Publicidade

Cuiabá, Segunda-feira 20/05/2019

Polícia - A | + A

16.02.2017 | 16h02

Mulher inventa gravidez para segurar marido

Facebook Print google plus

Foi para manter o companheiro ao seu lado que a dona de casa Cristiane Alves Amorim, 36, inventou gravidez e falso sequestro com suposto rapto do filho recém nascido. Foi o que ela garantiu ao delegado Diogo Santana de Souza, da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), que ouviu a acusada na noite de quarta-feira (15).

Em depoimento ela confessou que criou a falsa gravidez para reconquistar o companheiro, que disse que iria se separar dela. Disse que o plano deu certo e o relacionamento melhorou muito depois de anunciar a gravidez. Toda família acreditou e inclusive presenteou o casal que já tinha enxoval completo para a criança.

Divulgação

A falsa denúncia que mobilizou a Polícia se transforma em inquérito policial.

Mas com a aproximação da data do parto, teve que inventar a história pois não tinha como apresentar a criança se não estava grávida.

O marido disse ao delegado que não desconfiou de nada. Mas lembra que toda vez que ele queria ir junto com a esposa para realização de algum exame, ela inventava uma desculpa para ele não ir. Depois mandava fotos do celular sobre supostos exames que teria feito, incluindo ultrassom.

No dia sete de fevereiro ela disse que iria para a Santa Casa de Rondonópolis (212 km ao sul), onde reside e onde estaria com o parto agendado. Depois de ser deixada pelo marido diante do hospital seguiu para a casa de uma prima, que mora na Capital. Deu sequência ao plano e manteve contato com o marido dizendo que a situação teria se complicado e precisava ser transferida para hospital da Capital.

Na noite de terça-feira (14) ligou para o marido dizendo que havia sido sequestrada e depois abandonada pelos bandidos na região do Coxipó.

Em boletim de ocorrência ela relata que diante da Santa Casa foi abordada por uma mulher loira, que se identificou como “Laura”. Em seguida um casal se aproximou e se reuniu às duas mulheres e conversou sobre a gestação. Um deles ofereceu um copo de água e depois de beber o conteúdo ela disse que ficou sonolenta. Só lembra de ter sido colocada um veículo Doblô e levada para uma casa onde haviam aparatos médicos. Lá teria sido submetida a um parto forçado. Os sequestradores a obrigaram a ligar para o marido dizendo que teve problemas durante o parto e que seria transferida para Cuiabá.

Alega ter ficado o restante da semana em poder dos sequestradores e só foi liberta no estacionamento de um mercado atacadista, na região do Coxipó, quando conseguiu manter contato com o marido que veio encontrá-la na Capital.

Depois de autuada vai responder a inquérito policial por falsa notícia de crime. Exames clínicos, hemograma e um ultrassom confirmaram que ela não estava grávida.
 

Voltar Imprimir

Publicidade

Comentários

GD

GD

Publicidade

Enquete

Patinete elétrico virou febre no país. Você teria um?

Parcial

Edição digital

Segunda-feira, 20/05/2019

imagem
imagem
imagem
imagem
imagem
imagem

Publicidade

btn-4

Indicadores

Milho Disponível R$ 21,70 0,46%

Algodão R$ 90,05 -0,16%

Boi a Vista R$ 136,13 0,28%

Soja Disponível R$ 70,00 0,00%

Publicidade

Classi fácil
btn-loja-virtual

Publicidade

Mais lidas

Publicidade

O Grupo Gazeta reúne veículos de comunicação em Mato Grosso. Foi fundado em 1990 com o lançamento de A Gazeta, jornal de maior circulação e influência no Estado. Integram o Grupo as emissoras Gazeta FM, FM Alta Floresta, FM Barra do Garças, FM Poxoréu, Cultura FM, Vila Real FM, TV Vila Real, o Instituto de Pesquisa Gazeta Dados, Gráfica Millenium e o Portal Gazeta Digital.

Copyright© 2018 - Gazeta Digital - Todos os direitos reservados Logo Trinix Internet

É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem a devida citação da fonte.