Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 23/07/2019

Judiciário - A | + A

Matérias no site 15.04.2019 | 19h08

TRE condena Taques por propaganda em período eleitoral

Facebook Print google plus
Thalyta Amaral e Pablo Rodrigo

redacao@gazetadigital.com.br

João Vieira

João Vieira

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) condenou por unanimidade o ex-governador Pedro Taques e seu secretário do Gabinete de Comunicação, Marcy Monteiro, por propaganda institucional irregular durante os 3 meses que antecederam as eleições de 2018. Cada um deles terá que pagar multa de R$ 5.320,50, mas, como Taques não foi reeleito não haverá cassação do diploma.

 

A denúncia foi feita pela coligação “A Força da União”, que tinha Wellington Fagundes (PR) como candidato a governador. A coligação reuniu 317 matérias veiculadas no site do governo do Estado entre os dias 13 de julho e 24 de agosto que poderiam configurar como propaganda irregular.

 

Segundo o relator do caso, o juiz Antônio Veloso Peleja Júnior, “essa conduta fere a igualdade de oportunidades e não preenche os requisitos que justificam a exceção ao comando contido na referida norma”, porque pela Legislação a divulgação institucional só pode ser feita “em caso de grave urgência e necessidade pública”, o que não foi constatado no caso.

 

Leia também - Riva é condenado e precisa devolver R$ 8,8 milhões

 

Peleja afirmou que “a norma é taxativa e veda a realização dessa conduta nos 3 meses que justificam antecedentes do pleito” e que não foi “demonstrada a grave e urgente necessidade pública que (...) que permitiria a legalidade da propaganda e veiculação”.

 

Durante o processo, a defesa de Taques teria alegado que as matérias publicadas possuíam apenas conteúdo informativo, com acesso indireto, através de endereço específico. E que também não houve prejuízo aos cofres públicos por isso.

 

Além de não aceitar essaa justificativaa, o relator afirmou em seu voto que, mesmo não havendo autorização explícita do ex-governador para a publicação dessas matérias, “a jurisprudência do TSE é pacífica no sentido de que o chefe do Executivo é responsável pela divulgação da publicidade institucional, independentemente da delegação administrativa, por se tratar, por ser sua atribuição zelar pelo conteúdo”.

 

Já Marcy Monteiro também terá condenado porque na “época dos fatos exercia o cargo de secretário de Estado do Gabinete de Comunicação. Então ele era autoridade diretamente responsável pelas publicações, devendo fiscalizá-las”.

 

Outro lado
Marcy Monteiro informou que eles ainda não foram notificados da decisão do TRE e que o caso estava sendo tratado pelo jurídico do partido. O ex-secretário também afirmou que não foi chamado para fazer a sua defesa no caso e que tem convicção que não fez nada de errado.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

Enquete

Segundo o presidente Jair Bolsonaro, é melhor ter menos direitos e ter emprego do que ter muitos direitos e não ter emprego

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 23/07/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,60 0,39%

Algodão R$ 89,94 -0,27%

Boi a Vista R$ 131,18 -0,07%

Soja Disponível R$ 69,00 -1,29%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.