Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 22/07/2019

Mande seu Whats - A | + A

09.09.2018 | 08h32

Presas denunciam maus-tratos com xingamentos, tiros e bombas de gás

Facebook Print google plus

Um grupo de familiares se reuniu para denunciar os supostos maus-tratos que as detentas da Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, estariam sofrendo. Em uma nota divulgada pelas redes sociais, elas acusam os agentes penitenciários e a direção da instituição de humilhação, opressão e agressões morais e verbais.

Marcus Vaillant

Familiares denunciam que presas do Ana Maria do Couto May estão sendo vítimas de maus tratos

"Somos humilhadas com xingamentos, tiros, bombas de gás, spray de pimenta. Estão nos tratando igual animais. Apesar dos nossos erros somos seres humanos e tudo está acontecendo e ninguém faz nada. A situação está ficando insustentável", diz trecho da publicação.

Uma ex-reeducanda, que não será identificada, conversou com o Gazeta Digital e confirmou as agressões sofridas dentro do presídio. Ela estava detida há 4 anos e saiu há alguns dias. De acordo com ela, a conduta dos agentes e da direção começou há duas semanas, com a entrada da nova diretora.

"Lá tem o procedimento de você responder seu nome e ficar de pé todo dia de manhã cedo para responder seu nome. Se você olha para cara do agente ele pega o spray de pimenta e joga na sua cara, pergunta o que você perdeu na cara dele", disse.

Ela afirmou que o spray de pimenta é utilizado todos os dias dentro da instituição. Durante o procedimento de revista, em que as reeducandas precisam ir para o pátio, elas são levadas pelos agentes masculinos, que supostamente agem de forma truculenta.

"Uma vez uma senhora passou muito mal porque o spray de pimenta é muito forte. Era uma senhora bem gorda de uns 70 anos, aí eles deixaram ela jogada no chão que nem porco. Eles não deixaram a gente ajudar".

"Eles levam a gente para a quadra dia de frio, dia de sol. Do jeito que você estiver na cela, se você estiver pelada você tem que ir, não pode levar uniforme e a gente sai na frente dos policiais homens. Não tem lugar para fazer xixi, e eles ficam olhando as meninas fazerem xixi", complementou.

Outro lado

Em nota, a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos afirmou que não existe nenhum descumprimento ou desrespeito às presas na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto. Ainda, explica que tal afirmação e denúncias decorrem do descontentamento de um pequeno grupo de mulheres que é refratário às regras de disciplina aplicadas na unidade prisional.

Confira a nota:

"A Secretaria de Justiça e Direitos Humanos esclarece que não há nenhum descumprimento ou desrespeito, como supostamente faz crer um grupo de presas reclusas na Penitenciária Feminina Ana Maria do Couto.

Tal afirmação decorre do descontentamento de um pequeno grupo de mulheres que é refratário às regras de disciplina aplicadas na unidade prisional, que estão plenamente em conformidade com o que é estabelecido no Manual de Procedimento Operacional Padrão do Sistema Penitenciário.

A direção da unidade prisional tem trabalhado para proporcionar diversas frentes de trabalho e de qualificação, a fim de promover ações de ressocialização com as mulheres reclusas."

Confira a nota divulgada pelas reeducandas na íntegra:

"Senhores que fazem parte de ordem competente e sociedade, nos ajudem. Estamos sendo maltratadas por parte de alguns agentes e direção. Toda semana é essa mesma coisa, são reeducandas doentes sem assistência médica.

Somos humilhadas com xingamentos, tiros, bombas de gás, spray de pimenta. Estão nos tratando igual animais. Apesar de nossos erros somos seres humanos. Tudo que está acontecendo e ninguém faz nada para nos ajudar a situação está ficando insustentável. E aqui nem podemos falar pois se assim o fizermos a diretora já fala que vamos para isolamento ou outra cidade.

Existem Leis que asseguram o direito de presos e uma delas é lei 7.210 de 11/07/1984. Art:03 Art:40 Art:41 XIII XIV entre outros. Tiraram nossas regalias conquistadas ao longo de anos.

E uma dessas que nos foram tiradas é a primeira quarta do mês que nos tínhamos visitas. E a direção disse que ia tirar por que estava prejudicando a carga horária das aulas. Toda semana ela faz um tal procedimento e nos manda para a quadra no sol. Senhoras passam mal e isso também prejudicam as aulas e elas não vêem isso ?

Porque tantos maus tratos porque tantas humilhações, porque tanto descaso com seres humanos ? Isso é ressocialização. Alguém por favor pode nos responder por gentileza.

Hoje pedimos que nos ajudem para que essa direção nos faça animais com raiva, porque quem é tratado igual bicho, igual bicho vai responder. Então por favor não deixem que isso aconteça. Pedimos ajuda por favor.

Reeducandas do Presídio Feminino Ana Maria do Couto
Familiares de Reeducandas"

Esta matéria foi produzida através de sugestão de um internauta. Você também pode participar, enviando o pedido ao WhatsApp do Gazeta Digital. Para enviar sugestões, fotos e vídeos o número é (65) 9 9987-2065. Ou no in box do Facebook. 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

GD

GD

Enquete

Sobre a possível liberação de recursos das contas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS)

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 22/07/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,10 2,43%

Algodão R$ 93,05 -0,01%

Boi a Vista R$ 135,50 0,00%

Soja Disponível R$ 64,80 -0,77%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.