Publicidade

Cuiabá, Domingo 25/08/2019

Judiciário - A | + A

Pauladas 09.07.2019 | 20h03

Acusada de matar casal a pauladas e esconder corpo é absolvida

Facebook Print google plus

Otmar de Oliveira

Otmar de Oliveira

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri absolveu a diarista Nilza Paula de Almeida em julgamento realizado na segunda-feira (7). A ré era acusada de ter matado o casal Zilda Antônia dos Santos e João Bosco de Moraes Neto com pauladas e pedradas. Ela teria contado com ajuda de um comparsa para o duplo homicídio e esconder os corpos no mato.

 

Leia também -Presa suspeita de matar casal a pauladas e facadas em Cuiabá

 

As vítimas foram assassinadas em março de 2016, na casa em que moravam, no bairro Jardim Ubirajara, em Cuiabá. Os corpos foram encontrados a mais de 90 metros do local do crime, sob a vegetação.

 

Narra a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), que a acusada estava em um bar, quando o casal passou. Ela então pediu dinheiro para Zilda, que negou o pedido. Ambas discutirão e foram separadas pela dona do comércio.

 

Na madrugada do dia seguinte, Nilza teria ido até a casa das vítimas, na companhia de Pedro da Silva Souza e golpearam as vítimas até a morte. Na ocasião, a vítima Zilda lutou e feriu a acusada.

 

Os corpos foram arrastados para um matagal nas proximidades da casa. O irmão de Nilza a socorreu e encaminhou para o Pronto Socorro Municipal de Cuiabá (PSMC), onde permaneceu internada por 15 dias e fugiu para não ser presa.

 

Ela foi detida em abril daquele ano e encaminhada para a Penitenciária Feminina Ana Maria do Couro May. Pedro também foi localizado e confessou o crime. Ele disse que outra pessoa tinha mandado que eles matassem o casal. O homem acusou Nilza de ser sua comparsa. A mulher negou a participação nas mortes e disse que estava sob efeito de entorpecente no dia, não sabia como tinha chegado a casa da vítima.

 

Ela foi solto pouco tempo depois e aguardava o processo em liberdade. Pedro também foi solto e ação contra ele desmembrada. Atualmente o processo está suspenso até que o acusado seja submetido a exame de insanidade mental.

 

Leia também - Segundo suspeito de matar servidora se apresenta à polícia

 

Durante o julgamento presidido pela juíza Mônica Catarina Perri, da 1° Vara Criminal de Cuiabá, os jurados não reconheceram a acusada como autora dos crimes de homicídio por motivo torpe e condição que dificultou a defesa da vítima.

 

“Assim, atenta à soberana decisão do Conselho de Sentença, à qual estou vinculada, absolvo a acusada Nilza Paula de Almeida”, diz trecho da decisão, que afirma não ter sido comprovada a participação da mulher no delito.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Jornal do Meio Dia - JM

Jornal do Meio Dia - JM

GD

GD

Enquete

Qual sua opinião sobre a indicação de Eduardo Bolsonaro ao cargo de embaixador do Brasil nos EUA?

Parcial

Edição digital

Domingo, 25/08/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 17,80 -1,66%

Algodão R$ 90,18 0,56%

Boi a Vista R$ 133,00 0,00%

Soja Disponível R$ 69,00 -0,14%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.