Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 17/06/2019

Opinião - A | + A

11.07.2016 | 00h00

Os novos bancários

Facebook Print google plus

Atualmente, a probabilidade de clientes de bancos serem atendidos por trabalhadores terceirizados é alta, tendo em vista que a subcontratação de serviços é uma das principais ferramentas da reestruturação produtiva no setor bancário. Praticamente todas as atividades bancárias são realizadas por trabalhadores vinculados a empresas de call centerou a correspondentes bancários, existindo terceirizados em quase todas as áreas dos bancos, inclusive nas atividades consideradas tipicamente bancárias, tais como processamento de documentos, compensação de cheques, atendimento aos clientes e vendas de produtos comercializados pelas agências, como por exemplo, empréstimos consignados, seguros e cartões de crédito.

Todavia, os "trabalhadores bancários terceirizados" não podem usufruir dos direitos estabelecidos em negociação coletiva da categoria dos bancários, como, por exemplo: salário profissional, auxílio-alimentação, jornada reduzida, participação nos lucros e resultados, adicionais majorados para horas extras, entre outros.

A degradação de direitos trabalhistas é fomentada a partir da desarticulação política da categoria dos bancários. Com o deslocamento de expressiva parte dos trabalhadores para inúmeras empresas prestadoras de serviços e para correspondentes bancários, o coletivo dos bancários, nacionalmente conhecido por seu forte poder de negociação, desmantela-se. Nesse cenário, a deflagração de greves se torna um desafio cada vez maior, pois o número de trabalhadores nas agências dos bancos é ínfimo e o atendimento aos clientes prossegue através dos serviços realizados por trabalhadores terceirizados, ou seja, pelos novos bancários do sistema financeiro nacional.

A terceirização de atividades eminentemente bancárias afronta a legislação que regula as relações de emprego no país (artigos 2º e 3º, da Consolidação das Leis do Trabalho) e a jurisprudência consolidada do Tribunal Superior do Trabalho que proíbe a intermediação de mão-de-obra e considera ilegal a terceirização de atividades-fim (Súmula 331).

Tendo em vista o princípio da primazia da realidade, a jurisprudência trabalhista vem reconhecendo a ilicitude da subcontratação de trabalhadores que desempenham atividades finalísticas dos bancos.

Ademais, verifica-se em tais terceirizações a ausência de autonomia das empresas prestadoras de serviços em relação aos bancos, já que são estes que fornecem a tecnologia, os equipamentos e o know-how, pois prescrevem amplo e detalhado rol de procedimentos a serem executados pelos trabalhadores terceirizados, sob controle de qualidade de supervisores dos bancos.

Como se não bastasse, os trabalhadores terceirizados têm acesso a dados pessoais, patrimoniais e a extratos de movimentação financeira dos clientes dos bancos, informações que são acobertadas por sigilo bancário.

Além disso, são obrigados a cumprir metas de atendimento e vendas de produtos bancários. Sem contar o desgaste psíquico por que passam tais trabalhadores que, usualmente, são destratados por clientes insatisfeitos com as extorsivas taxas cobradas pelos bancos.

Por tais razões, o Ministério Público do Trabalho, com a propositura de ações judiciais de viés inibitório e ressarcitório à sociedade, tem se posicionado contra a intermediação de mão de obra perpetrada pelos bancos.

Contudo, tem sido tenaz a resistência empresarial quanto ao cumprimento de decisões judiciais que proíbem a terceirização no setor, fato que demanda ações orquestradas pelos órgãos de fiscalização e parcerias com os sindicatos de bancários, além de um eficaz canal de comunicação com os trabalhadores terceirizados, maiores prejudicados pelas ofensivas cada vez mais agressivas do capital financeiro.

Carolina Mercante é Procuradora do Ministério Público do Trabalho e doutora em Direito do Trabalho pela Universidade de São Paulo

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

roberto sauer - 22/07/2016

O que está sendo feito com os aprovados em concurso do BB 2014 002 está uma vergonha. Será que ninguem da justiça ou políticos não conseguem fazer nada para que esta instituição convoque os mil aprovados deste concurso? O pra zo está se acabando novamente e depois vem mentir para os jovens que contratam e tem vagas, para fazer novo concurso. Jogando no lixo os aprovados que se esforçaram. Nao tem promotor ou juiz suficiente nesse pais para ordenar a convocação. Esta é a realidade. Se quiser trabalhar no BB se mate de estudar para passar e guarde um bom dianheiro pra quando você estiver aprovado pagar um bom advogado para entrar com uma ação. Essa hoje em dia esta sendo a porta de entrada para este banco.

Roseni Cabral - 21/07/2016

Essa prática é recorrente na Caixa. Um absurdo que precisa ser punido. Os aprovados do concurso Cef 2014 sendo preteridos

2 comentários

1 de 1

GD

GD

Publicidade

Enquete

Qual o seu grau de satisfação com o atual funcionamento da democracia no Brasil?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 17/06/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,40 -0,47%

Algodão R$ 93,07 -0,51%

Boi a Vista R$ 132,65 -0,26%

Soja Disponível R$ 70,00 0,29%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.