

Divulgação

Dessa forma, com uma série de “revendas” de grãos dentro do Estado até chegar no comprador final, fora de Mato Grosso, nenhum dos negociadores pagava o ICMS devido ao Estado de Mato Grosso, que é a vítima da série de crimes.

As corretoras de grãos, que são as intermediadoras entre o produtor rural (vendedor) e as indústrias (comprador final), não apareciam em nenhum momento nas notas fiscais do trâmite financeiro, mesmo sendo elas as operadoras das transações, maneira encontrada para não serem rastreadas ao seguir o caminho percorrido pelo dinheiro.

“O dinheiro sai das indústrias, das beneficiadoras, dos produtores rurais localizados fora do Estado de Mato Grosso. E ele entra na corretora e depois a corretora faz o pagamento para os produtores rurais que cultivaram esses produtos primários. Recebendo esses produtos, esses produtores rurais então fazem a remessa dessa mercadoria, desses grãos e chega no destinatário final que está localizado fora do Estado”, explicou Sylvio do Vale.

Voltar Imprimir

Comentários

jose antonio silva - 07/12/2017

VEJAM AÍ UMA TAL DE EFRAIM AGRONEGÓCIOS, IVONIEL.....E MAIS TANTOS OUTROS.......

ALEX JUNIOR DA - 07/12/2017

Oi boa tarde concordo com esse desfalque que reflete principalmente na área da saúde, mas e esses escandalos todo referênte ao VLT até agora senhor governador não deu em nada que essa dinherama toda desviada também desafogaria e muito mais do que essas sonegações de ICMS pois sugiro também que faria diferênça e tem muitos dos envolvidos empresas que também esta entre os escanadalos e nem foram presos e ae senhor governador vai ficar assim até o fim do mandato do senhor pois no inicio achei que não seria assim mas está muito devagar o senhor.

2 comentários

1 de 1

Enquete

Você sabe o que é o voto útil?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 19/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 22.900 -0.870

Algodão R$ 117.270 1.060

Boi a Vista R$ 128.000 0.000

Soja Disponível R$ 75.500 1.340

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.