Publicidade

Cuiabá, Terça-feira 21/05/2019

Mande seu Whats - A | + A

12.09.2018 | 08h40

Funcionários de coleta de lixo denunciam caminhões sucateados e falta de pagamento

Facebook Print google plus

Funcionários da empresa Locar Gestão de Resíduos, responsável pela coleta de lixo em Cuiabá e Várzea Grande, denunciaram ao Gazeta Digital as condições de trabalho que estão submetidos. Eles relataram o excesso de horas trabalhadas, as condições dos caminhões, que estão sucateados, o atraso nos salários e a falta de pagamento de hora extra.

João Vieira

A responsabilidade pela coleta de lixo em Cuiabá é da Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, que terceiriza os serviços à empresa lotada em Recife.

Leia também - Bombeiros combatem incêndio em terreno baldio que ameaça atingir casa

"No turno da noite, a gente entra às 19h e vence o nosso turno às 03h20, mas como os caminhões estão sucateados e as condições para trabalhar são precárias a gente não consegue vencer o turno. Tem dia que a gente chega na garagem às 8h, 9h, tem gente que chega até às 10h e quando é 19h temos que retornar novamente", disse um funcionário, que pediu para não ser identificado por medo de represálias.

Ele contou, em seu relato, que eles costumam trabalhar 12 horas por dia, sem o pagamento integral das horas extras ou direito a folga. No mês de setembro, somente 15% das horas extras foi paga. Apesar da cobrança da empresa para que eles não trabalhem as horas adicionais, ele explicou que o pedido é difícil de cumprir, já que os caminhões estão sucateados.

"Lá para sair um caminhão tem que arrancar peça de um para colocar em outro. Você chega na garagem 19h e tem caminhão que sai da garagem 1h porque precisa resolver o problema e ficam atrás de soluções para soltar o caminhão para rua", afirmou.

Com isto, a maioria dos caminhões, de acordo com o relato, coloca em risco a vida dos funcionários. À reportagem, um funcionário contou que machucou no início deste mês por ter escorregado ao tentar descer do caminhão.

"O estribo não presta, está muito liso e você vai sair e acaba escorregando. Eu fui descer em um lugar que estava escuro e cai. Só dois caminhões têm farolete, luminária do lado para você prestar atenção na hora de descer, mas o restante não tem."

A maioria dos funcionários tem medo de se identificar, já que dizem que é comum que eles sejam demitidos caso decidam reivindicar seus direitos. Os salários, o vale alimentação e o vale transporte sempre são pagos com atraso, de acordo com o relato.

" Nós estamos passando por um problema em que a empresa está fazendo do jeito que ela quer, se você tenta reivindicar alguma melhora você não pode falar nada, se você falar eles te mandam embora."

Outro lado

Em nota, a prefeitura de Cuiabá afirmou que irá solicitar os esclarecimentos à empresa e, caso necessário, notificará para que as obrigações trabalhistas sejam cumpridas. A assessoria da Locar não respondeu os questionamentos da reportagem até a publicação da matéria.

Confira a nota na íntegra:

"Como base no princípio de valorização de todos os servidores que prestam serviços ao Município, a Prefeitura de Cuiabá esclarece que, por meio da Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, tem sempre buscado acompanhar de perto situações como esta, a fim de garantir que o direito do trabalhador seja preservado.

No entanto, diante da situação apresentada, a Prefeitura destaca que irá solicitar os esclarecimentos pertinentes junto à empresa e, caso necessário, notificá-la para que tais obrigações trabalhistas sejam rigorosamente cumpridas.

A Prefeitura de Cuiabá salienta ainda que está rigorosamente em dia com os repasses financeiros que devem ser efetuados a empresa contratada para a execução do serviço de coleta de lixo domiciliar na Capital.

O Executivo destaca também que casos deste tipo podem ser denunciados na própria sede Secretaria Municipal de Serviços Urbanos, situada na Avenida Dante Martins de Oliveira, nº 2273, Campo Verde, ou pelo telefone: (65) 3645-5510. Dessa forma, a pasta consegue atuar de forma mais ágil, assegurando a regularização da conjuntura."

Esta matéria foi produzida através de sugestão de um internauta. Você também pode participar, enviando o pedido ao WhatsApp do Gazeta Digital. Para enviar sugestões, fotos e vídeos o número é (65) 9 9987-2065. Ou no in box do Facebook.

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

GD

GD

Publicidade

Enquete

Patinete elétrico virou febre no país. Você teria um?

Parcial

Edição digital

Terça-feira, 21/05/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 20,55 -4,20%

Algodão R$ 93,42 0,54%

Boi a Vista R$ 131,35 0,27%

Soja Disponível R$ 66,40 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.