Cuiabá, Quarta-feira 14/11/2018

Judiciário - A | + A

22.01.2018 | 07h30

Silval não teme ser morto, mas mantém segurança reforçada e carro blindado

Facebook Print google plus

Corrigida às 16h36 de 23/01/2018* - Durante suas idas à Controladoria-Geral do Estado (CGE) onde prestou uma série de depoimentos contra mais de 100 empresas e 40 servidores envolvidos em corrupção na sua gestão, o ex-governador Silval Barbosa negou ter medo de ameaças de morte, como forma de retaliação por sua postura de delator. “Isso é especulação. Não existe temor. Não me sinto ameaçado”, disse.

João Vieira

Ex-governador Silval Barbosa

Ele foi questionado sobre o fato de seu filho Rodrigo Barbosa, também réu em ações penais e delator na operação Sodoma 3, ter registrado no processo que iria blindar um carro por questões de segurança diante dos efeitos do acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

No entanto, minimizou o caso, dizendo que Rodrigo sempre utilizou carros blindados e ele próprio também, enquanto esteve no governo.

“Blindagem de carro ele sempre teve. Quando ele ia a São Paulo ele sempre teve carro blindado. Eu, quando estava no governo, sempre tive carro blindado, mas não é essa preocupação de quando tomei a decisão de colaborar, não”, afirmou.

Leia também - Após delação, família de Silval vende bens para cumprir acordo com MPF

Se de fato o ex-governador, acusado de ter causado um rombo de mais de R$ 1 bilhão aos cofres públicos de Mato Grosso, não está com medo da morte, pelo menos está precavido. Ele não sai de casa sem um segurança particular. O Toyota Corolla em que ele anda é blindado. Conforme flagrou o Gazeta Digital, os vidros do veículo têm a marca d’água de uma empresa especializada em blindagens especiais.

João Vieira

Detalhe do vidro do carro de Silval mostra a marca d'água de empresa de blindagem

O temor pela morte foi argumento utilizado pela defesa, patrocinada pelo advogado Délio Lins, para que o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), mantivesse sigilo nos termos e anexos da delação de Silval Barbosa e família, conforme foi noticiado pelo Gazeta Digital, em setembro do ano passado.

Leia também - Silval Barbosa termia ser assassinado na cadeia

No pedido, feito quando o ex-governador ainda estava preso no Centro de Custódia da Capital (CCC), o advogado afirmou que não existia por parte de Silval Barbosa “qualquer tipo de autorização no sentido de que terceiros saibam a respeito do mesmo, até porque o ora peticionário teme por sua vida no cárcere, caso sua intenção de colaborar venha a ser de conhecimento de determinadas pessoas”, destacou no processo à época.

Errata - *Correção relativa ao nome do filho do ex-governador. Erroneamente foi colocado o nome de Ricardo Barbosa, quando, na verdade, trata-se de Rodrigo Barbosa, o filho mais velho de Silval.

                  Veja vídeo em que Silval Barbosa nega medo de ameaças de morte:

                   

Voltar Imprimir

Comentários

alcides pereira fernandes - 22/01/2018

por isso esses governantes não se preocupam com a segurança da população, eles andam em carros blindados, ora pois.

1 comentários

1 de 1

Chico Ferreira

Chico Ferreira

GD

GD

Enquete

O que você pensa sobre a Black Friday?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 14/11/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,00 -2,10%

Algodão R$ 90,08 -0,35%

Boi a Vista R$ 136,67 0,00%

Soja Disponível R$ 64,75 0,00%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.