Cuiabá, Quarta-feira 17/10/2018

Polícia - A | + A

11.06.2018 | 16h15

Delegado tenta localizar pai de bebê indígena que foi enterrada pela bisavó

Facebook Print google plus
Divulgação

O delegado Deuel Paixão de Santana responsável pelo inquérito policial que investiga o caso da bebê indígena que foi enterrada viva pela bisavó e sobreviveu após cerca de 7 hora, ainda procura pelo pai da menina, um índio da etnia Trumai. O caso foi registrado na última terça-feira (5) em Canarana (823 km a leste de Cuiabá). 

Ele segue colhendo oitivas de testemunhas e familiares da bebê filha de uma adolescente indígena de 15 anos. A criança  foi resgatada pela Polícia Militar de dentro de uma cova e está internada num leito de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) da Santa Casa da Misericórdia de Cuiabá. 

Em entrevista ao Gazeta Digital, o delegado destaca que o caso é complexo. Isso porque indígenas dessa etnia se fixam em toda a região do Xingu, o que abrange várias cidades mato-grossenses até o estado do Pará. “Há muita dificuldade quando se trata de indígena para concluir uma investigação e não é só, envolve uma menor também. Nesse caso, nós vamos acionar a Fundação Nacional do Índio (Funai) para conseguir localizar o pai. Depois a gente manda um ofício para que ele se apresente na delegacia”, explica o delegado.

A mãe da recém-nascida, uma adolescente de 15 anos, assim como a avó e bisavó, ambas acusadas de enterrar a bebê viva, pertencem à etnia Kamayura. Mas o delegado frisa que por conta do lado paterno a jovem também teria descendência Trumai.

Divulgação/PJC-MT

Delegado Deuel Paixão Santana, responsável pelo inquérito da bebê indígena enterrada viva. 

Em depoimento, a adolescente alegou que namorava o homem escondido da família e quando os pais descobriram ela já estava grávida. Além disso, contou que o pai da criança já tinha uma família. “Ela sempre quis o bebê”, relatou o delegado ao afirmar que até o momento a mãe nunca tocou e nem viu a menina.

A investigação aponta que a avó e bisavó da bebê não a queriam por ser filha de mãe solteira. Embora exista uma cultura indígena onde crianças de mãe solteira são enterradas vivas após o nascimento, o delegado afirma que não é este o caso, pois elas iniciaram tentando interromper a gravidez. “Vamos continuar as investigações nessa mesma linha para apurar a participação e a motivação do crime, principalmente para elucidar se a ação foi premeditada”, finaliza.

Caso

A Polícia Militar divulgou um vídeo do resgate que mostra o exato momento em que a criança é retirada de um buraco. Estima-se que a criança ficou mais de 7 horas debaixo da terra até ser resgatada já que teria sido enterrada por volta das 14h e resgatada por volta das 21h.

De acordo com informações do boletim de ocorrência, o caso foi registrado por volta das 20h, da última terça-feira (5), quando os policiais receberam uma denúncia de que uma indígena de 15 anos, havia dado a luz a uma menina por volta das 12h, e já as 16h a criança teria sido enterrado pela bisavó com consentimento da mãe no terreno do lote ao lado da residência onde mora a família.

A avó e bisavó da recém-nascida indígena, enterrada viva em Canarana(a 823 km a Leste de Cuiabá), premeditaram a tentativa do homicídio, conforme apontam as investigações da Polícia Civil.

A avó foi presa ontem e a bisavó já estava presa desde terça-feira. O delegado responsável pelo caso, Deuel Paixão de Santana, destaca que os depoimentos confirmaram que as duas já haviam tentado fazer com que a adolescente de 15 anos abortasse, sem sucesso, e chegaram a coagir os familiares para não contarem a verdade.

Voltar Imprimir

Comentários

Enquete

Qual sua opinião sobre a polarização neste segundo turno das eleições?

Parcial

Edição digital

Quarta-feira, 17/10/2018

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 24,25 1,04%

Algodão R$ 115,18 1,08%

Boi a Vista R$ 126,75 0,13%

Soja Disponível R$ 69,10 0,00%

Classi fácil
btn-loja-virtual

Mais lidas

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.