Publicidade

Cuiabá, Sexta-feira 24/05/2019

Polícia - A | + A

após prisões 08.03.2019 | 09h10

Delegada investiga queima de arquivo e menciona extorsão

Facebook Print google plus

Chico Ferreira

Chico Ferreira

Após a prisão de 4 pessoas acusadas de participar do assassinato do empresário Wagner Florêncio Pimentel, 47, a Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) tenta identificar o responsável pelo mando do crime. Policiais buscam esclarecer se a execução da vítima estaria ligada a suposta "queima de arquivo", uma vez que o empresário era investigado por liderar esquema de sonegação fiscal de mais de R$ 140 milhões que resultou na operação “Crédito Podre”, em 2017. Florêncio também sofria extorsão. 

 

Leia também - Câmeras flagram momento de execução de empresário

 

De acordo com a delegada Jannira Laranjeira, que preside a investigação, a esposa de Wagner afirmou em depoimento que ele negociava uma delação premiada. “Nós recolhemos a declaração da esposa de que ele estava em uma tratativa com o Ministério Público”, relatou a delegada ao frisar que a informação não é oficial devido ao sigilo da investigação.   

 

A viúva também foi alvo da investigação junto com o empresário. Ambos receberam determinação de uso de tornozeleira eletrônica e estariam vivendo em casas separadas devido a ação judicial. O advogado da família, Akio Maluf, confirmou ao que havia o trâmite de delação. A repercussão do caso chegou até a Assembleia Legislativa, devido a possível ligação com o crime de sonegação fiscal.   

 

Jannira também relatou que Wagner sofreu extorsão, em outubro do ano passado, em relação à investigação operada pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra Administração Pública (Defaz). 

 

“A investigação está buscando se existe esse vínculo da pessoa que fez a extorsão lá em outubro com as pessoas que praticaram o homicídio”, relatou a delegada.   

 

Pelo homicídio estão presos Wellington Lemos Guedes Castro e Rosiele Fátima da Silva, que monitoraram os passos da vítima no dia do crime; Adão Joasir Fontoura, o executor; e Dayane Pereira Fontoura (ou Pimenta), que teria conferido o assassinato.   

 

O empresário foi morto a tiros por um criminoso em uma motocicleta no dia 9 de fevereiro deste ano. Pelo assassinato, 5 pessoas acusadas de monitar e executar a vítima foram presas nesta quinta-feira (7), na operação denominada Retentium Mortale. As investigações tramitam para a segunda fase.  

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

GD

GD

Publicidade

Enquete

O que você pensa sobre a militarização das escolas públicas?

Parcial

Edição digital

Sexta-feira, 24/05/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 19,00 -1,55%

Algodão R$ 91,52 0,44%

Boi a Vista R$ 138,50 -1,60%

Soja Disponível R$ 68,70 -1,29%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.