Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 15/07/2019

Judiciário - A | + A

OPERAÇÃO MANTUS 24.06.2019 | 17h02

Juiz nega transferência para os 'cabeças' do jogo do bicho

Facebook Print google plus

João Vieira

João Vieira

O juiz Jorge Luiz Tadeu, da 7° Vara Criminal de Cuiabá, negou os pedidos do bicheiro João Arcanjo Ribeiro e de seu suposto assessor Noroel Braz da Costa Filho para transferência de unidade prisional.

 

Leia também -Após declarações de delegado, Arcanjo tem a cabeça raspada

 

Jorge Luiz também indeferiu os pedidos de revogação de prisão preventiva aos investigados Rosalvo Ramos de Oliveira, Glaison Roberto Almeida da Cruz, José Carlos de Freitas, Frederico Müller Coutinho, João Henrique Sales de Souza e Haroldo Clementino Souza.

 

Noroel e Arcanjo estão recolhidos na Penitenciária Central do Estado (PCE) desde o dia 29 de maio, quando foi deflagrada a Operação Mantus, pela Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).

 

Os detentos queriam ser removidos para o Centro de Custódia da Capital (CCC), mas o magistrado ponderou que não cabe a ele decidir sobre a distribuição dos presos. A decisão cabe à Secretaria de Estado de Segurança Pública.

 

“Com essas considerações, indefiro o pedido de transferência formulado pelas defesas de Noroel Braz da Costa Filho e João Arcanjo Ribeiro especialmente porque não cabe a este juízo interferir na administração penitenciária”, pontua o magistrado na decisão publicada nesta segunda-feira (24), no Diário de Justiça Eletrônico.

 

Para o CCC, são encaminhados apenas detentos com nível superior que esperam sentença ou por eventual problema de segurança.

 

Operação Mantus 

Na Operação, Arcanjo é acusado de usar o genro Giovani Zem para administrar a empresa Colibri, da qual é fundador e que atua no jogo do bicho. Noroel seria assessor e segurança responsável pelas cobranças dos responsáveis pelos pontos de aposta do jogo de azar.


A Operação Mantus foi deflagrada no dia 29 de maio passado pela Gerência de Combate ao Crime Organizado e Delegacia Fazendária para investigar a prática de contravenção do jogo do bicho e lavagem de dinheiro.

 

Liberdade negada

No mesmo Diário foi publicada a decisão que negou os pedidos de soltura dos investigados na mesma operação Rosalvo Ramos de Oliveira, Glaison Roberto Almeida da Cruz, José Carlos de Freitas, Frederico Muller Coutinho, João Henrique Sales de Souza e Haroldo Clementino Souza.

 

João Vieira

Operação Mantus / Depoimentos / Frederico Coutinho / FMC ELO

 Frederico Müller está preso desde o dia 29 passado.

A decisão de Jorge Luiz Tadeu seguiu o parecer do Ministério Público Estadual.

 

Na concorrência com Arcanjo, Frederico Muller seria dono da Ello FMC que também atua no ramo do jogo do bicho. Os demais presos são acusados de trabalhar para o empresário.

 



Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

GD

GD

Enquete

O Congresso Nacional deve aprovar a lei que regulamenta a educação domiciliar?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 15/07/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,85 0,25%

Algodão R$ 90,04 -0,53%

Boi a Vista R$ 130,84 -0,17%

Soja Disponível R$ 65,80 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.