Cuiabá, Sábado 22/09/2018

Judiciário - A | + A

23.01.2018 | 13h06

Desembargadora anula rescisão de contrato entre Estado e Consórcio VLT

Facebook Print google plus

Atualizada às 17h42 - A desembargadora Helena Maria Bezerra Ramos, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), proibiu o Estado de tomar qualquer medida com base no Termo de Rescisão Contratual com o Consócio VLT, até que haja decisão de um recurso administrativo que tramita por parte das empresas membros do consórcio junto ao Estado.

Chico Ferreira

Na prática, a decisão, proferida no último dia 11, anula a rescisão de contrato feita de forma unilateral pelo governo com o Consórcio VLT, o que ocorreu depois da operação Descarrilho, deflagrada no final do ano passado pela Polícia Federal, com base na delação do ex-governador Silval Barbosa em relação à propina que confessou ter recebido das empresas mediante execução de obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

O mandado de segurança foi impetrada pelas empresas CR Almeida S/A Engenharia de Obras, Santa Bárbara Construções S/a, CAF Brasil Indústria e Comércio e Astep Engenharia Ltda., membros do consórcio, contra o secretário de Estado de Cidades, Wilson Santos; o procurador-geral, à época Rogério Gallo e agora Gabriela Novis Neves; o controlador-geral Ciro Rodolpho Gonçalves e os integrantes da Comissão Processante Carlos Antônio Perlin, Carlos Eduardo Souza Bonfim, Tatiana de Lima Piovezan e Joé Piccoli Neto.

O Consórcio apontou nulidade da publicação do Termo de Rescisão Unilateral do contrato administrativo nº 037/Secopa/2012, referente à construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), firmado pelo Estado com as empresas no período anterior à Copa do Mundo de 2014. As empresas reclamaram que não tiveram garantido o direito ao processo legal, ao contraditório e à ampla defesa, argumento que foi aceito pela magistrada.

Com isso, o governo deve aguardar o resultado do julgamento do recurso no âmbito do processo administrativo para depois tomar medidas que resultem na rescisão do contrato.  

Outro lado - Por meio de nota, o Consórcio VLT reafirmou a improcedência das alegações do Estado para rescindir de forma unilateral o contrato e destacou seu interesse em retomar a obra de conclusão do VLT. Veja na íntegra:

O Consórcio VLT Cuiabá-Várzea Grande reafirma os fatos apresentados ao Judiciário, através dos quais demonstrou a total improcedência das alegações apresentadas pelo Estado para justificar a rescisão do contrato. O Consórcio destaca que tem pleno interesse em retomar e concluir a implantação do VLT e reúne todas as condições necessárias para esse objetivo.

Voltar Imprimir

Comentários

Enquete

O horário político no rádio e TV está sendo útil na sua escolha pelos candidatos?

Parcial

Edição digital

Sábado, 22/09/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 25.600 0.790

Algodão R$ 99.520 -0.310

Boi a Vista R$ 132.450 0.110

Soja Disponível R$ 69.000 1.470

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.