Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 15/07/2019

Judiciário - A | + A

11.01.2017 | 15h14

Sérgio diz que afastamento contraria TJ

Facebook Print google plus
Chico Ferreira/A Gazeta

Em nota de esclarecimento divulgada à imprensa, o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE), conselheiro Sérgio Ricardo, classificou de contraditória a decisão do juiz Luis Aparecido Bortolussi Júnior, da Vara Especializada em Ação Civil Pública e Popular, de afastá-lo do cargo pela suspeita de comprar pelo valor de R$ 12 milhões a vaga de conselheiro que antes pertencia a Alencar Soares.

Por conta disso, Sérgio Ricardo e mais outros oito réus tiveram o patrimônio bloqueado na ordem de R$ 4 milhões.

Sérgio Ricardo afirma que um pedido de afastamento do cargo proposto pelo Ministério Público Estadual (MPE) já havia sido negado pela juíza Célia Regina Vidotti. Além disso, ressaltou que falta contemporaneidade na decisão que determinou seu afastamento, uma vez que, já se transcorreu dois anos do pedido solicitado pelo promotor de Justiça Célio Fúrio, e não há comprovação alguma de que estaria atrapalhando as investigações para sofrer uma medida tão extrema.

A defesa do conselheiro também alega que a Quarta Câmara Cível do Tribunal de Justiça negou, por unanimidade, pedido para reformar a decisão da juíza Célia Regina Vidotti, por entender que não havia elementos para afastá-lo do cargo.

Por isso, assegura que, assim que for devidamente notificado da decisão judicial que autorizou seu afastamento vai recorrer ao Tribunal de Justiça para reformá-la.

Confira a íntegra da nota:

Em relação à decisão do juiz da Vara Especializada em Acão Civil Pública e Acão Popular, Dr. Luiz Aparecido Bortolussi Junior, que determinou seu afastamento do cargo, o Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado Sérgio Ricardo esclarece que:

1) Recebeu com surpresa a decisão proferida pelo juiz de direito, uma vez que o pedido de afastamento da mesma natureza já havia sido negado em 19.12.2014, por outra magistrada de primeira instância da mesma Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, em ação correlata (autos 949052)

2) A decisão de afastamento, proferida mais de dois anos após o protocolo da inicial, além de faltar contemporaneidade, contrariou não só a decisão da magistrada da mesma vara especializada, como também afrontou o posicionamento proferido pela Terceira Câmara Cível do Tribunal de Justiça quando negou, à unanimidade, o recurso de agravo do Ministério Público Estadual que pretendia afastá-lo do cargo.

3) Na decisão que já havia negado o afastamento do cargo, proferida em 27.10.2015 (autos 7054/2017) o Tribunal de Justiça de Mato Grosso entendeu não existir motivos para decisão tão extrema, pois para o TJ "não foi demonstrado qualquer indício de que a permanência do agravado no cargo possa representar algum risco à instrução processual" e que "não há qualquer alegação de que o agravado, no exercício da função de conselheiro, esteja praticando atos ilícitos".

4) Ademais, o próprio juiz que agora decidiu pelo afastamento fez questão de deixar claro que tomou essa decisão "não porque o Conselheiro tivesse atuado contra a lei e a moralidade administrativa..." e que "não se cuida de ato praticado por Conselheiro de Tribunal de Contas no exercício de suas funções.", o que faz da decisão ainda mais contraditória e incompreensível.

5) Até porque, rigorosamente nenhum fato novo ocorreu desde que a primeira decisão negando o afastamento foi proferida em 19.12.2014 pelo juízo da Vara de Acão Popular, decisão essa mantida depois pelo Tribunal de Justiça. Não há, portanto, nenhum novo elemento que justifique essa mudança de entendimento mais de 2 anos depois de proposta a ação pelo Ministério Público.

6) Sergio Ricardo reitera que não praticou qualquer ato ilícito e que o processo de indicação para o cargo de Conselheiro, além de ter sido público, com ampla votação na Assembleia, seguiu rigorosamente todos os trâmites legais.

7) Portanto, assim que tomar conhecimento formalmente da decisão recorrerá imediatamente ao Tribunal de Justiça de Mato Grosso para que a decisão de afastamento seja corrigida, de forma que possa prevalecer o mesmo correto entendimento já proferido pela Terceira Câmara Cível quando negou, à unanimidade, o afastamento do cargo.

8) Por fim, reitera que está à disposição da Justiça para prestar todos os esclarecimentos necessários para o bom deslinde do processo. 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

GD

GD

Enquete

O Congresso Nacional deve aprovar a lei que regulamenta a educação domiciliar?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 15/07/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,15 1,51%

Algodão R$ 90,88 -0,31%

Boi a Vista R$ 136,50 1,11%

Soja Disponível R$ 68,00 0,89%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.